Exergames nas aulas de Educação Física Escolar: sentidos atribuídos por um professor

Márcio R de Lima, Diego S. Mendes, Eduardo Henrique de Matos Lima

Resumo


Este trabalho relata a aproximação de uma escola pública urbana do uso do videogame com exergamesnas aulas de Educação Física. A pesquisa buscou compreender e sistematizar significações docentes acerca do uso dos exergames em práticas pedagógicas, ponderando potencialidades e limitações dessa tecnologia. Para tanto, foram utilizados doisvideogames Xbox One com Kinect e contou-se com a colaboração de um professor de Educação Física e de seus alunos do 3o ano do Ensino Médio. Metodologicamente, foi empreendida uma pesquisa- ação tendo como base a introdução dos videogames nas aulas, o que permitiu: a imersão de pesquisadores no contexto de estudo e suas aproximações dos sujeitos de pesquisa; a intervenção no cotidiano escolar; a realização de observações e geração de dados empíricos pela via da documentação audiovisual, questionários e entrevistas. Com essas ações foipossível identificar/observar: reconfiguração dosespaços escolares para a Educação Física; ressignificações nas ações pedagógicas envolvendo um processo de revisão e reflexão sobre a prática; introdução de novos conteúdos de referência na unidade curricular; melhorias na motivação discente para as aulas; desenvolvimento de uma cultura participativa discente (estimulada a partir da ação docente e da virtualização do movimento). As limitações envolvendo o uso dos exergames nas aulas estiveram associadas às restrições interpostas pela própria organização escolar, tais como o número de alunos das turmas e o tempo previsto para as aulas. Os indicadores sistematizados na pesquisa sugerem que osexergames propiciam um encontro positivo entre a escola, as práticas da Educação Física e a cultura digital, podendo essa tecnologia ser considerada como uma expansão das vivências corporais na unidade curricular.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B., 2004. Inclusão Digital do Professor: formação e prática pedagógica. São Paulo: Articulação.

BALLARD, M.; GRAY, M.; REILLY, J. E NOGGLE, M., 2009. Correlates of video game screen time among males: body mass, physical activity, and other media use. Eating Behav. v. 10, n. 3, 161-167.

BARDIN, L., 1977. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BENJAMIN, W., 1992. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Lisboa: Relógio D’Água Editores.

BETTI, M., 2001. Educação física e sociologia: novas e velhas questões no contexto brasileiro. In: CARVALHO, Y.M. de E RUBIO, K.Educação física e ciências humanas. São Paulo: Hucitec, 155-169.

CASTELLS, M., 1999. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra.

DALEY A. J., 2010. Can exergaming contribute to improving physical activity levels and health outcomes in children? Pediatrics, 124 (2), 763-771.

ELLIOT, J., 1998. Recolocando a pesquisa-ação em seu lugar original e próprio. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D. E PEREIRA, E. M. A. Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado da Letras, 137-152.

FREIRE, P., 1995. A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez.

FREIRE, P., 1976. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HARDT, M. AND NEGRI, A., 2005. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro: Record.

HEDLEY, A.; OGDEN, C.; JOHNSON, C.; CARROLL, M.; CURTIN, L. E FLEGAL, K., 2004. Overweight and obesity among US children, adolescents and adults. JAMA, 291 (23), 2847-2850.

KENSKI, V. M., 2003. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. Campinas: Papirus.

LEMOS, A., 2008. Cibercultura. Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Porto Alegre: Sulina.

LEMOS, A. E LÉVY, P., 2010. O futuro da Internet: Em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus.

LÉVY, P., 1999. Cibercultura. São Paulo: 34.

LÉVY, P., 1996. O que é o virtual. São Paulo: Editora 34.

LIMA, M. R.,2012. Cibereducação: tensões, reflexões e desafios. Cadernos da Pedagogia, 5 (10),18-29.

LIMA, M. R., 2009. Construcionismo de Papert e ensino- aprendizagem de programação de computadores no ensino superior. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São João del-Rei.

LIMA, M. R., 2015. Projeto UCA e Plano CEIBAL como possibilidades de reconfiguração da prática pedagógica com as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal de Minas Gerais.

LÜDKE, M. E ANDRÉ, M. E.D.A., 1986. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

MASETTO, M. T., 2012. Docência na universidade. Campinas: Papirus.

MENDES, D. S., 2008. Luz, câmera, pesquisa-ação: a inserção da mídia-educação na formação contínua de professores de educação física. Dissertação de Mestrado. Florianópolis.

MENDES, D. S., 2016. O estágio na licenciatura em educação física em perspectiva semiótica: (re)ver-se e (re)criar-se em imagens. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista.

MENDES, D. S., E BETTI, M., 2018. O estágio em perspectiva semiótica: uma experiência mediada por imagens em um curso de licenciatura em educação física. Revista Brasileira de Educação, 2.

MERLEAU-PONTY M.,1997. Phénoménologie de la Perception. Paris: Gallimard.

PEIRCE, C. S.,1974. Escritos coligidos. São Paulo: Abril Cultural.

PINTO, A.V.,2005. O conceito de Tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto.

SANDHOLTZ, J. H.; RINGSTAFF, C. E DWYER. D. C., 1997. Ensinando com tecnologias: criando salas de aula centradas nos alunos. Porto Alegre: Artes Médicas.

SANTAELLA, L.,2007. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus.

SILVA, M. S. E BRACHT, V.,2012. Na pista de práticas e professores inovadores na Educação Física Escolar. Kinesis, 1.

STENHOUSE, L. , 1993. La investigacíon como base de la enseñanza. Madrid: Morata.

THIOLLENT, M., 1996. Metodologia da Pesquisa-ação. Editora São Paulo: Cortez.

ZEICHNER, K. M.,1993. A Formação Reflexiva de Professores. Idéias e Práticas. Lisboa: EDUCA.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.