Razão Celeste: um jogos sobre astronomia

Jorge Dores, Maicon Douglas, Maicon Douglas

Resumo


A Astronomia é a ciência que estuda o movimento, a constituição e a formação dos astros e suas relações. No Brasil, não há uma disciplina específica de Astronomia no ensino básico (fundamental e médio) e seu conteúdo passa a ser fragmentado em aulas de Química, Física, Geografia dentre outras. Tal método de ensino indireto adotado pelas escolas confunde os educandos, estes, por sua vez, recorrem a fontes não confiáveis para suprir sua curiosidade no que diz respeito à Astronomia. Com o intuito de propagar conhecimentos sobre Astronomia de forma lúdica e embasada na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), foi desenvolvido o jogo RAZÃO CELESTE. Trata-se de um game desenvolvido através do software Game Maker Studio 1.4, cuja linguagem é baseada em C/C++, para as plataformasWindows e Android. Visando abordar diretamente conteúdos de Astronomia e Física, o jogo é ambientado em um cenário espacial no qual, para progredir em sua jogabilidade, o jogador precisa explorar parte dos corpos celestes do Sistema Solar enfrentando naves rivais e respondendo perguntas baseadas nas questões da OBA. O jogo conta com representações 2D e 3D que revelam a órbita dos planetas do Sistema Solar com o intuito de mediar o usuário e a Astronomia. O projeto foi desenvolvido dentro das oficinas do Programa Ensino Médio Inovador (PROEMI) do Colégio Estadual Edvaldo Brandão Correia. O jogo pode ser utilizado nas aulas de Física do 1o ano do ensino médio dentro do conteúdo de Gravitação Universal e servindo, também, como ferramenta de preparação dos estudantes inscritos na OBA, uma vez que pode ser jogado tanto nosmartphone quanto em computador pessoal.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. R. G; COUTINHO, I. J. Games e Educação: Nas trilhas da Avaliação Baseada em Evidências. In: ALVES, L. R. G; COUTINHO, I. J. (Org.), 2016. Jogos Digitais e Aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. Papirus, Campinas. p. 9-15.

BARTLE, R, 1996. Hearts, clubs, Diamonds, spades: players who suit muds. Muse, Essex, Apr. Disponível em: http://www.arise.mae.usp.br/wp- content/uploads/2018/03/Bartle-player-types.pdf. Acesso em 5 jan. 2019.

BRETONES, P.S, 2014. Banco de Teses e Dissertações sobre Educação em Astronomia.

CASTRO, E.S.B.; PAVANI, D.B.; ALVES, V.M., 2009. A produção em ensino de astronomia nos últimos quinze anos. Painel 10, p.65. In: Simpósio Nacional de Ensino de Física, 18, 2009, Vitória. Caderno de programa... São Paulo: SBF.

CAYRES, V.; CORREIA, L. Uma análise da estrutura lúdica de Pokémon Go. In: ALVES, L.; TORRES, V. (Org.), 2017. Jogos digitais, entretenimento, consumo e aprendizagens: uma análise do Pokémom Go. Salvador, Edufba. P. 33-59.

GAMA, L.; HENRIQUE, A. ASTRONOMIA NA SALA DE AULA: POR QUÊ?, Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia – RELEA, n.9, p. 7-15, 2010.

JOHNSON, S, 2001. Cultura da interface: como o computador

transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

KANTOR, C. A., 2001. A ciência do céu: uma proposta para o ensino médio. 2001. 116 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Instituto de Física, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LANGUI, R., 2011. Aprendendo a ler o céu: pequeno guia prático para a astronomia observacional. Campo Grande: UFMS.

MARQUES, P. C. C.; MATTOS, M. I. L.; TAILLE, Y., 2001. Computador e ensino: uma aplicação à língua portuguesa. São Paulo: Ática, 2a ed. 96 p.

NOGUEIRA, S., 2009. Astronomia: ensino fundamental e médio. v.11. Brasília: MEC, SEB; MCT, AEB.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.