Música, escola, juventudes e identidades: Reflexões sobre possíveis usos da música como construção de identidades juvenis nas aulas de ciências sociais no ensino médio público.

Hiago Iuri Macedo Moraes

Resumo


Tenho como proposta para o Trabalho de conclusão de curso refletir sobre os possíveis usos da música como recurso pedagógico para docência em ciências sociais no ensino médio público. É importante ressaltar que no presente trabalho utilizo os conceitos das ciências sociais, principalmente da antropologia, para entender a música na escola como meio de interação e transformação das identidades dos jovens, pensando a música como uma ação social que faz parte da interação/comunicação de muitas culturas juvenis como prática que corrobora na construção de suas subjetividades e identidades. A partir desse argumento, entendo que a música na escola tanto vem para legitimar as sociabilidades desenvolvidas pelos jovens, como também um meio de construção do conhecimento, de forma crítica e reflexiva. Ou seja, não percebo a música como mero meio de entretenimento e esvaziamento racional sem consequências sociais positivas na sala de aula. Mas sim, como formadora de personalidades e subjetividades capazes de enfrentar sua realidade e pensar em novas sociabilidades, de suscitar a nossa potencia de agir e de repensar nossos agenciamentos sociais e práticas cotidianas. Nesse aspecto há três áreas de pesquisas que se interagem no desenvolvimento do presente trabalho: juventude, música e escola. Utilizei experiências presenciais na escola do polivalente do Cabula a partir do programa institucional PIBID para ajudar na construção do trabalho.

Palavras-chave


Música; escola; juventude; ciências sociais; identidades;

Texto completo:

PDF

Referências


DAYRELL, J.T. o rap e o funk na socialização da juventude. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 117-136, jan./jun. 2002.

DENORA, Tia. Music in everyday life. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 3. ed. São Paulo: Ática, 1978, v. 1.

GADOTTI, Moacir. Boniteza de um sonho: Ensinar-e-aprender com sentido. – São Paulo: E d i t o r a F e e v a l e Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil 2003 .

GILROY, P. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Tradução de Cid Knipel Moreira. São Paulo: Ed. 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001. 432 p.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

PINTO, T. O. som e música: questões de uma antropologia sonora, “Revista de antropologia”. São Paulo, USP, 2001, v.44n° 1.

SACRISTÁN, J. G. O aluno como invenção . Porto Alegre: Artmed, 2005.

SILVA, J. S. memorias sonoras da noite: Musicalidades africanas no Brasil oitocentista. Tese (doutorado em história) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo. P. 431.

SPINOZA, B. Ética. Tradução Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SPOSITO, M. P., A sociabilidade juvenil e a rua: novos conflitos e ação coletiva na cidade, 1994, pg 165. Tempo Social;Ver. Sociol. USP, S. Paulo, 5(1-2): 161-178 ) (editado em nov 1994)

WELLER, W. A atualidade do conceito de gerações de karl mannheim. Revista “Sociedade e Estado”- V. 25. N°2, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.