Funções Executivas e Jogos Digitais no Contexto Universitário: Uma Revisão Integrativa da Literatura

Marcelle Gomes de Jesus, Lynn R G Alves

Resumo


As funções executivas são definidas como mecanismos cognitivos que direcionam e coordenam o comportamento de maneira adaptativa ao que o ambiente exige. Devido à possibilidade de incorporar princípios favoráveis à aprendizagem, os jogos digitais têm sido utilizados como meio de estimulação das funções executivas. O presente estudo buscou investigar nas produções acadêmicas brasileiras as relações estabelecidas entre a estimulação das funções executivas mediadas pelos games no contexto universitário. O estudo se caracteriza como uma revisão integrativa da literatura, com busca de produções em português dos últimos cinco anos (2014 a 2019) nas seguintes bases de dados: CAPES, PubMed, Google Acadêmico e Scielo; os descritores utilizados foram: digital brain games* estudantes universitários*, funções executivas*, flexibilidade cognitiva*, controle inibitório*, lumosity*, jogos digitais*, serious games* e memória*. A partir disso, foram levantadas 500 produções, chegando-se a 2 artigos - retirados da base de dados do Google Acadêmico. Através da análise feita com as produções acima, tem-se que no contexto universitário há um número significativo de sujeitos que interagem frequentemente com jogos eletrônicos; notou-se também que há uma forte presença de sujeitos da área educacional nos estudos. Além disso, foi possível identificar que games educativos podem ser utilizados como espaço de aprendizagem na universidade. Somado ao baixo número de produções encontradas sobre essa temática, foi revelada uma lacuna no cenário da pesquisa brasileira referente ao contexto universitário quanto à estimulação das funções executivas através dos games, podendo essa ser uma oportunidade para que autores de diferentes áreas, por meio de metodologias diversas, possam voltar-se para essa temática. Entre as funções executivas citadas, a atenção obteve destaque. Nota-se ainda que a literatura aponta divergências na definição dessas funções, o que pode se configurar como espaço para novas discussões.



Texto completo:

PDF

Referências


Agências - Reuters,2019. Receita da indústria de games deve subir 9,6% em 2019, diz estudo. Estadão. Disponível em https://link.estadao.com.br/noticias/games,receita-daindustria-de-games-deve-subir-9-6-em-2019-diz-estudo,70002879015 [Acesso em 20 Jun. 2019].

Alves, L., 2013. Games e educação:desvendando o labirinto da pesquisa. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade. Salvador, 22 (40), 177-186.

Anastácio, B. e Ramos, D., 2017. O exercício das habilidades cognitivas na percepção dos adultos: uma análise da experiência com o jogo digital “Saga dos Conselhos”. In: Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, 12, Salvador, BA, Anais eletrônicos… Salvador, BA, 2017.

Brasil, 2018. Ministério da Educação. Curso de formação em conselhos escolares tem inscrições abertas. Brasília: 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/36368-formacao-continuada-em-conselhos-escolares [Acesso em 17 Mai 2019].

Fiqueiredo, M., Paz, T. e Junqueira, E., 2015. Gamificação e educação: um estado da arte das pesquisas realizadas no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Informática na Educação, 4, Maceió, AL. Anais eletrônicos… Maceió, AL, 2015.

Disponível em http://br-ie.org/pub/index.php/wcbie/article/view/6248 [Acesso em

Mai 2019].

Godoy, S., et al., 2010. Concepções teóricas acerca das funções executivas e das altas habilidades. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, 10 (1), 76-85.

Gomes, M., 2019. Jogos Digitais e Estimulação das Funções Executivas no Contexto Universitário: Uma Revisão Integrativa da Literatura. Salvador: UFBA. 17 p. (Relatório final de iniciação científica sob orientação de Lynn Alves).

Guimarães, P., et al.,2016. Uma Análise das possíveis contribuições do Gamebook Guardiões da Floresta para estimulação das funções executivas. In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, 15, São Paulo, SP. Anais eletrônicos... São Paulo, 2016. Disponível em http://www.sbgames.org/sbgames2016/downloads/anais/157351.pdf [Acesso em 09 Mai 2019].

Jesus, B., et al. 2018.Jogos digitais e funções executivas - um estudo investigativo com alunos de Bacharelados Interdisciplinares In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, 17, Foz do Iguaçu, PR.XVII Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital - SBGAMES 2018, Foz do Iguaçu, 1, 1 – 4.

Krause, K., Hounsell, M. e Gasparini, I., 2018. Aplicações dos jogos digitais nas funções executivas: um mapeamento sistemático da literatura. In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, 17, Foz do Iguaçu, PR. Anais eletrônicos... Foz do Iguaçu, 2018. Disponível em http://www.sbgames.org/sbgames2018/files/papers/ArtesDesignFull/188387.pdf [Acesso em 09 Mai 2019].

Lopes, N. e Oliveira, I., 2013. Videojogos, Serious Games e Simuladores na Educação: usar, criar e modificar. Educação, Formação & Tecnologias, [S.L.], 6 (1), 4-20.

Lopez Raventos, C., 2016. El videojuego como herramienta educativa. Posibilidades y problemáticas acerca de los serious games. Apert. (Guadalaj., Jal.), Guadalajara, 8 (1). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400018&lng=en&nrm=iso [Acesso em 10 Mai 2019].

Mendes, K.; Silveira, R. e Galvao, C., 2008. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm.,Florianópolis, 17 (4), 758-764. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400018&lng=en&nrm=iso [Acesso em 07 Mai 2019].

Mossmann, J., et al., 2016. Um Exergame para Estimulação de Componentes das Funções Executivas em Crianças do Ensino Fundamental I. In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, 15, São Paulo, SP. Anais eletrônicos...São Paulo, 2016. Disponível em: http://www.sbgames.org/sbgames2016/downloads/anais/157307.pdf [Acesso em 09 Mai 2019].

Mourão Junior, C. e Melo, L., 2011. Integração de três conceitos: função executiva, memória de trabalho e aprendizado. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, 27 (3), 309-314. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722011000300006&lng=en&nrm=iso [Acesso em 18 Mai 2019].

Ramos, D., 2013. Jogos cognitivos eletrônicos: contribuições à aprendizagem no context escolar. Ciênc. cogn., Rio de Janeiro, 18 (1), 19-32. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212013000100002 [Acesso em:13 Mai 2019].

Ramos, D. e Rocha, N., 2016. Avaliação do uso de jogos eletrônicos para o aprimoramento das funções executivas no contexto escolar. Rev. psicopedag., São Paulo, 33 (101), 133-143. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862016000200003 [Acesso em 13 Mai 2019].

Ramos, D. e Segundo, F., 2018. Jogos Digitais na Escola: aprimorando a atenção e a flexibilidade cognitiva. Educação & Realidade, [S.L.], 43 (2), 531-550.

Ramos, D., Fronza, F. e Cardoso, F., 2018. Jogos eletrônicos e funções executivas de universitários. Estudos de Psicologia, Campinas, 35 (2), 217-228.

Ramos, K., et al.,2018. Jogos digitais, habilidades cognitivas e motivação: percepção das crianças no contexto escolar. In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, 17, Foz do Iguaçu, PR. Anais eletrônicos... Foz do Iguaçu, 2018. Disponível em: http://www.sbgames.org/sbgames2018/files/papers/EducacaoFull/188319.pdf [Acesso em 09 Mai 2019].

Rivero, T., Querino, E. e Starling-Alves, I., 2012. Videogame: seu impacto na atenção, percepção e funções executivas. Revista Neuropsicologia Latinoamericana, [S.L.], 4 (3), 38-52.

Rocha, P., Alves, L. e Nery, J., 2014. Jogos digitais e reabilitação neuropsicológica: delineando novas mídias. In: Seminário Tecnologias Aplicadas a Educação e Saúde, 1, Salvador. Anais eletrônicos… Disponível em: http://www.revistas.uneb.br/index.php/staes/article/view/955

[Acesso em 13 Mai 2019].

Souza, M., Silva, M. e Carvalho, R., 2010. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), São Paulo, 8 (1), 102-106. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-45082010000100102&lng=en&nrm=iso [Acesso em 07 Mai 2019].

Suzuki, F, et al., 2009. O uso de videogames, jogos de computador e internet por uma amostra de universitários da Universidade de São Paulo. J Bras Psiquiatr., [S.L.], 58 (3), 62-168.

Tourinho, A., Bomfim, C. e Alves, L., 2016. Games, TDAH e funções executivas: Uma Revisão da Literatura. In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, 15, São Paulo, SP. Anais eletrônicos... São Paulo, 2016. Disponível em: http://www.sbgames.org/sbgames2016/downloads/anais/15215.pdf [Acesso em 09 Mai 2019].

Uehara, E., Charchat-Fichman, H. e Landeira-Fernandez, J., 2013. Funções executivas: Um retrato integrativo dos principais modelos e teorias desse conceito. Revista Neuropsicologia Latinoamericana, [S.L.], 5 (3), 25-37.

Vieira, J., et al., 2017. Funções executivas e games: teoria e prática dentro do contexto escolar. In: Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, 16, Curitiba, PR. Anais eletrônicos... Curitiba, 2017. Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2017/papers/CulturaShort/175399.pdf [Acesso em 09 Mai 2019].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.