O JOGO IDEOLÓGICO E SEUS REFLEXOS NOS DISCURSOS DE MORADORES DE SEABRA SOBRE A MARCHA COLUNA PRESTES

Jucimar de Souza Oliveira

Resumo


A Presente proposta de trabalho parte da compreensão do discurso enquanto prática social, instância simbólica onde os sentidos se fazem na/pela história. Partindo desse pressuposto a Análise Crítica do Discurso não apenas descreve as relações ideológicas, confrontando os mecanismos da linguagem, como também evidencia suas contradições e silenciamentos. O objetivo deste estudo foi, portanto, fazer um estudo analítico e reflexivo sobre a passagem da Coluna Prestes no município de Seabra-Bahia e seus efeitos de sentido representados através de narrativas de três moradores locais que viveram esse momento histórico. Para tanto, utilizou-se dos pressupostos teóricos e metodológicos da Análise Crítica do Discurso (ACD) para compreender essas representações presentes na memória social e discursiva, bem como as relações de poder presentes neste campo político

Palavras-chave


Coluna Prestes. Memória. Ideologia. Análise Crítica do Discurso. Seabra.

Texto completo:

PDF Remoto

Referências


BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobra a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e Técnica, arte e política: ensaios sobra literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994. p.197-221

BOSI, Ecleia. Memória e sociedade: Lembranças dos velhos. 3 Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CONTINUA preenchida a luta entre os revoltosos e as forças legalistas nas Lavras Diamantina. Bahia. Diário da Bahia, 04 de Abr. 1926 n.75 p.1

DIJK, Teun A. van. Discurso e poder. 2. Ed. 1ª reimpressão. São Paulo, 2012.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Unb, 2001.

JUNIOR, Mário C. M. Lanna. Tenentismo e crises políticas na Primeira República. In: O Brasil Republicano: O tempo do Liberalismo excludente: da Proclamação da República à Revolução de 1930. (Org.) Jorge Ferreira e Lucilia Delgado 3ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008, p. 315.

GAGNEBIM, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer – São Paulo: Ed. 34, 2006.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1997.

LIMA, Lourenço Moreira. A Coluna Prestes (Marchas e Combates). São Paulo. Ed. Alfa-Omega, 1979.

MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa: Planejamentos e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados – 6 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização – 7 ed,- São Paulo: Cortez, 2007

MORAIS, Walfrido de. Jagunços e heróis: a civilização do diamante nas lavras da Bahia. 4. ed. Bahia: EG BA; IPAC, 1991.

OLIVEIRA, Ivan Guanais de. Campestre do coronel e o poder das oligarquias. Salvador: Cotexto & Arte, 2007.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do Discurso: princípios e procedimentos- Campinas – SP: Pontes, 6ª Ed. 2005.

ORNELLAS, Maria de Lourdes S. (Entre)vista: a escuta revela – Salvador: EDUFBA, 2011. P. 81.

PRESTES, Anita Leocádia. Uma epopéia brasileira: a Coluna Prestes. 2.ed- São Paulo: Expressão Popular, 2009.

RAMALHO, Viviane; RESENDE, Viviane Melo – Análise do discurso (para a) crítica: O texto como material de pesquisa. Campinas, SP: Pontes Editora, 2011.

_______Análise do Discurso Crítica. 2. Ed. 1ª reimpressão - São Paulo: Contexto, 2013.

TALVEZ a hora extrema das incursões! Bahia. Diário da Bahia, 08 Abr. 1926 nº 78 p.1

THOMPSON, John B. Ideologia e Cultura Moderna. Petrópolis: Vozes. 1995.

TRAVA-SE formidável batalha nos sertões bahianos. Bahia. Diário da Bahia. 01 de abr. 1926 nº73 p. 1.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade do Estado da Bahia - UNEB - Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias - Campus XXIII
Rua Padre Justiniano Costa, s/n, Boa Vista- 46.990-000, Seabra - Bahia - Brasil