INFLUÊNCIA DA OCIOSIDADE FABRIL NO CUSTO UNITÁRIO DO PRODUTO: COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS TDABC E ABSORÇÃO

Rodney Wernke, Ivone Junges

Resumo


O artigo pretendeu responder questão ligada à identificação das possíveis causas da diferença no valor (R$) dos custos unitários dos produtos, em razão da ociosidade fabril, nos métodos de custeio TDABC e Absorção. Nesse sentido, foi estabelecido como objetivo geral mensurar a ociosidade, de forma comparativa, pelos dois métodos no contexto de uma pequena empresa que atua como lavanderia. Depois de uma revisão da literatura que abordou os principais conceitos ligados ao tema do artigo e sobre pesquisas anteriores com abordagens assemelhadas, foram explicitadas as características metodológicas que nortearam o estudo. Na sequência foram descritos os principais aspectos da pesquisa, como os dados utilizados e os cálculos realizados. A análise dos resultados permitiu concluir que os valores de custos unitários (em R$) apurados pelos dois métodos resultam diferentes se apurados pela concepção original destes e uma parte significativa dessa diferença pode ser atribuída, principalmente, à maneira como essas formas de custeamento tratam a ociosidade. Enquanto no TDABC somente a capacidade efetivamente utilizada (em minutos) é alocada como custo aos produtos elaborados no período, no Absorção isso não ocorre. Este último, a priori, assume que os gastos do período são atribuíveis à totalidade da produção respectiva (pelo volume de tempo despendido a partir da quantidade produzida). Destarte, considera-se que a principal contribuição deste estudo reside na evidenciação de que o TDABC pode revelar com maior facilidade o impacto no custo unitário dos produtos relacionado com o valor monetário do nível de ociosidade fabril.

Palavras-chave


Ociosidade produtiva; TDABC e Absorção; Lavanderia

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ATKINSON, A. A.; BANKER, R. D.; KAPLAN, R. S.; YOUNG, S. M. Contabilidade gerencial. São Paulo: Atlas, 2000.

BARRET, R. Time-Driven Costing: the bottom line on the new ABC. Business Performance Management, Mar./2005.

BETTINGHAUS, B.; DEBRUINE, M.; SOPARIWALA, P. R. Idle capacity costs: it isn't just the expense. Management Accounting Quarterly, v.13, n.2, winter, 2012.

BORNIA, A. C. Mensuração das perdas dos processos produtivos: uma abordagem metodológica de controle interno. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (Tese de Doutorado), 1995.

BUCHHEIT, S. (2003) Reporting the cost of capacity. Accounting, Organizations and Society, v.28, n.6, p. 549-565, 2003.

CAMPANALE, C.; CINQUINI, L.; TENUCCI, A. Time-driven activity-based costing to improve transparency and decision making in healthcare: a case study. Qualitative Research in Accounting & Management, v. 11, n. 2, p. 165–186, 2014.

CARDINAELS, E.; LABRO, E. On the determinants of measurement error in Time-Driven Costing. The Accounting Review, v. 83, n.3, p. 735-756, may, 2008.

DALCI, I.; TANIS, V.; KOSAN, L. Customer profitability analysis with time-driven activity-based costing: a case study in a hotel. International Journal of Contemporary Hospitality Management, v. 22, n. 5, p. 609–637, 2010.

DE LA VILLARMOIS, O.; LEVANT, Y. Le time-driven ABC: la simplification de l’évaluation des coûts par le recours aux équivalents – un essai de positionnement. Finance Contrôle Stratégie, v. 10, n. 1, p. 149-182, 2007.

EVERAERT, P.; BRUGGEMAN, W. Time-driven Activity-based Costing: exploring the underlying model. Cost Management, v.21, n.2, Mar/Apr, p.16-20, 2007.

EWER, S. R.; KELLER, C.; OLSON, S. K. No equivocating: expense those idle capacity costs. Strategic Financ, p. 55-59, June, 2010.

GERVAIS, M.; LEVANT, Y.; DUCROCQ. Time-driven activity-based costing (TDABC): an initial appraisal through a longitudinal case study. JAMAR, v, 8, n. 2, p. 1-20, 2010.

GIRI, B. C.; MOON, I. (2004). Accounting for idle capacity cost in the scheduling of economic lot sizes. International Journal of Production Research, vol. 42, no. 4, p. 677-691, 2004.

HORNGREN, C. T.; FOSTER, G.; DATAR, S. M. Contabilidade de custos. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

IUDÍCIBUS, S. DE; MARTINS, E.; GELBCKE, E. R.; SANTOS, A. dos. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades, de acordo com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010.

KAPLAN, R. S. Improving value with TDABC. Healthcare Financial Management, v. 68, n. 6, p. 76–83, 2014.

KAPLAN, R. S., COOPER, R. Custo e desempenho: administre seus custos para ser mais competitivo. São Paulo: Futura, 1998.

KAPLAN, R. S.; ANDERSON, S. R. Custeio baseado em atividade e tempo. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

KONT, K.-R.; JANTSON, S. Activity-Based Costing (ABC) and Time-driven Activity-based Costing (TDABC): applicable methods for university libraries? Evidence Based Library and Information Practice, p. 107–119, 2011.

MARQUES, K. C. M.; CAMACHO, R. R.; ALCANTARA, C. C. V. de. Avaliação do rigor metodológico de estudos de caso em contabilidade gerencial publicados em periódicos no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças – USP. São Paulo, v.26, n.67, p.27-42, jan./abr. 2015.

MARTINS, E. Contabilidade de custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTINS, E.; ROCHA, W. Métodos de custeio comparados: custos e margens analisadas sob diferentes perspectivas. São Paulo: Atlas, 2010.

PEREIRA, S. I. M. Custeio por atividades (ABC) e unidade de esforço de produção (UEP): similaridades, diferenças e complementaridades. Dissertação (Mestrado). PPGCC. Universidade de São Paulo - USP, 2015.

POPESKO, B. How to calculate the costs of idle capacity in the manufacturing industry. Global Business and Management Research. v. 1, n. 2, p. 19-26, 2009.

RATNATUNGA, J.; TSE, M. S. C.; BALACHANDRAN, K. R. Cost Management in Sri Lanka: a case study on volume, activity and time as cost drivers. The International Journal of Accounting, v. 47, p. 281–301, 2012.

RAUEN, F. J. Roteiros de iniciação científica: os primeiros passos da pesquisa científica desde a concepção até a produção e a apresentação. Palhoça: Ed. UNISUL, 2015.

RAUPP, F.; BEUREN, I. M. Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: BEUREN, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. 3a. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ROCHA, C. A; ROCHA, A. Contabilidade de custos: manual de implantação. São Paulo: IOB, 2012.

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. São Paulo: Martins, 1999.

SCHMIDT, P.; LEAL, R. D. R.; SANTOS, J. L. D. Proposta de um modelo de rentabilidade de clientes: um estudo de caso de uma empresa da área de alimentos. Revista de Informação Contábil, v. 5, p. 26-45, Out.-Dez. 2011.

SHANK, J. K.; GOVINDARAJAN, V. Gestão estratégica de custos. Rio de Janeiro: Campus, 1993.

SIGUENZA-GUZMAN, L. Time-driven Activity-based Costing Systems for cataloguing processes: a case study. Liber Quarterly, v. 23, n. 2, p. 160–186, 2014.

SILVA, M. Z. da; BORGERT, A.; SCHULTZ, C. A. Sistemarização de um método de custeio híbrido para o custeamento de procedimentos médicos: uma aplicação conjunta das metodologias ABC e UEP. Revista de Ciências da Administração, v.11, n.23, p.217-244, jan./abr, 2009.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia de pesquisa e elaboração de dissertação. 4a. ed. Florianópolis: LED, 2005.

SLAVOV, T. N. Gestão estratégica de custos: uma contribuição para a construção de sua estrutura conceitual. Tese (doutorado). PPGCC. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo - FEA/USP, São Paulo, 2013.

SOUZA, M. A. de; DIEHL, C. A. Gestão de custos: uma abordagem integrada entre contabilidade, engenharia e administração. São Paulo: Atlas, 2009.

SOUZA, A. A. D. et al. Aplicação do time-driven ABC em uma empresa varejista. ABCustos, São Leopoldo, maio-ago. 2012. p.23-45.

TSE, M. S. C.; GONG, M. Z. Recognition of idle resources in Time-driven Activity-based Costing and Resource Consumption Accounting Models. Journal of Applied Management Accounting Research, vol. 7, no. 2, pp. 41-54, 2009.

VARILA, M.; SEPPANEM, M.; SUOMALA, P. Detailed cost modelling: a case study in warehouse logistics. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management. v. 37, n. 3, p. 184-200, 2007.

WERNKE, R.; JUNGES, I.; LEMBECK, M.; ZANIN, A. Determinação do custo fabril pelo método UEP: estudo de caso no setor de salsicharia de frigorífico. GEPROS. Gestão da Produção, Operações e Sistemas, Bauru, Ano 10, nº 1, jan-mar/2015, p. 139-156. DOI: 10.15675/gepros.v10i1.1227.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. Porto Alegre: Bookman, 2005.

TSE, M. S. C.; GONG, M. Z. Recognition of idle resources in Time-driven Activity-based Costing and Resource Consumption Accounting Models. Journal of Applied Management Accounting Research, vol. 7, no. 2, pp. 41-54, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.