A INFLUÊNCIA DOS DETERMINANTES DA ESTRUTURA DE CAPITAL CONFORME O ESTÁGIO DO CICLO DE VIDA DAS EMPRESAS BRASILEIRAS

Renata Toledo Reis, Anderson Luis Saber Campos, Elaine Silvia Pasquini

Resumo


O objetivo é verificar se há influência do ciclo de vida das empresas sobre os determinantes da estrutura de capital de empresas brasileiras de capital aberto. Constituiu-se uma amostra composta por empresas não financeiras dos setores de Bens Industriais, Construção e Transporte, Consumo Cíclico, Consumo não Cíclico e Materiais Básicos, cobrindo o período de 2004 a 2013, a qual foi segmentada em dois grupos: alto e baixo crescimento. A classificação considerou o desempenho mediano no período dentro de cada setor segundo dois critérios: receita de vendas e investimento em imobilizado. As regressões em painel de dados com efeito fixo sugerem que Lucratividade, Oportunidade de Crescimento e Tamanho como influenciadores da estrutura de capital em qualquer estágio do ciclo de vida, enquanto que o Valor Colateral dos Ativos e a Singularidade apresentam comportamentos distintos no ciclo de vida das empresas.

Palavras-chave


Estrutura de Capital; Ciclo de Vida; Endividamento

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ALBANEZ, T.; DO VALLE, MAURÍCIO R.; CORRAR, L.J. Fatores institucionais e assimetria informacional: influência na estrutura de capital de empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 2, 2012.

BASTOS, D.D.; NAKAMURA, W. T. Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade&Finanças - USP, v. 20, n. 50, p. 75-94, 2009.

BRITO, G. A. S.; CORRAR, L. J.; BATISTELLA, F. D. Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças USP, n. 43, p. 9-19, 2007.

CORREA, C. A.; BASSO, L. F. C.; NAKAMURA, W.T.A estrutura de Capital das Maiores Empresas Brasileiras: Análise empírica das Teorias de Pecking Order eTrade-Off, usando panel data. Revista de Administração Mackenzie. V.14, nº4.São Paulo/SP. Jul./Ago., 2013.

DAMODARAN, A. Finanças Corporativas teoria e prática. 2a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007

DEANGELO, Harry; DEANGELO, Linda; STULZ, René M. Dividend policy and the earned/contributed capital mix: a test of the life-cycle theory. Journal of Financial economics, v. 81, n. 2, p. 227-254, 2006.

DEANGELO, Harry; DEANGELO, Linda; STULZ, Rene M. Seasoned equity offerings, market timing, and the corporate lifecycle. Journal of Financial Economics, v. 95, n. 3, p. 275-295, 2010.

HASAN, Mostafa Monzur et al. Corporate life cycle and cost of equity capital. Journal of Contemporary Accounting & Economics, v. 11, n. 1, p. 46-60, 2015.

JENSEN, M. CAgency Costs of Free Cash Flow, Corporate Finance, and Takeover. American Economic Review, May, 76, 2, 323-329 1986

JENSEN, M.; MECKLING, W. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and capital structure. Journal of Financial Economics, v. 3, p. 305-360, 1976.

JUCÁ, Michele N.; CAMPOS, Anderson L. S.; BASTOS, Douglas D.; MENDES, Eduardo A. Endividamento e Estrutura de Ativos: Evidências no Brasil. Revista de Finanças Aplicadas, v. 7, n. 1, p. 1-19, 2016.

KAYO, E.K.; FAMÁ, R.; NAKAMURA, W.T., MARTIN, D.M.L. Estrutura de capital e criação de valor: os determinantes da Estrutura de capital em diferentes fases de crescimento das Empresas. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v.10, n.3, mai-jun 2004.

KORAJCZYK, R. A.; LEVY, Amnon. Capital structure choice: macroeconomic conditions and financial constraints. Journal of Financial Economics, v. 68, n. 1, p. 75-109, 2003.

LESTER, Donald L.; PARNELL, John A.; CARRAHER, Shawn. Organizational life cycle: A five-stage empirical scale. The International Journal of Organizational Analysis, v. 11, n. 4, p. 339-354, 2003.

LEMMON, Michael L.; ROBERTS, Michael R.; ZENDER, Jaime F. Back to the beginning: persistence and the cross‐section of corporate capital structure. The Journal of Finance, v. 63, n. 4, p. 1575-1608, 2008.

McCONNELL, John J.; SERVAES, Henri. Equity ownership and the two faces of debt. Journal of Financial Economics, v.39, p.131-157, 1995

MEDEIROS, Otávio Ribeiro e DAHER, Cecílio Elias. Testando teorias alternativas sobre a estrutura de capital nas empresas brasileiras. Revista Administração Contemporânea. vol.12, n.1, pp. 177-199. 2008.

MILLER, Merton H. DEBT AND TAXES*. the Journal of Finance, v. 32, n. 2, p. 261-275, 1977.

MODIGLIANI, F.; MILLER, M. H. The Cost of Capital, Corporation Finance and the Theory of Investment. The American Economic Review, vol. 48, nº 3, Junho 1958.

MODIGLIANI, Franco; MILLER, Merton H. Corporate income taxes and the cost of capital: a correction. The American economic review, v. 53, n. 3, p. 433-443, 1963.

MYERS, S. C. The capital structure puzzle. The Journal of Finance, v. 39, n. 3, p. 574-592, 1984.

MYERS, S. C. Capital structure. Journal of Economic Perspectives, p. 81-102, 2001.

MYERS, S.; C.; MAJLUF, Nicholas S. Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, v. 13, n. 2, p. 187-221, 1984.

PEROBELLI, Fernanda Finotti Cordeiro; FAMÁ, Rubens. Determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 37, n. 3, 2002.

STULZ, ReneM. Managerial discretion and optimal financing policies. Journal of Financial Economics, v. 26, n. 1, p. 3-27, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.