Recortes literário e biográfico de Monteiro Lobato na defesa da eugenia e do fascismo racial

Regina Maria de Souza, Morena Dolores Patriota da Silva, Cristiane Maria da Silva

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo discutir as bases do processo eugênico contra a raça negra, defendidas na obra O presidente negro, de Monteiro Lobato (primeira edição em 1926). A análise da obra realizou-se a partir de defensores da eugenia, dentre eles Renato Kehl, e de trabalhos acadêmicos atuais que demonstram o tributo deixado pela eugenia no olhar e nas ações voltados à população negra. A conclusão é de que o projeto eugênico, proposto por Francis Galton em 1883, que chegou ao Brasil no início do século XX, mantém-se presente, escancarado no significativo número de negros assassinados no Brasil, em relação ao de brancos; escamoteado em produções acadêmicas e livros didáticos que ainda reverberam e exaltam as ideias de Lobato; mascarado na formação universitária de pesquisadores, no Brasil e no exterior. Formação fragmentada e fragmentária que, sem um olhar histórico diacrônico, acaba por alimentar, em gerações futuras, a crença na possibilidade de uma organização social e instituições sem conflitos, propostas e governadas, em sua maioria, por brancos que ouvem as diferenças, mas não transformam essa audição em escuta que possa romper a lógica de branqueamento e de controle sobre elas.


Palavras-chave


Biografia; Monteiro Lobato; Eugenia

Texto completo:

PDF

Referências


BERTUCCI, Liane Maria. Sanear a raça pela educação - teses da Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, início dos anos 1920. In: MOTA, André; MARINHO, Maria Gabriela S. M. C. (Orgs.). Eugenia e história: ciência, educação e regionalidades. São Paulo: CD.G Casa de Soluções Editoras, 2013. p. 219-238. (Coleção Medicina, Saúde e História, v. 4). Disponível em: https://www.academia.edu/5434282/Eugenia_e_Hist%C3%B3ria_-_Ci%C3%AAncia_Educa%C3%A7%C3%A3o_e_Regionalidades. Acesso em: 23 jul. 2019.

BLACK, Edwin. Guerra contra os fracos: a eugenia e a campanha dos Estados Unidos para criar uma raça dominante. Tradução de Tuca Magalhães. São Paulo: A Girafa, 2003.

BOARINI, Maria Lúcia. Apresentação. In: BOARINI, Maria Lúcia (Org.) Higiene e raça como projetos: higienismo e eugenismo no Brasil. Maringá: Eduem, 2003. p.11-18.

______. Higienismo, eugenia e a naturalização do social. In: ______. (Org.) Higiene e raça como projetos: higienismo e eugenismo no Brasil. Maringá: Eduem, 2003. p. 19-43.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 16 de julho de 1934). Diário Oficial da União de 16 de julho de 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao34.htm. Acesso em: 16 jan. 2019.

BRESCIANI, Maria Stella. Projetos políticos nas interpretações do Brasil na primeira metade do século XX. Revista de História – USP, São Paulo, Ed. Especial, p.187-215, jun. 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/19144/21207. Acesso em: 23 jul. 2019.

CARVALHO, Marco Antônio. Taxa de homicídios de negros é mais do que o dobro da de brancos no País. O Estado de S. Paulo, 5 jun. 2018. Disponível em: https://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,taxa-de-homicidios-de-negros-e-mais-do-que-o-dobro-da-de-brancos-no-pais,70002337809. Acesso em: 24 jul. 2018.

DIWAN, Pietra. Raça pura: uma história da eugenia no Brasil e no mundo. São Paulo: Contexto, 2007.

DJOKIC, Aline. Colorismo: o que é, como funciona. Geledés. Sessão Mulher. 26 fev. 2015, n.p. Disponível em: https://www.geledes.org.br/colorismo-o-que-e-como-funciona/. fev. 2015. Acesso em: 05 maio 2018.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Tradução de José Laurêncio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. (Coleção Perspectivas do Homem, v. 42. Série Política).

______. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EdUfba, 2008.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Atlas da Violência 2019. Organizadores: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 20. ed. São Paulo: Loyola, 2010.

FRANCISCO. Mônica da Silva. Discursos sobre colorismo: educação étnico-racial na contemporaneidade. Ensaios Filosóficos, v. XVIII, p. 97-109, dez. 2018. Disponível em: http://www.ensaiosfilosoficos.com.br/Artigos/Artigo18/07_FRANCISCO_Ensaios_Filosoficos_volume_XVIII.pdf. Acesso em: 20 jun. 2019.

FREYRE, G. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2003.

FULGÊNCIO, Rafael Figueiredo. O paradigma racista da política de imigração brasileira e os debates sobre a “Questão Chinesa” nos primeiros anos da República. Revista de Informação Legislativa, ano 51, n. 202, p. 203-221, abr./jun. 2014. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/503045. Acesso em: 23 jul. 2019.

G1 CAMPINAS E REGIÃO (editorial). PM de Campinas deixa vazar ordem para priorizar abordagens em negros. G1 Campinas e Região, Campinas, 23 jan. 2013 , n.p. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2013/01/pm-de-campinas-deixa-vazar-ordem-para-priorizar-abordagens-em-negros.html. Acesso em: 15 jan. 2019.

GENOVESE, Bruno. Cirurgia bariátrica cresce 47% em cinco anos no Brasil. [Entrevista concedida a] Gabriel Alves. Folha de São Paulo, São Paulo, 09 jul. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2018/07/cirurgia-bariatrica-cresce-47-em-cinco-anos-no-brasil.shtml. Acesso em: 3 jul. 2019.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. A constituição de 1934 no contexto da história do constitucionalismo brasileiro. Revista Jurídica Cesumar, jan./abr. 2017, v. 17, n. 1, p. 181-211. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2017v17n1p181-21. Acesso em: 23 jul. 2019.

GONÇALVES, Ana Maria. Carta Aberta ao Ziraldo. Atabaque Blog (Geledés), 21 fev. 2011. Artigos e Reflexões, n.p., 2011. Disponível em: https://www.geledes.org.br/carta-aberta-ao-ziraldo-por-ana-maria-goncalves-2/. Acesso em: 27 jul. 2019.

HOFBAUER, Andreas. Uma história de branqueamento ou o negro em questão. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. p. 796.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. A educação nas mensagens presidenciais (1890-1986). v. 1. Brasília: MEC/INEP, 1987.

KEHL, Renato. A cura da fealdade: eugenia e medicina social. São Paulo: Monteiro Lobato & Co. Editores, 1923.

LANG, Marina. Laudo aponta mais de 200 tiros em ação militar que matou músico e catador. UOL, Rio de Janeiro, 09 maio 2019. Sessão Cotidiano, n.p. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/05/09/laudo-aponta-mais-de-200-tiros-em-acao-militar-que-matou-musico-e-catador.htm. Acesso em: 21 maio 2019.

LOBATO, Monteiro. O Presidente Negro ou O choque das raças (Romance americano do ano 2228). In: ______. A Onda Verde e o Presidente Negro. São Paulo: Brasiliense, 1948. 2. ed. Obras Completas de Monteiro Lobato, 1ª série. v. 5. p. 123-330.

LOBATO, Monteiro. Urupês. 13. ed. São Paulo: Brasiliense, 1964. 1ª série. v. 1.

MAI, Lilian Denise. Difusão dos ideários higienistas e eugenistas no Brasil. In: BOARINI, Maria Lúcia (Org.). Higiene e raça como projetos: higienismo e eugenismo no Brasil. Maringá: Eduem, 2003.

MENEZES, César. Negros representam 71% das vítimas de homicídios no país, diz levantamento. Jornal Nacional, São Paulo, 18 nov. 2017, n.p. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/negros-representam-71-das-vitimas-de-homicidios-no-pais-diz-levantamento.ghtml. Acesso em: 22 jul. 2019.

MUNANGA, Kabengele. Prefácio. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs.). Psicologia Social do Racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 9-11.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NEVES, Consuelo. Colorismo: quem decide? Disponível em: http://blogueirasnegras.org/02/03/colorismo-quem-decide. 3 de fevereiro de 2015. Acesso em: 05 maio 2018.

NIGRI, André. Monteiro Lobato e o racismo: cartas inéditas reforçam que o autor do “Sítio do Picapau Amarelo” se entusiasmou com a eugenia - pretensa ciência que ajudou a embasar o nazismo e o holocausto. Revista Bravo!, São Paulo, ano 13, n. 165, maio 2011, Sessão: Livros, p. 24-33.

ROCHA, Simone. Política de branqueamento na educação brasileira: a eugenia na Era Vargas. In: XI COLUBHE - CONGRESSO LUSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 11., 2016, Porto, Portugal. Anais... Comunicações individuais. Eixo Políticas e práticas educativas. p. 2-17. Disponível em: http://web3.letras.up.pt/colubhe/actas/eixo3.pdf. Acesso em: 19 jul. 2019.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

______. Racismo no Brasil. São Paulo: Publifolha, 2013.

SILVA, Helder Kuiawinski da. A cultura afro como norteadora da cultura brasileira. Perspectiva, Erechim, v. 38, n.144, p. 25-35, dez. 2014. Disponível em: http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/144_449.pdf. Acesso em: 30 maio 2019.

SILVA, Morena Dolores Patriota da. Marcas eugênicas na educação de surdos no século XIX. 2015. 197 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/305014/1/Silva_MorenaDoloresPatriotada_M.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

STEPAN, Nancy Leys.Eugenia no Brasil, 1917-1940. In: HOCHMAN, G., and ARMUS, D. (Orgs.). Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004. p. 330-391. (História e Saúde collection). Disponível em: http://books.scielo.org/id/7bzx4. Acesso em: 24 jul. 2019.

SOUZA, Regina Maria de; GALLO, Silvio. Por que matamos o barbeiro? Reflexões preliminares sobre a paradoxal exclusão do outro. Educação & Sociedade, Campinas, UNICAMP, ano XXIII, n. 79, p. 39-63, ago. 2002. Disponível em: www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10848.pdf. Acesso em: 23 jul. 2019.

SOUZA, Renata. Quantos mais vão precisar morrer para essa guerra acabar? El País. Rio de Janeiro. 17 maio 2018. Sessão: Opinião. n.p. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/05/16/politica/1526427937_505226.html. Acesso em: 11 fev. 2019.

VERZOLLA, Beatriz Lopes Porto. As imagens da doença e da degeneração racial nos livros didáticos (1920-1930). In: MOTA, André; MARINHO, Maria Gabriela Silva Martins da Cunha (Orgs.). Eugenia e história: ciência, educação e regionalidades. São Paulo: USP, Faculdade de Medicina: UFABC, Universidade Federal do ABC: CD.G Case de Soluções e Editora, 2013.

ZIZEK, Slavoj. Violências: seis reflexões laterais. Tradução Miguel Serras Pereira. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n13.p210-228

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis A4 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0