ETNOFARMACOLOGIA E EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Victor Hugo de Oliveira Henrique, Victoria Souza Magalhães, Makson Alexandre, Maria Corette Pasa

Resumo


Este trabalho objetivou realizar um levantamento do conhecimento etnofarmacológico dos professores de uma escola pública. Sendo assim, realizou-se uma pesquisa de cunho qualitativo onde foi aplicado um questionário para 14 docentes do Ensino Fundamental e Médio. O gênero Feminino foi predominante entre os sujeitos da pesquisa foram registradas 15 espécies, distribuídas em 11 famílias botânicas. As espécies mais citadas pelos informantes foram Mentha spicata L. (hortelã), Cymbopogon citratus (DC. ex Nees) Stapf. (capim cidreira) e Plectranthus barbatus Andrews. (boldo) e as famílias botânicas mais citadas foram Lamiaceae e Poaceae. O método de uso mais citado foi na forma de chá e a parte botânica mais usada é a folha. Verificou-se que o conhecimento etnofarmacológico foi passado de geração para geração, contribuindo para a conservação desse conhecimento, os dados também possibilitam a realização de atividades de educação ambiental na escola, envolvendo toda a comunidade escolar e até as famílias dos alunos e ressalta o resgate de valores e conhecimentos.

 


Palavras-chave


Educação básica; Etnofarmacologia; Professores.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P. (Org). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: Livro rápido/NUPEEA. 2004.

ALMEIDA, M. A.; SILVA, C. J. Educação ambiental: práxis de uma comunidade tradicional no entorno do parque nacional do Pantanal Mato-Grossense. Ecs, Sinop/MT, v. 2, n.2, p. 78-93, julho/dezembro. 2012.

ALMEIDA, S.E.; PASA, M.C.; GUARIM, V.L.M.S. (in memoriam). Uso da Biodiversidade em Quintais de Comunidades Tradicionais da Baía de Chacorore, Barão de Melgaço, MT, Brasil. 2014. Biodiversidade - V.13, N1, 2014 - p. 141 – 155.

ALVES, L. I. F.; SILVA, M. M. P.; VASCONCELOS, K. J. C. Visão de comunidades rurais em Juazeirinho/PB referente à extinção da biodiversidade da Caatinga. Revista Caatinga (Mossoró, Brasil), v. 22, n.1, p.180-186, janeiro/março. 2009.

AMOROSO, M. C. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botanica Brasílica. 16 (2): 189-203, 2002.

APG III (Angiosperm Phylogeny Group). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121. 2009. Disponível em acessado em Junho de 2015.

BOAVENTURA, E. M. Metodologia da Pesquisa: monografia, dissertação e tese. São Paulo: Atlas, 2004.

BRUHN, J. G.; HOLMSTEDT, B. Ethnopharmacology, objectives, principles and perspectives. In: Natural products as medicinal agents. Stuttgart: Hippokrates, 1982.

DAVID, M. De; PASA, M.C.. As plantas medicinais e a etnobotânica em Várzea Grande, MT, Brasil. Interações, Campo Grande, v.16, n.1, p. 97-108, jan-jun/2015.

DIAS, T. A. B.; ALVES, R. B. N. O Projeto da Embrapa com a Associação União das Aldeias Krahô – Kapèy: etnobiologia, conservação de recursos genéticos e bem-estar alimentar em comunidades tradicionais. In: COELHO, M. F. B.; COSTA JÚNIOR. P.; DOMBROSKI, J. L. D. (Org.). Diversos olhares em etnobiologia, etnoecologia e plantas medicinais. Cuiabá: Unicen, 2003. p. 85-88. 2003.

ELIZABETSKY, E. Etnofarmacologia. Ciência e Cultura, vol. 55, n.3, São Paulo Jul/Set. 2003.

FERNANDES, P. C. Etnofarmacologia como ferramenta para Educação Ambiental. 2005. 160f. Tese (Doutorado em Biologia Funcional e Molecular) Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. 12ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GUARIM NETO, G. O.; FERREIRA, M. S. F. D.; GUARIM, V. L. M. S. O conhecimento ambiental e o contexto escolar no Pantanal Matogrossense. Revista de Educação Pública, v.8, n. 14, p. 27-40, UFMT: Cuiabá. 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Araputanga. Disponível em acessado em Junho de 2015.

IRALA, C.H.; FERNANDEZ, P.M. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

JESUS, N.Z.T.; LIMA, J.C.S.; SILVA, M.M.; ESPINOSA, M.M.; MARTINS, D.T.O. Levantamento etnobotânico de plantas popularmente utilizadas como antiúlceras e antiinflamatórias pela comunidade de Pirizal, Nossa Senhora do Livramento-MT, Brasil. Rev. Bras. Farmacogn. Braz J. Pharmacogn. 19(1A): Jan./Mar.2009.

JUNIOR, S. B. O.; SATO, M. Educação ambiental e etnoconhecimento: parceiros para a conservação da diversidade de aves pantaneiras. Ambiente e Educação, v. 11, p. 125-137. 2006.

LAYRARGUES, P. P. Educação Ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades. In: LOUREIRO C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. C.; (Org). Repensar a educação ambiental: um olhar crítico. São Paulo: Cortez. 2009.

LIBÂNEO, J. C. A didática e a aprendizagem do pensar e do aprender: a teoria histórico-cultural da atividade e a contribuição de vasili Davídov. Revista Brasileira de Educação, n. 27, p. 5-24, setembro/dezembro. 2004.

LISBOA, M. S.; FERREIRA, S. M.; Silva, M. S. Uso de plantas medicinais para tratar úlceras e gastrites pela comunidade do povoado Vila Capim, município de Arapiraca-AL, Nordeste do Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas (Etnobiologia). 6: p. 13-20. 2006.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MILANI, J. F. ; GUIDO, L. F. E. ; BARBOSA, A. A. A. Educação Ambiental a partir do regaste dos quintais e seu valor Etnobotânico no distrito de Cruzeiro dos Peixotos, Uberlândia, MG. Horizonte Científico (Uberlândia), v. 5, p. 1-32. 2011.

MING, L. C.; HIDALGO, A. de F.; SILVA, S. M. P. A etnobotânica e a conservação de recursos genéticos. In: ALBUQUERQUE, U. P. (Org.). Atualidades em etnobiologia e etnoecologia. Recife: SBEE. p. 141-151. 2002.

MMA Ministério do Meio Ambiente. Avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. Brasília: MMA/SBF, 2002.404 p.

ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1998.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS): Declaração de Jakarta. In: Promoção da Saúde e Saúde Pública. Rio de Janeiro: ENSP, 1997.

PASA, M. C. Saber local e medicina popular: a etnobotânica em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Bol. Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, Belém, v. 6, n. 1, p. 179-196, jan.- abr. 2011.

PASA, M. C. Um olhar etnobotânico sobre as comunidades do Bambá, Cuiabá, MT. Ed. Entrelinhas, Cuiabá, MT. 176 p. 2007.

RODRIGUES, V.E.G.; CARVALHO, D.A. de. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais do domínio cerrado na região do Alto Rio Grande - Minas Gerais. Ciência Agrotécnica, v.25, n.1, p.102-123, 2001.

SANTANA, R. H.; GRANDO, B. S. Povos Tradicionais e Meio Ambiente: Educação Ambiental numa perspectiva Intercultural em Cáceres-MT. In: III Fórum de Educação e Diversidade, 2008, Tangará da Serra. III Fórum de Educação e Diversidade. 2008.

SHEPHERD, G. Conhecimento de diversidade de plantas terrestres do Brasil. In: LEWINSOHN, T.M. & PRADO, P.I. Biodiversidade brasileira. Síntese do estado atual do conhecimento. São Paulo.Contexto. 2002.

VIANNA, C. P. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu (17/18) 2001/02: pp.81-103.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 Base de Indexadores: