Jogos digitais nas classes hospitalares: desbravando novas interfaces

Isa Neves, Lynn Alves, Carina Gonzalez

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar experiências que integram os jogos digitais nas atividades realizadas nas classes hospitalares, propriamente das situadas no Hospital Universitário Canárias – HUC- (Tenerife-Espanha) e do Complexo Hospitalar Professor Edgard Santos – HUPES – o Hospital das Clínicas da Universidade Federal da Bahia (Salvador-Brasil). Nos últimos anos, o uso dos jogos digitais na área da Saúde e da Educação vem crescendo principalmente devido a sua integração no treinamento de profissionais, no tratamento terapêuticos, de transtornos alimentares (obesidade), reabilitação física etc. Para realizar este artigo opta-se por um modelo contrativo de análise, no qual não se objetiva valorar qualitativamente as experiências, mas sim demonstrar até que ponto se aproximam ou se afastam metodologicamente. Este artigo toma como referência tanto as publicações feitas de ambas as experiências como também as considerações registradas no diário de campo de uma das autoras que teve a oportunidade de conhecer ambas as classes hospitalares. Segundo os próprios relatos dos pacientes, essas experiências com os jogos digitais motivam e proporcionam sensações boas e de prazer, amenizando a angústia, a ansiedade, a tristeza e o isolamento causado durante o período de internação. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Lynn., 2013. Games e interatividade: mapeando posibilidades. VIC: Obra digital. Disponível em: http://revistesdigitals.uvic.cat/index.php/obradigital/article/view/28

BARROS, Alessandra; JESUS, Adriana; BARBOSA, Aurenívea., 2013. O Uso de Jogos Pedagógicos e Recreativos com Pacientes Pediátricos do Hospital das Clínicas da Ufba – Hupes. Disponível em:http://www.classehospital.hupes.ufba.br/wp-content/uploads/2013/11/CAPITULO-livro-P%C3%B3s-Congresso-III-CBEI-Alessandr-Barros-et-all.pdf

BARROS, Marina. 2012. Exergames: o papel multidisciplinar do design no desenvolvimento de jogos de exercício físico-funcional para o auxílio no combate da obesidade infantil. Mestrado Acadêmico em Design Instituição de Ensino: Universidade Federal de Pernambuco.

BELTRÁN-CARRILLO, V.J., VALENCIA-PERIS, A. Y MOLINA-ALVENTOSA, J.P., 2011. Los videojuegos activos y la salud de los jóvenes: revisión de la investigación. Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la actividad física y el deporte. VOL. 10 (41) PP. 203-219. HTTP://CDEPORTE.REDIRIS.ES/REVISTA/REVISTA41/ARTVIDEOJUEGOS190.HTM

BIDDISS, E.; IRWIN, J., 2010. Active video games to promote physical activity in children and youth. Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine, 164, 664-672

BRASIL, 2002. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Brasília: Ministério da Educação e Cultura/ Secretaria da Educação Especial.

BOGOST, I., 2007. Persuasive Games: The Expressive Power of Videogames. The MIT Press.

CHIN A Paw, M. J. M., JACOBS, W. M., Vaessen, E. P. G., Titze, S., & van Mechelen, W. (2008). The motivation of children to play an active video game. Journal of Science and Medicine in Sport, 11(2), 163-166.

EPSTEIN, L. H., BEECHER, M. D., GRAF, J. L., & ROEMMICH, J. N., 2007. Choice of interactive dance and bicycle games in overweight and non-overweight youth Ann Behav Med, 33, pp. 124–131

FALCADE, Ana Cristina., 2012. Análise do consumo de oxigênio e da frequência cardíaca obtidos através de um videogame ativo. Mestrado Acadêmico em Ciências da Saúde Instituição de Ensino: Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

GEE, James., 2010. Bons Videojogos, boas aprendizagem. Portugal: Pedago.

LANNINGHAM-FOSTER, L., JENSEN, T. B., FOSTER, R. C., REDMOND, A. B., WALKER, B. A., HEINZ, D. Et al., 2006. Energy expenditure of sedentary screen time compared with active screen time for children. Pediatrics, 118(6), e1831.

MADDISON, R., MHURCHU, C. N., JULL, A., JIANG, Y., PRAPAVESSIS, H., & RODGERS, A., 2007. Energy expended playing video console games: an opportunity to increase children's physical activity? Pediatric exercise science, 19(3), 334.

MACHADO, Liliane dos Santos et al., 2011. Serious games baseados em realidade virtual para educação médica. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 35, n. 2. Available from . access on 16 Mar. 2015.

VAGHETTI, César et al., 2011. Exergames no ciberespaço: uma possibilidade para Educação Física. Disponível em: http://www.sbgames.org/sbgames2011/proceedings/sbgames/papers/cult/full/92287_1.pdf

VYGOTSKY, L., 1998. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.