FOLGA FINANCEIRA E INOVAÇÃO EMPRESARIAL NO BRASIL

David Ferreira Lopes Santos, Matheus Moreira dos Santos Guevara, Santiago Valcacer Rodrigues

Resumo


Esta pesquisa analisa a influência da folga financeira no nível de investimentos em inovação empresarial no Brasil entre 2010 e 2014. O posicionamento desta pesquisa procura contribuir no melhor entendimento da relação controversa entre a estratégia baseada em folga financeira e os gastos nos recursos de inovação, por meio de um modelo exploratório. A amostra compreende as 100 maiores empresas não financeiras listadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Os gastos relativos aos investimentos em inovação foram tomados por meio de disclosure das notas explicativas e relatórios de gestão entre os anos de 2011 a 2014.  A folga financeira foi estratificada em disponível, recuperável e potencial de modo que os dados foram construídos a partir das demonstrações financeiras padronizadas de 2010 a 2013. Empregou-se a análise de regressão com dados em painel balanceado, com a técnica dos mínimos quadrados ponderados.  Os resultados evidenciam que a folga financeira disponível impacta de forma significativa os investimentos em inovação e para a folga recuperável, somente, os excedentes em marketing influenciam os investimentos em inovação. A avaliação do modelo empírico traz novas evidências para o tema, em especial, para a realidade brasileira.


Palavras-chave


Capacidade de inovar. Disponibilidade de Recursos. Indústria Brasileira

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, J. G.; CONFESSOR, K. L. A.; SANTOS, J. F. dos; OLIVEIRA, M. R. G. de; PRAZERES, R. V. dos. A Estrutura de Capital e a Governança: Análise dos conselhos de Admnistração e Estrutura de Propriedade nas empresas listadas no IBRX-100. Revista Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 7, n. 2, p. 121-140, 2017.

ASHWIN, A. S.; KRISHNAN, R. T.; GEORGE, R. Board Characteristics, Financial Slack and R&D Investments. International Studies of Management & Organization, v. 46, n. 1, p. 8-23, 2016.

BARBA, F. G. D.; CERETTA, P. S.; VIEIRA, K. M. Modelagem da Volatilidade em Períodos de Crise: Análise das Distribuições Alternativas no BRICS e nos EUA. Revista de Gestão, v. 18, n. 4, p. 569-584, 2011.

BEUREN, I. M.; STAROSKY FILHO, L.; KRESPI, N. T. Organizational slack versus financial performance. A study of companies on BM&FBovespa. Contaduría y Administración, v. 59, n. 2, p. 145-177, 2014.

BILLETT, M. T.; GARFINKEL, J. A. Financial Flexibility and the Cost of External Finance for U.S. Bank Holding Companies. Journal of Money, Credit and Banking, v. 36, n. 5, p. 827-852, 2004.

BOURGEOIS, L. J. On the measurement of organizational slack. The Academy of Management Review, v. 6, n. 1, p. 29-39, 1981.

BRADLEY, S. W.; SHEPHERD, D. A.; WIKLUND, J. The Importance of Slack for New Organizations Facing ‘Tough’ Environments. Journal of Management Studies, v. 48, n. 5, p. 1071–109, 2011.

CAMPOS, A. L. S.; NAKAMURA, W. T. Folga Financeira Avaliada como Endividamento Relativo e Estrutura de Capital. Revista de Finanças Aplicadas, v. 1, p. 1-19, 2013.

CHEVARRIA, D. G.; CARLIN, D. D. O. Investigação da Relação Entre a Estrutura de Capital e Inovação e Intensidade Tecnológica nas Companhias Abertas Brasileiras: Uma Análise com Base na Taxonomia de Pavitt. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. 3, 2012. Anais... Salvador: ANPAD. 2012. p. 1-15.

CONNELLY, J. T. Investment policy at family firms: Evidence from Thailand. Journal of Economics and Business, v. 83, p. 91-122, 2016.

CORRAR, L. J.; PAULO, E.; DIAS FILHO, J. M. (Coord). Análise Multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas, 2012.

CYERT, R. M.; MARCH, J. G. A Behavioral Theory of the Firm. New Jersey: Prentice Hall, 1963.

DALLABONA, L. F.; MACOHON. E. R.; ZITTEI, M.; LAVARDA, C. E. F. Antecedentes e efeitos de folga organizacionalem empresas listadas na BM&FBOVESPA: Análise sob as perspectivas contingencial e agência. In:

ENCONTRO DA ANPAD - ENANPAD, 37, 2013. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD. 2013. p. 1-16.

DANIEL, F.; LOHRKE, F. T.; FORNACIARI, C. J.; TURNER Jr. R. A. Slack resources and firm performance: a meta-analysis. Journal of Business Research, v. 57, n. 6, p. 565-574, 2004.

FARIA, J. A. de; SILVA, S. M. G. de. The effects of information asymmetry on budget slack: An experimental research. African Journal of Busyness Management, v. 7, n. 13, p. 1086-1099, 2013.

FRANQUESA, J.; BRANDYBERRY, A. Organizational Slack and Information Technology Innovation Adoption in SMEs. International Journal of e-Business Research, v. 5, n. 1, p. 25-48, 2009.

GEIGER, S. W.; CASHEN, L. H. A Multidimensional Examination of Slack and Its Impact on Innovation. Jornal of Managerial Issues, v. 14, n. 1, p. 68-84, 2003.

GOMES, G.; MACHADO, D. D. P.; GIOTTO, O. T. O Que se Produz de Conhecimento Sobre Inovação? Uma Breve Análise das Características dos Artigos de Inovação Publicados nos Anais do EnANPAD (1997-2009). Revista de Ciências da Administração, v. 11, n. 25, p. 209-228, 2009.

GUJARATI, D. Econometria Básica. São Paulo: Campus, 2006.

HAIR Jr., et al. Análise Multivariada de Dados. 5a ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

KUNIY, M.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. Estratégias de Inovação e Estrutura de Capital de Empresas Brasileiras. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, 12, 2009. Anais... São Paulo: FGV. 2009. p. 1-16.

LAI, H.-C. When is betweenness centrality useful to firms pursuing technological diversity? An internal resources view. Technology Analysis & Strategic Management, v. 28, n. 5, p. 507-523, 2016.

LATHAM, S.; BRAUN, M. Managerial Risk, Innovation, and Organizational Decline. Journal of Management, v. 35, n. 2, p. 258-281, 2009.

LEE, C.-Y.; WU, H.-L.; PAO, H.-W. How does R&D intensity influence firm explorativeness? Evidence of R&D active firms in four advanced countries. Technovation, v. 34, n. 10, p. 582–593, 2014.

LEE, S. Slack and innovation: Investigating the relationship in Korea. Journal of Business Research, v. 68, n. 9, p. 1895 - 1905, 2015.

LINTNER, J. Distribution of Incomes of Corporations among Dividends, Retained Earnings and Taxes. The American Economic Review, p. 97-113, 1956.

LUNGEANU, R.; STERN, I.; ZAJAC, E. J. When do firms change technology-sourcing vehicles? the role of poor innovative performance and financial slack. Strategic Management Journal, v. 37, n. 5, p. 855-869, 2016.

MATIAS, A. B. (Coord.) Finanças Corporativas de Curto Prazo. A Gestão do Valor do Capital de Giro. São Paulo: Atlas, 2007.

MOSES, D. O. Organizational slack and risk-taking behavior: tests of product pricing strategy. Journal of Organizational Change Management, v. 5, n. 3, p. 38-54, 1992.

NATIVIDAD, G. Financial Slack, Strategy, and Competition in Movie Distribution. Organization Science, v. 24, n. 3, p. 846-864, 2013.

NOHRIA, N.; GULATI, R. Is slack good or bad for innovation? The Academy of Management Journal, v. 39, n. 5, p. 1245-1264, 1996.

OLIVEIRA, G. R. de; DALLABONA, L. F.; PLETSCH, C. S. Perfil Bibliométrico da Produção Científica sobre Folga Organizacional em Periódicos Nacionais. Desafio Online, v. 6, n. 2, p. 255-277, 2018.

PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Econometria: Modelos e Previsões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

PONTE, V. M. R.; OLIVEIRA, M. C. Prática da evidenciação de informações avançadas e não obrgatórias nas demonstrações contábeis das empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Financas, v. 15, n. 36, p.7-20, 2004.

SANGHOON, L. Slack and innovation: Investigating the relationship in Korea. Journal of Business Research, v. 68, n. 9, p. 1895-1905, 2015.

SANTOS, D. F. L. BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. Innovation efforts and performances of Brazilian firms. Journal of Business Research, v. 67, n. 4, p. 527–535, 2014.

SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. A Estrutura da Capacidade de Inovar das Empresas Brasileiras: Uma Proposta de Construto. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 3, p. 103-128, 2012.

SANTOS, V. D. Percepção de justiça na avaliação de desempenho versus folga organizacional dos controllers: Um estudo em empresas com sistemas de remuneração por recompensa. 169f. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2010.

SATTA, G.; PAROLA, F.; PENCO, L. ; FALCO, S. E. Insights to technological alliances and financial resources as antecedents of high-tech firms’ innovative performance. R&D Management, v. 46, Special Issue, p. 127-147, 2016.

VANACKER, T.; COLLEWAERT, V.; PAELEMAN, I. The relationship between slack resources and the performance of entrepreneurial firms: The role of centure capital and angel investors. Journal of Management Studies, v. 5, n. 6, p. 1070-1096, 2013.

WANG, C.; LUO, B.; LIU, Y.; WEI, Z. The impact of executives perceptions of envionmental theats and organizational slack on innovation strategies. Nankai Business Review International, v. 7, n. 2, p. 216-230, 2016.

WANG, H. et al. Slack Resources and the Rent-Generating Potential of Firm-Specific Knowledge. Journal of Management, v. 42, n. 2, p. 500-523, 2016.

ZONA, F. Corporate Investing as a Response to Economic Downturn: Prospect Theory, the Behavioural Agency Model and the Role of Financial Slack. British Journal of Management, v. 23, Issue Supplement, p. 42-57, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18028/rgfc.v8i1.5436

Apontamentos

  • Não há apontamentos.