A interface sujeito-agência no campo curricular: que contribuições das pesquisas (auto)biográficas?

Natália Rodrigues Mendes, Carmen Teresa Gabriel

Resumo


Considerando a intensificação da inserção dos estudos narrativos e/ou (auto)biográficos no campo do currículo, nos últimos anos, o objetivo deste texto é refletir sobre a articulação sujeito-agência, nos estudos do campo curricular, a partir das contribuições teórico-metodológicas das pesquisas (auto)biográficas. Nosso interesse em compreender os processos de subjetivação em contextos de formação, nos faz apostar nesta abordagem como um campo profícuo para pensar a complexa relação entre sujeito e estrutura, na leitura política do social. Trata-se de reconhecer a potencialidade analítica das narrativas (auto)biográficas, na compreensão da agência para além do par binário resistência e sujeição, hegemonicamente mobilizado nas análises do campo educacional, como polos dicotômicos e excludentes. Em diálogo com autores como Judith Butler (2014), Gert Biesta (2013) Christine Delory-Momberger (2011a; 2011b; 2012; 2014; 2016; 2017) e Saba Mahmood (2005; 2006), apostamos teoricamente no entendimento de que “tornar-se sujeito” ou produzir subjetividades políticas depende diretamente da regulação e, portanto, os meios que garantem a subordinação dos sujeitos são os mesmos que possibilitam a rebeldia ou o deslocamento em relação a essa sujeição.


Palavras-chave


Agência; Sujeito; Currículo; Estudos (auto)biográficos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico. Dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

BIESTA, Gertz. Para além da aprendizagem. Educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2013.

BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 42, p. 249-274, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

CARVALHO, Maria Inez da Silva de Souza; SÁ, Maria Roseli Gomes Brito de.; PIMENTEL- JUNIOR, Clívio. Currículo, (auto)biografias e diferença: políticas e poéticas do incontrolável no cotidiano da educação em ciências. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 29-59, jan./mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

DELORY-MOMBERGER, Christine A condição biográfica. Ensaios sobre a narrativa de si na modernidade avançada. Tradução de Carlos Galvão Braga, Maria da Conceição Passeggi e Nelson Patriota. Natal: EDUFRN, 2012.

_______. Fundamentos epistemológicos da pesquisa biográfica em Educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 333-346, abr. 2011a. Disponível em:

. Acesso em: 10 jan. 2019.

_______. Os desafios da pesquisa biográfica em educação. In: SOUZA, Elizeu Clementino de. (Org.). Memória (auto)biografia e diversidade. Questões de método e trabalho docente. Salvador: EDUFBA, 2011b. p. 43-57.

_______. Experiencia y formation. Biografization, biograficidad y heterobiografia. Revista Mexicana de Investigation Educativa, v. 19, n. 62, p. 695-710, jul./sep. 2014.

_______. La recherche biographique ou la construction partagée du savoir singulier. Salvador: Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, v. 1, n. 1, p. 133-147, jan./abr. 2016.

Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

_______. De quel savoir la recherche biographique en education est-elle le nom? Paris: Revue Le sujet dans la Cité, Actuels, La recherche biographique Quels savoirs pour quelle puissance d’agir? n. 6, p. 11-24, mar. 2017.

FOUCAULT, Michel. Les mots et les choses. Paris: Gallimard, 1966.

GABRIEL, Carmen Teresa. Conhecimento escolar e emancipação: uma leitura pós-fundacional. Cadernos de Pesquisa [on-line], v. 46, n. 156, p. 104-130, jan./mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

GABRIEL, Carmen Teresa. Conteúdo-rastro: um lance no jogo da linguagem do campo curricular. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 515-538, set./dez. 2017.

GABRIEL, Carmen Teresa. Objetivação e subjetivação nos currículos de licenciaturas: revisitando a categoria saber docente. Revista Brasileira de Educação, RBE, v. 23, p. 1-22, 2018a. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

GABRIEL, Carmen Teresa. Relação com o saber: uma proposta de releitura pós-fundacional, In: LOPES, A. C.; OLIVEIRA, A. L.; OLIVEIRA, G. G. S. de. A teoria do discurso na pesquisa em educação. Recife: Editora UFPE, 2018b. p. 217-249.

GAUJELAC, Vincent de. Qui est je? Sociologie clinique du sujet. Paris: Éditions du Seuil, 2009.

HOWARTH, David. Discourse. Buckinghtam; Philadelphia: Opens University Press, 2000.

LACLAU, Ernest; MOUFFE, Chantal. Hegemonía y estratégia socialista. Hacia una radicalización de la democracia. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2004.

LAROSSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-29, jan./fev./mar./abr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

LEITE, Miriam Soares. Adolescência e juventude no ensino fundamental: signifixações no contexto da prática curricular. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, p. 55-74, mai./ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

MAALOUF, Amin. Les identités meurtrières. Paris: Le Livres de Poche, 1998.

MAHMOOD, Saba. Politics of piety: the islamic revival and the feminist subject. Princeton: Princeton University Press, 2005.

_______. Teoria feminista, agência e sujeito libertatório: algumas reflexões sobre o revivalismo islâmico no Egito. Etnográfica, v. 10, n. 1, p. 121-158, mai. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

MARCHART, Olivier. El pensamiento político posfundacional: la diferencia política en Nancy, Lefort, Badiou y Laclau. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

NIEWIADOMSKI, C. Recherche biographique et clinique narrative. Entendre et écouter le sujet contemporain. Toulouse: Editions Erès, 2012.

RANNIERY, Thiago. Currículo, normatividade e políticas de reconhecimento a partir de trajetórias escolares de “meninos gays”. Education Policy Analysis Archives, v. 25, p. 1-32, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

RETAMOZO, Martín. Construtivismo: epistemologia y metodologia em las ciencias sociales. In: DE LA GARZA TOLEDO, E; LEYVA, G. (Orgs). Tratado de metodologia de las ciencias sociales: perspectivas actuales. México: FCE; UAM, 2012. p. 325-350.

SCOTT, Joan W. Experiência. In: SILVA, A. L. da.; LAGO, M. C. de S.; RAMOS, T. R. O. (Orgs.). Falas de gênero. Tradução de Ana Cecília Adoli Lima. Santa Catarina: Editora Mulheres, 1999. p. 21-55.

SOMMERER, E. L’école d’Essex et la théorie politique du discours: une lecture ‘postmarxiste’ de Foucault. Raisons politiques, n. 19, p. 193-209, 2005.

SOUZA, Elizeu Clementino de. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In: NASCIMENTO, A. D.; HETKOWSKI, T. M. (Orgs.) Memória e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 59-74.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n11.p714-728

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis A4 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0