O professor sujeito da EJA: uma escuta psicanalítica

Maria de Lourdes Ornellas

Resumo


Este estudo revela a necessidade de engendrar a formação do professor sujeito da Educação de Jovens e Adultos de maneira que afeto e saber estejam amalgamados para que o aprender desse aluno se presentifique em ato. Este professor se constitui na falta, lugar não preenchido. Para engatar uma conversa sobre o que esse título dessa escritura sugere, faz-se relevante dizer que não se é professor, mas torna-se professor sujeito da EJA, práxis que se principia tal como o grafite e o papiro nas mãos da criança quase adulta: começa com as garatujas, em seguida estas dão lugar a rabiscos em que se observam algumas formas e, depois, imagens, que são representadas. Constitui-se de uma pesquisa em andamento e após a análise, os resultados serão revelados, na tentativa de socializar as contribuições dessa pesquisa com vistas à melhoria da educação e de modo singular o processo de formação do professor sujeito da EJA, que tem demandado novas reflexões. Penso que esse estudo não poderá dizer tudo, mas seu registro autentica o que escapa, o que tropeça no Real do professor-sujeito, posto que onde havia o escuro, a fala faz advir o claro, e este se esconde no significante professor sujeito da EJA.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rieja.v1i2.6162

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Classificação Qualis CAPES

Educação B3