Fios que tecem a história: o cabelo crespo entre antigas e novas formas de ativismo

Dailza Araújo Lopes, Ângela Figueiredo

Resumo


 

 Como desdobramento da dissertação de mestrado que se dedicou a investigar o ciberativismo como estratégia política de mulheres negras, esse estudo teve intenção de contextualizar teoricamente, dinâmicas históricas de ativismo, as quais trouxeram como ferramenta de luta o uso do cabelo crespo. Assim, torna-se importante destacar a influência do movimento político Black Power nos Estados Unidos a partir dos anos 1960 e seus desdobramentos no Brasil na década de 1970 e 1980, encabeçado pelo Movimento Negro – MN, promove um resgate da estética negra através e, principalmente, do cabelo crespo, configurando-se como uma forma de buscar a valorização e afirmação da identidade negra e o combate à hegemonia estética eurocêntrica. Percebe-se, portanto, que mulheres negras em grupos virtuais, têm usado como estratégias de articulação e militância política, o espaço virtual, através do Facebook para pautar o uso do cabelo natural como ferramenta política. Logo, o referido movimento político de mulheres negras autoidentificadas como mulheres crespas e cacheadas, faz uso da tecnologia, o ciberativismo, para articulação na rede virtual, propondo o uso cabelo natural, como ferramenta própria de combate ao racismo, ao preconceito e outras formas de opressão, implicando questões de empoderamento feminino, Feminismo negro e ativismo político, sendo protagonistas de novas formas de ativismo, pautando o uso do (retorno ao) cabelo crespo, como mecanismo estético de empoderamento e, tendo um alcance nacional, uma vez que o ciberativismo se configura como a diluição de fronteiras espaciais e geográficas. O Referencial teórico que se destaca nessa produção, está ancorado nas ideias de Domingues (2007); Figueiredo (1994; 2012); Gomes (2008); Hall (2003); Horochovski e Meirelles (2007); Lemos (2003); Maia (2015) e Mattos (2015).

Palavras-chave: cabelo crespo; Facebook; ativismo; mulheres negras.


Palavras-chave


cabelo crespo; Facebook; ativismo; mulheres negras.

Texto completo:

PDF

Referências


COUTINHO, C. L. R. A Estética dos Cabelos Crespos em Salvador. 2010. 109 f. Dissertação (Mestrado). Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Ciências Humanas - Campus V, Programa de Pós-Graduação em História Regional. Santo Antônio de Jesus, 2010.

DOMINGUES, Petrônio. 2007. Movimento Negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo [online]. vol. 12. n. 23. 2007. p.100-122. Disponível em: . Acesso em 05 de abr. De 2016.

FIGUEIREDO, Ângela. Global africanhair: representação e recepção do cabelo crespo numa exposição fotográfica. IN: SANSONE, Lívio. A política do intangível: museus e patrimônios em nova perspectiva (Org.). Salvador: Edufba, 2012. p. 293-313.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 2 ed. Porto Alegre: Sulina, 2003.

HOROCHOVSKI, Robson Rossi.; MEIRELLES, Giselle. 2007. Problematizando o conceito de empoderamento. Anais... Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2007. Disponível em: . Acesso em 08 de jun. de 2016.

MAIA, Luciana. Força Negra: a luta pela auto-estima de um povo. Rio de Janeiro: Ed. Autografia. 2015.

MATTOS, Ivanilde Guedes de; SILVA, Aline. 2014. Vício cacheado: estéticas afro diásporicas. Revista da ABPN. v. 6, n. 14. Jul/out. 2014, p. 214-235. Disponível em: . Acesso em 18 de jan. de 2015.

SANTOS, Nádia Regina Braga dos. Do blackpower ao cabelo crespo: a construção da identidade negra através do cabelo. Monografia. Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação. São Paulo, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.