Motivação e Jogos Digitais em Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Bruna Santana Anastácio, Gleice Assuncao Silva, Daniela Karine Ramos

Resumo


Este trabalho tem como objetivo discutir os aspectos motivacionais atrelados aos jogos digitais em contextos educacionais na modalidade a distância. Para tanto, caracteriza-se como um estudo de caráter exploratório e qualitativo, utilizando como instrumento de coleta de dados as entrevistas semiestruturadas com os alunos do Curso de Extensão a Distância de Formação Continuada em Conselhos Escolares. Os dados foram analisados de acordo com a análise de conteúdo proposta por Bardin [2007]. A partir disso discute-se as relações presentes entre a motivação, os jogos digitais e a educação a distância, propondo um repensar desta relação, a qual pode resultar em uma maior motivação para a aprendizagem nesta modalidade de ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, E. V. B., 2008. AS NOVAS TECNOLOGIAS E O ENSINO-APRENDIZAGEM. VÉRTICES, RIO DE JANEIRO, V. 10,

ALVES, L. R. G., 2008. RELAÇÕES ENTRE OS JOGOS DIGITAIS E APRENDIZAGEM: DELINEANDO PERCURSO. EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO & TECNOLOGIAS-ISSN 1646-933X, V. 1, N. 2, P. [3-10].

ALVES, M. M; BATTAIOLA, A. L., 2011. RECOMENDAÇÕES PARA AMPLIAR MOTIVAÇÃO EM JOGOS E ANIMAÇÕES EDUCACIONAIS. ANAIS DO X SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GAMES E ENTRETENIMENTO DIGITAL– SBGAMES2011,.

ANASTÁCIO, B. S., 2016. CONTEXTOS LÚDICOS DE APRENDIZAGEM: UMA APROXIMAÇÃO ENTRE OS JOGOS ELETRÔNICOS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. FLORIANÓPOLIS.

BALASUBRAMANIAN, N.; WILSON, BR. G.; CIOS, K., 2006. INNOVATIVE METHODS OF TEACHING SCIENCE AND ENGINEERING IN SECONDARY SCHOOLS. INQUIRY, V.1, P.2.

BARDIN, L., 2009. ANÁLISE DE CONTEÚDO (EDIÇÃO REVISTA E ACTUALIZADA). LISBOA: EDIÇÕES, V. 70.

BARRETO, R. G. 2002. FORMAÇÃO DE PROFESSORES, TECNOLOGIAS E LINGUAGENS: MAPEANDO VELHOS E NOVOS (DES) ENCONTROS. EDIÇÕES LOYOLA.

CSIKSZENTMIHALYI, M., 2000. FLUXO: UMA PSICOLOGIA DA FELICIDADE . EDITORIAL KAIRÓS.

FALKEMBACH, G. A. M., 2018. O LÚDICO E OS JOGOS EDUCACIONAIS. DISPONÍVEL EM: HTTP://PENTA3.UFRGS.BR/MIDIASEDU/MODULO13/ETAPA1/LEITURAS/ARQUIVOS/LEITURA_1.PDF ACESSO EM: 26 FEV DE 2018

GEE, J. P., 2009. BONS VIDEOGAMES E BOA APRENDIZAGEM. PERPECTIVA, V 27, N1. FLORIANÓPOLIS.

HARVARD, C. D. C., 2011. CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE “CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO” DO CÉREBRO: COMO AS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS MOLDAM O DESENVOLVIMENTO DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS. ESTUDO N. 11. DISPONÍVEL EM: . ACESSO EM: 11/05/2017.

HAGUENAUER, C. J.; LIMA, L G. R.; CORDEIRO FILHO. F., 2010. COMUNICAÇÃO E INTERAÇÃO EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. IN: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA. FOZ DO IGUAÇU: ABED.

HARANDI, S. R, 2005. EFFECTS OF E-LEARNING ON STUDENTS' MOTIVATION. 3RD INTERNATIONAL CONFERENCE ON LEADERSHIP, TECHNOLOGY AND INNOVATION MANAGEMENT. PROCEDIA - SOCIAL AND BEHAVIORAL SCIENCES . DISPONÍVEL EM: HTTPS://WWW.RESEARCHGATE.NET/PUBLICATION/277026626_EFFECTS_OF_ELEARNING_ON_STUDENTS'_MOTIVATION

HERZBERG, F. ET AL, 1959. THE MOTIVATION TO WORK. 2. ED. NEW YORK, JOHN WILEY.

HSIAO, H., 2007. A BRIEF REVIEW OF DIGITAL GAMES AND LEARNING. IN: DIGITAL GAME AND INTELLIGENT TOY ENHANCED LEARNING, 2007. DIGITEL'07. THE FIRST IEEE INTERNATIONAL WORKSHOP ON. IEEE. P. 124-129.

HUERTAS, J. A., 2001. MOTIVACIÓN: QUERER APRENDER. BUENOS AIRES: AIQUE.

JUUL, J., 2005. THE GAME, THE PLAYER, THE WORLD: LOOKING FOR A HEART OF GAMENESS. PLURAIS-REVISTA MULTIDISCIPLINAR, V. 1, N. 2.

KIRRIEMUIR, J; MCFARLANE, A., 2009. REPORT 8: LITERATURE REVIEW IN GAMES AND LEARNING. FUTURELAB SERIES. RETRIEVED APRIL.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A., 2009. METODOLOGIA CIENTÍFICA: CIÊNCIA E CONHECIMENTO CIENTÍFICO; MÉTODOS CIENTÍFICOS; TEORIA, HIPÓTESES E VARIÁVEIS; METODOLOGIA JURÍDICA. SÃO PAULO: ATLAS.

MATTAR, J., 2010. GAMES EM EDUCAÇÃO: COMO OS NATIVOS DIGITAIS APRENDEM. SÃO PAULO: PEARSON PRENTICE HALL.

MAYER, R. E., 2005. THE CAMBRIDGE HANDBOOK OF MULTIMEDIA LEARNING. CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS.

MCGONIGAL, J., 2012. A REALIDADE EM JOGO: POR QUE OS GAMES NOS TORNAM MELHORES E COMO ELES PODEM MUDAR O MUNDO. RIO DE JANEIRO: BEST SELLER.

MEDEIROS, M. DE O.; SCHIMIGUEL, J., 2012. UMA ABORDAGEM PARA AVALIAÇÃO DE JOGOS EDUCATIVOS: ÊNFASE NO ENSINO FUNDAMENTAL. CADERNO ENIC (ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA), V. 1, N. 1.

MENEZES, G. S., TARACHUCKY, L., PELLIZZONI, R. C., PERASSI, R., GONÇALVES, M. M., GOMEZ, L. S. R., & FIALHO, F. A. P., 2014. REFORÇO E RECOMPENSA: A GAMIFICAÇÃO TRATADA SOB UMA ABORDAGEM BEHAVIORISTA. PROJETICA, V.5, N. 2, P. 9-18.

MINAYO, M. C. S., 1994. PESQUISA SOCIAL.

MURRAY, J., 2003. HAMLET NO HOLODECK: O FUTURO DA NARRATIVA NO CIBERESPAÇO. SÃO PAULO: ITAÚ CULTURAL/UNESP.

POPOOLA, O., 2012. E-LEARNING AND MOTIVATION. TESE DE DOUTORADO. ESCOLA DE EDUCAÇÃO E APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA. UNIVERSIDADE DE EAST ANGLIA. JULHO.

PRENSKY, MARC., 2012 APRENDIZAGEM BASEADA EM JOGOS DIGITAIS. SÃO PAULO: EDITORA SENAC.

PRENSKY, M., 2001. NATIVOS DIGITAIS, IMIGRANTES DIGITAIS PARTE 1. NO HORIZONTE , V.9, N.5, P. 1-6.

RAMOS, D. K., 2008. CIBERÉTICA: VIAS DO DESEJO NOS JOGOS ELETRÔNICOS. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. FLORIANÓPOLIS.

RAMOS, D. K., 2013. JOGOS COGNITIVOS ELETRÔNICOS: CONTRIBUIÇÕES À APRENDIZAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR. CIÊNCIAS & COGNIÇÃO, V. 18, N. 1, P. 19-32.

__________________(COORD), 2013. PROJETO DE CURSO DE EXTENSÃO FORMAÇÃO CONTINUADA EM CONSELHOS ESCOLARES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA: DEPARTAMENTO DE METODOLOGIA CIENTÍFICA.

RAMOS, D. K., 2012. CIBERÉTICA: A ÉTICA NO ESPAÇO VIRTUAL DOS JOGOS ELETRÔNICOS. EDUCAÇÃO & REALIDADE, V. 37, N. 1.

RIGBY, S; RYAN, R.. 2011. GLUEDTO GAMES: HOW VIDEO GAMES DRAW USAND HOLDUS IN A SPELLBOUND. CALIFORNIA: PRAEGER.

RITCHIE, D.; DODGE, B., 1992. INTEGRATING TECHNOLOGY USAGE ACROSS THE CURRICULUM THROUGH EDUCATIONAL ADVENTURE GAMES.

ROSLI, M.S; SALEH, S. N; ARIS, B.; AHMAD, M.; SEJZI, A. A; SHAMSUDIN, A. N., 2016. E-LEARNING AND SOCIAL MEDIA MOTIVATION FACTOR MODEL. INTERNATIONAL EDUCATION STUDIES. VOL. 9, Nº 1, P.20. DISPONÍVEL EM : HTTPS://WWW.RESEARCHGATE.NET/PUBLICATION/288857533_ELEARNING_AND_SOCIAL_MEDIA_MOTIVATION_FACTOR_MODEL

SAVI, R; ULBRICHT, V. R., 2008. JOGOS DIGITAIS EDUCACIONAIS: BENEFÍCIOS E DESAFIOS. RENOTE, V. 6, N. 1.

SALEN, K; ZIMMERMAN, E., 2012. REGRAS DO JOGO. FUNDAMENTOS DO DESIGN DE JOGOS. V.4 SÃO PAULO, BLUCHER.

SCHUYTEMA, P., 2008. DESIGN DE GAMES: UMA ABORDAGEM PRÁTICA. SÃO PAULO: CENGAGE LEARNING.

SCHELL, J. 2011. A ARTE DE GAME DESIGN: O LIVRO ORIGINAL. RIO DE JANEIRO: ELSEVIER.

SILVA, G. A., 2018. FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O USO DE JOGOS DIGITAIS: UM ESTUDO COM OS EGRESSOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO NA CULTURA DIGITAL. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. FLORIANÓPOLIS.

TAPIA, J. A; FITA, E. C., 1999. A MOTIVAÇÃO EM SALA DE AULA: O QUE É, COMO SE FAZ. SÃO PAULO: LOYOLA, P. 51.

TRIVIÑOS, A. N. S., 2006. INTRODUÇÃO À PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS – A PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO. SÃO PAULO: EDITORA ATLAS.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.