Tabuleiro com História: Uma abordagem de aprendizagem baseada em jogos com aprendizagem tangencial

Daniel de Sant’anna Martins, Oberdan Alves de Almeida Junior, Igor Silveira Moreno, Guilherme Xavier

Resumo


O artigo a seguir traz uma mudança de perspectiva e abordagem em um campo de estudos já amplamente discutido e explorado na Educação: a utilização de jogos como ferramenta de ensino-aprendizagem por Game Based Learning (chamado a partir de agora de GBL) ou Aprendizado Baseado em Jogos em uma tradução livre. Para fins educacionais o uso de jogos digitais - ou videogames, como são mais popularmente conhecidos - apresentam usos restritos conforme os contextos de sua instalação. Não diferente, ainda que devido à outras circunstâncias, também apresentam restrições à utilização os jogos analógicos - reconhecidos por seus dados, cartas e tabuleiros. As percepções e observações cotidianas mostram que o corpo docente de escolas de ensino médio carece de cultura de jogos e letramento lúdico em geral. Nesse tocante, jogos de tabuleiro contemporâneos, surgidos em meados da década de 1990 com o advento dos eurogames (jogos que primam pela estratégia, sem eliminação de jogadores e cuja aleatoriedade cumpre papel menor no design estrutural de suas regras), proporcionam uma eficaz oportunidade para elaboração práticas para o docente, se comparado aos jogos de tabuleiros muito dependentes de sorte e de mecânicas simples, como aqueles consolidados na década de 1980. O objetivo geral deste estudo é apresentar uma experiência didática e investigar os impactos da utilização dos jogos analógicos como ferramenta de aprendizagem tangencial no contexto de ensino médio integral, técnico-profissionalizante e integrado com a disciplina de História.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, I. E CARVALHO, A.A., 2017. Capacitar professores para o uso da gamificação. Atas do XIX Simpósio Internacional de Informática Educativa e VIII Encontro do CIED–III Encontro Internacional, 264-269.

BARBOSA, J. 2015. Dificuldades no ensino e aprendizagem de matemática: um estudo da percepção de professores e estudantes no 6 º ano do ensino fundamental. Universidade Estadual da Paraíba - Campus VII, Centro de Ciências Exatas e Aplicadas.

BORGES, C. J.; NEVES, L. O. R. 2005. O lúdico nas interfaces das relações educativas. In: Revista de pedagogia, V. 12.

BURGOS, C., ARAÚJO, L. E SILVA, A. 2018. Uma análise do Game-based Learning sob o ponto de vista do Design Experiencial de Norman como elemento motivacional no engajamento em sala de aula - Um estudo de caso da Quest to Learn. C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife.

CAILLOIS, R. 2017. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Editora Vozes Limitada.

CAMPOS, E. C. M. 2016. Como o lado emocional pode afetar usuários de aplicativos mobile: um estudo de caso baseado em UX. Mestrado Profissional em Design, C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife.

CHOU, YU-KAI. 2015. Actionable Gamification: Beyond Points, Badges, And Leaderboards. Octalysis Group.

COSTA, L. D. 2009. O que os jogos de entretenimento têm que os jogos educativos não têm. In: VIII Brazilian Symposium on Games and Digital Entertainment, 8-10.

FLOYD, D. E PORTNOW, J. 2012. Tangential Learning - How games can teach us while we play. In: Extra Credits. [Online] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rlQrTHrwyxQ&t=2s. [Acessado em 04 de maio de 2018]

GEE, J. P. 2007. What video games have to teach us about learning and literacy. Palgrave Macmillan.

GIACOMONI, M. P. E PEREIRA, N. M. 2018. Jogos e ensino de história. Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

GONZATTO, M. 2012. Por Que 89% Dos Estudantes Chegam Ao Final Do Ensino Médio Sem Aprender O Esperado Em Matemática? Disponível Em: . [Acessado em 29 de abril de 2018].

HARTOG, F. 2003. Tempo, história e a escrita da história: a ordem do tempo. Revista De História, N. 148, 9-34.

ISAACS, S. 2015. The difference between gamification and game-based learning. [online] Disponível em: http://inservice.ascd.org/the-difference-between-gamification-and-game-based-learning/. [Acessado em 29 de abril de 2018].

JUUL, J. 2013. The art of failure: an essay on the pain of playing video games. Mit Press.

MCGONIGAL, J. 2012. A realidade em jogo: por que os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Rio de Janeiro: Best Seller.

NORMAN, D. 2004. Emotional design: why we love (or hate) everyday things. Basic Books.

NORMAN, D. 2013. The design of everyday things: revised and expanded edition. Basic Books.

PRENSKY, M. 2001. Digital game-based learning. Mcgraw-hill.

ZICHERMANN, G. E CUNNINGHAM, C. 2011. Gamification by design. implementing game mechanics in web and mobile apps. Canada: O’reilly Media.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.