OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS: UM ESTUDO COM ATIVOS DO IBOVESPA

Laís Cavalar Souza, Wellington Oliveira Massardi, Vanessa Aparecida Vieira Pires, João Paulo Ciribeli

Resumo


Baseado na teoria de Markowitz (1952), o presente artigo teve como objetivo criar uma carteira de investimentos com ativos que compõem o índice Bovespa durante o período de janeiro a abril de 2016, de maneira que se consiga maximizar a relação entre risco e retorno, identificando a participação percentual de cada ativo na composição da carteira; e, posteriormente, comparar a performance da carteira criada neste trabalho com a performance do índice Bovespa antes e depois da criação da carteira. Como ferramenta para o cálculo de otimização foi utilizado o Solver, ferramenta do Excel. O levantamento dos dados foi efetuado através do site da BM&fBovespa. O objeto de análise compreende os 59 ativos que compõem o Ibovespa, no quadrimestre de maio a agosto de 2016. Através de uma comparação entre a carteira otimizada, composta por cinco ativos, pelo Solver e a criada pelo Ibovespa, verificou-se que aquela superou o retorno desta em 107,84%, obtendo ainda um risco inferior. Num segundo momento, no entanto, o Ibovespa fez-se mais eficiente que a carteira otimizada, de maio a agosto de 2016; porém, o retorno e o risco foram semelhantes àquele. Conclui-se que a carteira otimizada, quando não consegue ser superior ao Ibovespa, apresenta um retorno próximo devido ao risco sistemático.


Palavras-chave


Risco e retorno; Markowitz; Otimização de carteira; Ibovespa.

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ARAUJO, A. C.; MONTINI, A. A. Teoria do portfolio: comparações entre modelos alternativos para alocação de recursos em ativos de risco. In: XXXV Encontro da ANPAD, 2011, Rio de Janeiro.

ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ASSAF NETO, A.; LIMA, F. G. Curso de administração financeira. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

BACH, T. M. et al. Eficiência das companhias abertas e o risco versus retorno das carteiras de ações a partir do modelo de Markowitz. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, João Pessoa, v. 3, n. 1, p. 34-53, jan./abr. 2015.

BOVESPA – Bolsa de Valores de São Paulo. Índice Bovespa. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2016.

BRUNI, A. L.; FUENTES, J.; FAMÁ, R. A moderna teoria de portfólios e a contribuição dos mercados latinos na otimização da relação risco versus retorno de carteiras internacionais: evidências empíricas recentes (1996-1997). In: III SemeAd - Seminários em Administração da FEA/USP, 1999, São Paulo.

CERBASI, Gustavo. Investimentos inteligentes. 1. ed. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2008.

COSTA, T. M. T. et al. Hedge ótimo e efetividade a partir da utilização de contratos futuros de índices de ações, câmbio, taxa de juros e petróleo. Revista CCEI, URCAMP, v. 15, n. 27, p. 129-146, mar. 2011.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

GONÇALVES JUNIOR, C.; PAMPLONA, E. O.; MONTEVECHI, J. A. Seleção de carteira através do modelo de Markowitz para pequenos investidores (com o uso de planilhas eletrônicas). In: IX Simpep, 2002, Bauru-SP.

GONÇALVES JUNIOR, C.; GONÇALVES, C. Teste do modelo de otimização de carteiras pelo índice beta. In: ENEGEP, 2006, Fortaleza. Anais..., Rio de Janeiro: ABEPRO, 2006.

HOJI, M. Administração financeira: uma abordagem prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

KLEIN, Dan. Lagrange multipliers without permanent scarring. University of California at Berkeley, Computer Science Division, p. 1-11, 2004.

LINTZ, A.; RENYI, L. Comparação de estimadores de volatilidade na administração de carteiras de investimento uma abordagem através do modelo de Markowitz. In: III SemeAd - Seminários de Administração da FEA/USP, 1999, São Paulo.

LOPES, A. L. M.; CARNEIRO, M. L.; SCHENEIDER, A. B. Markowitz na otimização de carteiras selecionadas por Data Envelopment Analysis - DEA. Revista Gestão e Sociedade do CEPEAD/UFMG, Minas Gerais, v. 4, n. 9, p. 640-656, set./dez. 2010.

LUZ, A. E. Introdução à administração financeira e orçamentária. 1. ed. Curitiba: InterSaberes, 2015.

MACEDO, M. A. S.; CASA NOVA, S. P C.; ALMEIDA, K. Mapeamento e análise bibliométrica da utilização da análise envoltória de dados (DEA) em estudos das áreas de Contabilidade e Administração. In: ENANPAD, 31, 2007. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

MARKOWITZ, H. Portfolio selection. The Journal of Finance, v. 7, n. 1, p. 77 – 91, 1952.

MARTINI, M. F. G. Renda fixa versus renda variável: uma análise descritiva entre as rentabilidades dos investimentos. Revista On-Line IPOG, Goiânia, v. 1, n. 5, p. 1, jul. 2013.

MEGLIORINI, E.; VALLIM, M. A. Administração financeira: uma abordagem brasileira. 1. ed. São Paulo: Pearson Prentice, 2009.

OLIVEIRA, M. R. G. et al. Otimizando uma carteira de investimentos: um estudo com ativos do Ibovespa no período de 2009 a 2011. Revista Razão Contábil & Finanças, Fortaleza, v. 2, n. 2, jul./dez. 2011.

ROTELA JUNIOR, P.; PAMPLONA, E. O.; SALOMON, F. L. R. Otimização de portfólios: análise de eficiência. Revista de Administração de Empresas, São Paulo: v. 54, n. 4, p. 405-413, jul./ago. 2014.

SANTOS, A. A. P.; TESSARI, C. Técnicas quantitativas de otimização de carteiras Aplicadas ao mercado de ações brasileiro. Revista Brasileira de Finanças, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 369-393, set. 2012.

SILVA, C. A. G. Gerenciamento de risco da carteira otimizada. XXVIII ENEGEP, 2008, Rio de Janeiro.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.