Identidade, subjetividade e nação guineense na poesia de odete semedo

Karina de Almeida Calado, Maria Nazareth Soares Fonseca

Resumo


Este artigo objetiva analisar o relato de nação da GuinéBissau na póscolonialidade, presente no livro No Fundo do Canto, de Odete Semedo, interrelacionandoo à construção da identidade nacional, a partir do discurso de busca da identidade individual. Pretendese discutir como a voz poética, em busca de sua ancestralidade, evoca o passado e se coloca como mãe, mulher e mensageiro da nação, voz da reflexão e do desabafo diante dos horrores da guerra civil. A imagem do sujeito fragmentado, construída por Semedo, vai ao encontro da noção de identidade do sujeito pósmoderno como uma “celebraç~o móvel”, proposta por Hall (2003), que, ao afirmarse, ampliase para o plano da identidade nacional sugerido por Augel (2007). Convém também se analisar até que ponto as imagens e os conceitos de nação propostos por Hobsbawm (2008) convergem com a imagem de nação construída por Semedo.


Palavraschave: Literatura guineense. Odete Semedo.Identidade. Nação.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grau Zero - Revista de Crítica Cultural
(Organizada pelo PÓS-CRÍTICA)

Publicação Semestral

ISSN 2318-7085

 

INDEXADORES

 

 

 


FOMENTO/FINANCIAMENTO