VIVÊNCIA E AFETAÇÃO NA SALA DE AULA:UM DIÁLOGO ENTRE VIGOTSKI E ESPINOSA

Eliana Sousa Alencar Marques, Maria Vilani Cosme de Carvalho

Resumo


O artigo apresenta reflexões teóricas a partir das contribuições de Lev Semionovich Vigotski e Baruch de Espinosa. O aprofundamento em torno da teoria de Vigotski revela que ele encontrou em Espinosa a sustentação filosófica que explica a relação entre afeto e intelecto no desenvolvimento do psiquismo humano. Com base nisso, propomos um diálogo entre Vigostki por meio da categoria vivência, e Espinosa a partir da categoria afetação. O estudo vem sendo realizado por meio de pesquisa
bibliográfica com base na obra Éticade Espinosa e nos textos pedológicos escritos por Vigotski, precisamente La crisis de los siete años, A questão do meio na pedologia e Psicologia pedagógica. Os resultados apontam que vivências alegres aumentam a potência de agir de alunos e professores. O aumento da potência de agir significa também o aumento da potência de pensar, ou seja, significa maior consciência na
atividade. Para o aluno, significa vivenciar aprendizagens que façam sentido para sua vida, ou seja, o que lhe traz felicidade. Para o professor, significa saber o que faz, isto é, maior autonomia no trabalho. Portanto, as vivências que constituem encontros alegres produzem afetações que ajudam na constituição de sujeitos mais emancipados.

Palavras-chave


Vivência; Afetação; Potência de agir;Encontros alegres

Texto completo:

PDF

Referências


BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. da G. M. (Org.). A dimensão subjetiva da realidade: uma leitura sócio--histórica. São Paulo: Cortez, 2009.

COSTA-PINTO, A. B. Potência de agir e educação ambiental: aproximações a partir de uma análise da experiência do coletivo educador ambiental de Campinas (COEDUCA) SP/Brasil. 2012. 164 f. Tese (Doutorado em

Ciência Ambiental) – Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo:

Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, 2012.

COSTA-PINTO, A. B.; RODRIGUES, L. Reflexões sobre a educação em Espinosa: a experiência do encontro como

segundo nascimento. Filosofia e Educação, Campinas, v. 5, n. 1, p. 111-129, 2013. Disponível em:

fae.unicamp.br/revista/index.php/rfe/article/view/4390/3836>. Acesso em: 12 jun. 2013.

ESPINOSA, B. de. Ética.Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

TOASSA, G. Emoções e vivências em Vigotski. Campinas, SP: Papirus, 2011.

TOASSA, G; SOUZA, M. P. R. As vivências: questões de tradução, sentidos e fontes epistemológicas no legado de

Vigotski. Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 757-779, 2010. Disponível em:

php?pid=S0103-65642010000400007&script>. Acesso em: 26 maio 2012.

VIGOTSKI, L. S. La crisis de los siete años. In. ______. Obras escogidas. Tomo IV. Madrid: Visor, 1996.

______. Psicologia e pedagogia: edição comentada. Porto Alegre: Artmed, 2003.

______. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VINHA, M. P.; WELCMAN, M. Quarta aula: a questão do meio na pedologia, Lev Semionovich Vigotski. Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2011. Disponível em:

arttext&pid=S0103-65642010000400003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10 out. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2014.v23.n41.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0