A educação primária de uma menina da classe trabalhadora (Natal, 1937-1941)

Marta Maria de Araújo, Berenice Pinto Marques, Ana Luiza Medeiros

Resumo


Refletir sobre os elementos educacionais e pedagógicos que influíram na formação escolar da prof.ª Margarida de Jesus Cortez, em suas interações intergrupais no Grupo Escolar “João Tibúrcio” da cidade de Natal, de 1937 a 1941, é precisamente o objetivo do presente trabalho. Nesta abordagem de cunho histórico, utiliza-se como fonte documental uma entrevista realizada com a referida professora e a legislação educacional vigente à época de sua educação primária. Esse registro orienta-se, metodologicamente, no processo de análise do corpus, pelo entendimento de Delory-Momberger (2008), para quem a narrativa é o procedimento que se elabora pela reflexão e pela interpretação de uma história de vida e de vida escolar. A constatação conclusiva é a de que a formação escolar, considerada à luz dos elementos educacionais e pedagógicos referentes à educação primária da prof.ª Margarida de Jesus Cortez, no Grupo Escolar “João Tibúrcio”, revela-se fundamental para a construção da narrativa de uma vida humana, permeada por alcances em nível educacional, cultural e mesmo existencial. De modo mais verticalizado, a formação escolar, em nível primário, da prof.ª Margarida de Jesus Cortez foi essencial para os progressos de sua vida social.


Palavras-chave


Educação primária. Formação escolar. Elementos educacionais e pedagógicos. Interações intergrupais.

Texto completo:

PDF

Referências


CAMPANHA De Pé no Chão Também se Aprende a Ler. Entrevista com Moacyr de Góes. Revista Educação em Questão, Natal, v. 36, n. 22, p. 227-239, set./dez. 2009.

CHIZZOTTI, Antonio. Políticas públicas: direito de aprender e avaliação formativa. Práxis Educativas, Ponta Grossa, p. 561-576, v. 11, n. 3, set./dez. 2016.

CORTEZ, Margarida de Jesus. Memórias da Campanha “De Pé no Chão Também Se Aprende a Ler”. Reflexões sobre a prática pedagógica de ontem e de hoje. Natal: Editora da UFRN, 2005.

______. A educação escolar primária da prof.ª Margarida de Jesus Cortez. Natal, 6 ago. 2015. (Entrevista feita pela prof.ª Marta Maria de Araújo; gravada e filmada pela prof.ª Berenice Pinto Marques).

______. A educação secundária da prof.ª Margarida de Jesus Cortez. Natal, 2 jun. 2017. (Entrevistas gravadas e realizadas por Berenice Pinto Marques e Ana Luiza Medeiros).

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e educação. Figuras do indivíduo projeto. Tradução Maria da Conceição Passeggi, João Gomes da Silva Neto e Luis Passeggi. Natal: Editora da UFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

DEWEY, John. Experiência e educação. Tradução de Anísio Teixeira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971.

DUSSEL, Inés. A montagem da escolarização: discutindo conceitos e modelos para entender a produção histórica da escola moderna. Revista Linhas, Florianópolis, v. 15, n. 28, p. 250-278, jan./jun. 2014.

EDUCAÇÃO e Ensino. A República, Natal, p. 2, 16 fev. 1934.

FERNANDES, Rogério. Um marco no território da criança: o caderno escolar. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venancio. (Org.). Cadernos à vista. Escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008. p. 49-68.

GOÉS, Moacyr de. De Pé no Chão Também se Aprende a Ler (1961-1964). Uma escola democrática. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

______. Prefácio. In: Memórias da Campanha “De Pé no Chão Também Se Aprende a Ler.” Reflexões sobre a prática pedagógica de ontem e de hoje. Natal: EDUFRN – Editora da UFRN, 2005. p. 15-18.

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio; CUNHA, Maria Teresa Santos. Razões para guardar: a escrita ordinária em arquivos de professores/as. Revista Educação em Questão, Natal, v. 25, n. 11, p. 40-61, jan./abr. 2006.

PETITAT, André. Produção da escola/produção da sociedade: análise sócio-histórica de alguns momentos decisivos da evolução escolar no ocidente. Tradução de Eunice Gruman. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

RIO GRANDE DO NORTE. Lei n° 405, de 29 de novembro de 1916. Lei Orgânica do Ensino. Reorganiza o ensino primário, secundário e profissional, no Estado. Natal: Typographia d’A República, 1917.

______. Decreto n° 765, de 21 de dezembro de 1934. Cria no bairro do Alecrim, nesta capital, um grupo escolar denominado “João Tibúrcio”. Decretos do governo de julho a dezembro (1934). Natal: Imprensa Oficial, 1934.

______. Exposição apresentada ao Exmo. Sr. Dr. Getúlio Vargas – M. D. Presidente da República, pelo Interventor Federal no Rio Grande do Norte Mario Leopoldo Pereira da Câmara. Natal: Imprensa Oficial, 1935.

SNYDERS, Georges. A alegria na escola. Tradução de Bertha Halpera Guzovitz e Maria Cristina Caponero. São Paulo: Editora Manole Ltda, 1988.

VIÑAO, Antonio. Cadernos escolares como fonte histórica: aspectos metodológicos e historiográficos. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venancio. (Org.). Cadernos à vista. Escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008. p. 15-33.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2018.v3.n8.p644-656

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis A4 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0