Desenvolvimento e Uso de Uma Plataforma Digital Gamificada no Curso de Medicina em uma Universidade Pública do Interior de Minas Gerais

Eduardo Henrique M. Lima, Leonardo Isolani e Andrade, Márcio Roberto de Lima

Resumo


Frente a um contexto com amplas possibilidades de integração das mídias em vários aspectos nos espaços individuais, sociais e profissionais, as instituições de ensino precisam repensar os compromissos e propostas pedagógicas. Quando pedagogicamente planejada, a utilização de dispositivos digitais móveis em processos de ensino e aprendizagem pode potencializar as práticas pedagógicas. No entanto, não deixa de ser um grande desafio desenvolver metodologias e/ou recursos que representem melhorias nos resultados esperados, em mudanças na educação. Procuramos ponderar neste trabalho aspectos relacionados a pressupostos que tratam da utilização de tecnologias digitais na educação, considerando as transformações vivenciadas com base em estudos da cibercultura, de teorias voltadas para a gamificação, além de abordagens acerca das mudanças realizadas na educação médica nos últimos anos. Apresentamos neste trabalho os resultados parciais de uma pesquisa de iniciação científica, ainda em andamento, que trata do desenvolvimento e utilização de uma plataforma digital gamificada voltada para o processo de ensino e aprendizagem, no curso de medicina, em uma universidade pública no interior de Minas Gerais. A aplicação do teste de avaliação inicial possibilitou a validação da plataforma, tendo em vista que sua usabilidade foi considerada positiva tanto pelos alunos quanto pelos professores.


Texto completo:

PDF

Referências


Araújo MH., 2011. As vozes do professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco sobre o processo curricular desenvolvido em 2002 e a identidade do novo médico. Recife. Dissertação [Mestrado em educação]. Universidade Federal de Pernambuco.

Brasil. Ministério da Saúde, 2001. Promed-Programa de Incentivo às Mudanças Curriculares para as Escolas Médicas. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. 2014. Parecer CNE/CES Nº:116/2014 - Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Medicina. Diário Oficial da União. Brasília, 06 jun. de 2014; Seção 1, p. 17.

Buckingham, D., 2010. Cultura Digital, Educação Midiática e o Lugar da Escolarização. Educação e Realidade, 37-58. Porto Alegre, v. 35, n. 3, set-dez. Disponível em: Acesso em: 10 de abril de 2014.

Busarello, R.I.; Ulbricht, V.R.; Fadel, L.M.; Lopes, A.V. de F., 2016. Gamification Approaches to Learning and Knowledge Development: a theorical review. In: Advances in Intelligent Systems and Computing. 1 ed. Switzerland: Springer, v.444, p. 1107-1116.

Costa NC., 2007. Docência no ensino médico: Por que é tão difícil mudar? Revista Brasileira de Educação Médica. 31(1): 21-30

Deterding, S., Dixon, D., Khaled, R., Nacke, L., 2011. From Game Design Elements to Gamefulness: Defining “Gamification”. MindTrek’11. 28-30 de September, Tampere, Finland.

Fardo, M.L., 2013. A Gamificação aplicada em Ambientes de Aprendizagem. RENOTE – Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 11, n. 1, disponivel em: Acesso em: 09/06/2014.

Gabriel, M., 2013. Educ@r: a (r)evolução digital na educação. São Paulo: Saraiva.

Gee, J.P., 2007 Good vídeo games and good learning: collected essas on vídeo games, learning and literacy. New York: Peter Lang. (New Literacies and Digital Epistemologies; v. 27)

Karle H, Walton H, Lindgren S., 2012. The World Federation for Medical Education: History of the First Forty Years, 1972 -2012. Copenhagen: World Federation for Medical Education.

Lampert JB, Bicudo AM (Orgs.), 2014. 10 anos das Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Medicina. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Educação Médica.

Lemos, A., 2003. Cibercultura: alguns pontos para compreender a época. Em A. Lemos, & P. Cunha, Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulinas.

Lemos, A.; Lèvy, P., 2010. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus.

Lèvy, P., 1999. Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Leite, L., 2011. Mídia e a Perspectiva da Tecnologia educacional no processo pedagógico contemporâneo. Em W. Freitas (org.), Tecnologia e Educação: as mídias na prática docente. Rio de Janeiro: Wak.

Lima, M. R., 2012. CiberEducação: tensões, reflexões e desafios. Cadernos da Pedagogia. São Carlos, Ano 5 v. 5 n. 10, p. 18-29, jan-jun 2012.

Lima, M. R.; Nascimento, S. S., 2016. Plano Ceibal: Indícios de reconfiguração das práticas pedagógicas na cibercultura em uma escola uruguaia. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 14, n. 03, p. 1025 – 1053 – jul./Set. 2016.

Mattar, J., 2010. Games em educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson.

Martins, C., Giraffa, L.M.M., 2015. Gamificação nas práticas pedagógicas em tempos de cibercultura: proposta de elementos de jogos digitais em atividades gamificadas. In: XI SJEEC Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, 2015, Salvador. XI SJEEC Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação. Salvador: UNEB. v. 1. p. 1-10.

Marques F., 2012. Resgate crítico da CINAEM e das Diretrizes Curriculares Nacionais. Campinas. Monografia [Graduação em medicina]. Universidade Estadual de Campinas – Faculdade de Ciências Médicas.

Merhy EE, Aciole GG., 2003. Uma nova escola médica é possível? Aprendendo com o CINAEM as possibilidades de construção de novos paradigmas para a formação em medicina. Revista Pro-Posições; 40(1): 1-22.

Prensky, M., 2007. Digital game­based learning: practical ideas for the application of digital gamebased learning. St. Paul, MN: Paragon House. Resenha de João Mattar.

Prodanov CC, Freitas EC., 2013. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas de pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 Ed. Novo Hamburgo: Editora Freevale.

Ribeiro, S.R.O.; Vilaça, M.L.C., 2013. E-Book: Tecnologia, Educação E Leitura. Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 06. Rio de Janeiro: CiFEFiL.

Wangenheim, C.G.V., Borgatto, A.F., Nunes, J.V., Lacerda, T.C., Oliveira, R.J., Krone, C., Reolon, M., Xafranski, J. SURE: uma proposta de questionário e escala para avaliar a usabilidade de aplicações para smartphones pós-teste de usabilidade. Em: Interaction South America (ISA 14): 6ta. Conferencia Lationamericana de Diseño de Interacción; 2014 nov 19-22; Buenos Aires: Interaction Design Association ; Asociación de Profesionales en Experiencia de Usuario ; Internet Society ; Universidad Católica Argentina. Disponível em: http://bibliotecadigital.uca.edu.ar/ponencias/sure-proposta-questionario-escala.pdf

Weber, A., Santos, E., 2013. Educação Online em tempos de mobilidade e aprendizagem ubíqua: desafios para as práticas pedagógicas na cibercultura. Revista EDaPECi. São Cristóvão (SE) v.13. n. 2, p. 168-183. Disponível em: Acesso em: 30 de abril de 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.