Jogos digitais na estimulação cognitiva em idosos: resultados preliminares sobre a função mnemônica

Jessica Vieira, Maria de Fátima D. Luciano, Larissa C. Cerqueira, Abraão C. C. Rodrigues, Camila B. Bonfim

Resumo


O envelhecimento populacional é uma realidade na sociedade brasileira. Diante desse cenário, faz-se necessário investir em atividades de estimulação cognitiva para esse segmento populacional, uma vez que a idade é um fator de risco para o aparecimento de déficits em tais habilidades. Neste sentido, o presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa realizada com 14 idosos frequentadores de uma Universidade da Terceira Idade que participaram de uma intervenção mediada por jogos digitais. Foi analisado o desempenho qualitativo e quantitativo dos participantes em relação aos jogos, bem como o desempenho cognitivo, por meio de testes e tarefas que avaliam a função de memória. Os resultados apontam que os participantes ficaram abaixo das médias nas atividades de fluência verbal e na atividade de memória das Figuras Complexas de Reys e dentro da média em relação ao desempenho no Teste de Aprendizagem Auditivo-visual de Rey e do Mini Exame do Estado Mental, indicando que essa é uma função que necessita de investigação acerca das atividades de estimulação. As atividades com jogos, por sua vez, apontam que os participantes apresentaram melhora no desempenho ao longo das interações, indicados pela diminuição no tempo e pelo aumento das pontuações, o que pode indicar incremento no desempenho da função mnemônica.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, I. D.; FORLENZA, O. V.;BARROS, H. L., 2005. Demência de Alzheimer: correlação entre memória e autonomia.Rev. psiquiatr. clín., São Paulo, 32 (3), 131-136. [Acessado em 20Junho 2019].

ALMEIDA, O. P., 1998. Mini exame dos estado mental e o diagnóstico de demência no Brasil. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 56 (3B), 605-612.

BARROSO, S. M., 2018. Treinamento cognitivo de idosos com uso de jogos eletrônicos: um estudo de caso. Revista Ciência e Cognição, 23 (1), .043-053.

BONFIM, C. B., 2017. A Contribuição dos eventos de vida estressores no desempenho em testes de Funções Executivas Entre Participantes Do Elsabrasil. 168 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017. Disponível em: . [Acesso em: 22 jun. 2019].

CAMPBELL, D.T.,STANLEY, J., 1963. Experimental andquasi-experimental designs for research.HoughtonMifflinCompany, Boston.

COTTA, M.F., MALLOY-DINIZ, L.F., N, R.; MORAES, E.N., ROCA, F.L. E PAULA, J.J., 2012. O Teste de Aprendizagem Auditivo-Verbal de Rey (RAVLT) no diagnóstico diferencial do envelhecimento cognitivo normal e patológico. Contextos Clínicos, 5 (1), 10-25.

DIAS, L. B. T., FERNANDEZ, J. L. 2011. Neuropsicologia do desenvolvimento da memória: da pré-escola ao período escolar. Revista NeuropsicologiaLatinoamericana, 3 (1), 19-26. [Acesso em 22 Junho 2019].

EASTMAN JA et al., 2013. Cortical ThicknessandSemanticFluency in Alzheimer’sDiseaseandMildCognitiveImpairment. Am J AlzheimersDis, 1 (2), 81-92. [Acesso em 22 Junho 2019].

FONSECA, V., 2014. Papel das funções cognitivas, conativas e executivas na aprendizagem: uma abordagem psiconeuropedagógica. Rev. Psicopedagogia, 31 (96), 236-253. [Acesso em 22 Junho 2019].

LOMBROSO, P., 2004. Aprendizado e memória.Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, 26 (3), 207-210. [Acesso em21 Junho 2019].

LUCCHESE, F.; RIBEIRO, B., 2009. Conceituação de jogos digitais. São Paulo. Disponível em: http://www.dca.fee.unicamp.br/~martino/disciplinas/ia369/trabalhos/t1g3.pdf . [Acesso em 21 Junho 2019].

MACHADO, T. H.; FICHMAN, H. C.; SANTOS, E. L.; CARVALHO, V. A., FIALHO, P. P., KOENING, A. M., FERNANDES, C. S., LOURENÇO, R. A., PARADELA, E. M. P., & CARAMELLI, P., 2009. Normative data for healthyelderlyonthephonemic verbal fluencytask - FAS. Dementia&Neuropsychologia, 3(1), 55-60. [Acesso em 21 Junho 2019].

MIRANDA, G. M. D.; MENDES, A. C. G.; SILVA, A. L. A., 2016. Populationaging in Brazil: currentand future social challengesandconsequences. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro,19 (3), 507-519. [Acesso em Junho 2019].

MOURAO JUNIOR, C. A.,FARIA, N. C., 2015. Memória. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre , 28 (4), 780-788. [Acesso em21 Junho 2019].

RAMOS, D. K., 2013. Jogos cognitivos eletrônicos: contribuições à aprendizagem no contexto escolar. Ciência e Cognição, 18 (1), 019 -032. [Acesso em20 Junho 2019]

REY, A., 1999. Teste de cópia e de reprodução de memória de figuras geométricas complexas: Manual. São Paulo, Casa do Psicólogo.

SANTOS, M.T.; MENDOZA, C.F., 2017. Treino cognitivo para idosos: uma revisão sistemática dos estudos nacionais. Psico-USF, Bragança Paulista, 22 (2), 337-349. [Acesso em21 Junho 2019]

SIRÁLY, E. et al., 2015. MonitoringtheEarlySignsofCognitive Decline in Elderlyby Computer Games: An MRI Study. PLOS ONE. Disponível em: . [Acessado 10 Jan 2019].

ZIMMER, M., TROMBETTA, M., BIDUSKI, D., DE MARCHI A.C.B., COLUSSI, E.L., 2013. Um aplicativo móvel para treino de memória em idosos: desenvolvimento e avaliação. In: NuevasIdeasen Informática TISE, Chile: Universidad de Chile, 715-718. [Acesso em21 Junho 2019]

ZIMMER, M., MARCHI, A. C. B., COLUSSI, E. L., 2017. Treino de memória em idosos: o tablet como ferramenta de intervenção. Psic., Saúde & Doenças,Lisboa , 18 (2), 360-373. [Acesso em22 Junho 2019]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.