COOPERA: desenvolvimento de um jogo digital como programa de intervenção para crianças

François Danielli, Kamyla Thais Dias de Freitas, Fernando Luiz Cardoso

Resumo


Estamos desenvolvendo um programa de intervenção que será apresentado como um jogo digital coletivo, com aspectos cooperativos e competitivos e que se utilize do movimento corporal para atingir a meta, o Coopera. O jogo conta com 12 fases, na qual os jogadores precisam ajudar Coop, um macaco que vive na floresta tropical brasileira, a reencontrar seus amigos e sua casa. O jogo está sendo desenvolvido por profissionais da área da educação e da saúde, com o apoio de especialistas da área da tecnologia no ambiente Scrath. Assim, este trabalho tem como objetivo apresentar o desenvolvimento do jogo digital Coopera, como programa de intervenção para o desenvolvimento de habilidades motoras, capacidades físicas e funções executivas para crianças de 7 a 10 anos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. R. G., 2004. Game over: jogos eletrônicos e violência. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia.

BOLER, S., 2018. Jogar para Aprender: tudo que você precisa saber sobre o design de jogos de aprendizagem eficazes. São Paulo: DVS.

BRINCHER, S. AND SILVA, F., 2012. Jogos digitais como ferramenta de ensino: reflexões iniciais. Outra Travessia, 1 (1), 42-69.

BROTTO, F. O., 1999. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Dissertação de Mestrado, Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas.

CAETANO, L. M. D., 2015. Tecnologia e Educação: quais os desafios?. Educação (UFSM), 40 (2), 295-309.

DANTAS, E. H. A. 2003. A prática da preparação física, omo Ludens, 5aed. Rio de Janeiro.

FAETI, P. V. AND CALSA, G. C., 2015. Jogo, competição e cooperação: articulando saberes. In: XII Educere (Congresso Nacional de Educação). 26-29 October, Curitiba-PR.

GALLAHUE,D.L.AND OZMUN,J.C.,2001.Compreendendoo desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos, 1. ed. São Paulo: Phorte.

GOMES, T., MELO, J. AND TEDESCO, P., 2016. Jogos digitais no ensino de conceitos de programação para crianças. In: Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE). 24-27 October, Uberlândia-MG.

HUIZINGA, J. 2000. Homo Ludens, 4a ed. São Paulo: Editora Perspectiva.

KISHIMOTO, M. T., 2001. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira.

KNAPP, K. AND MORTON, J. B., 2013. Desenvolvimento do Cérebro e Funcionamento Executivo. Enciclopédia Sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância, Funções Executivas, 8-13.

MATTOS, M. G. AND NEIRA, M. G., 1999.

MACHADO, L. S., MORAES, R. M., NUNES, F. L. S., AND COSTA, R. M. E. M., 2011. Serious Games baseados em Realidade Virtual para Educação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 35 (2), 254-262.

MAGILL, R. A., 1984. Aprendizagem Motora: conceitos e aplicações, São Paulo: Edgard Blücher Ltda.

MATSUMOTO, L. E. AND CAMPOS, L. M. L. 2008. Favorecendo a cooperação entre crianças: relato de uma experiência. Revista Simbio-Logias, 1 (1), 200-213.

MATTAR, J., 2010. Games em educação: como os nativos digitais aprendem, São Paulo: Pearson Prentice Hall.

PAULA, B. H. AND VALENTE, J. A. 2016. Jogos digitais e educação: uma possibilidade de mudança da abordagem pedagógica no ensino formal. Revista Ibero-americana de Educação, 70 (1), 9-28.

PIAGET, J., 1971. A formação do símbolo na criança, imitação, jogo, sonho, imagem e representação de jogo, São Paulo: Zahar.

RAMOS, D. K. AND CRUZ, D. M., 2018. Jogos digitais em contextos educacionais, Curitiba: Editora CRV.

ROSAMILHA, N. 1979. Psicologia do jogo e aprendizagem infantil. São Paulo: Pioneira.

SANTAELLA, L. 2003. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós-humano. Revista Famecos, 10 (22), 23-32.

SAVI, R. AND ULBRICH, V. R., 2008. Jogos digitais educacionais: benefícios e desafios. RENOTE, 6 (1).

SERAPIÃO, J. A., 2004. Educação Inclusiva: jogos para o ensino de conceitos. Campinas: Editora Papirus Ltda.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.