DISCURSO CAPITALISTA, GESTÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAS DE SUBJETIVAÇÃO

Ana Laura Pepe

Resumo


A emergência de formas de mal-estar no campo do trabalho docente e de sua relação com as novas formas de organiza-ção do trabalho convoca a abordar os modelos de gestão e suas implicações nas novas formas de subjetivação. O dis-curso, tal como proposto por Lacan, a sistematização de um paralelo entre a estrutura do sujeito e o que corresponde a ela no social, pode ser um operador conceitual potente para uma abordagem do impacto da ideologia neoliberal no campo da educação e nos destinos das instituições de ensino.


Texto completo:

PDF

Referências


BIRMAN, J, Mal-estar na atualidade: Psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasi-

leira, 2005.

BOUDRILLARD. J. O sistema dos objetos. São Paulo: Pers-pectiva, 2009.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

CHANLAT, J-F (Org.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. Volumes II e III. São Paulo: Atlas, 1996.

CHEMAMA, R. Um sujeito para o objeto. In: GOLDENBERG, R. GOZA! Capitalismo, globalização e Psicanálise. Salvador: Ágalma, 1997. p. 23-40.

Darmon, M. Ensaios sobre a topologia lacaniana. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. São Paulo: Contra-capa, 1997.

DEJOURS, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana a análise da relação prazer, sofrimento

e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

FREUD, S. O mal estar na civilização (1929). Edição standard brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud – Volume 23. Rio de Janeiro: Imago, 1980.

GONÇALVES, L. H. P. Discurso do capitalista: uma montagem em curto-circuito. São Paulo: Via Lettera, 2003.

GONZÁLES, R. C. F. Mal-estar do sujeito no mundo do trabalho. In: NASCIMENTO, E. M. V. (Org.). Psicanálise

e os desafios da clínica na contemporaneidade. Salvador: Edufba, 2007. (Série Teoria da Clínica Psicanalítica, 2).

LACAN, J. O Seminário – Livro 17: o avesso da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

MANCEBO, D. et al. Em discussão: o trabalho docente. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v.6, n. 1, p. 1-5, 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2008.

______. Reforma universitária: reflexões sobre a privatização e a mercantilização do conhecimento. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 88, p. 845-866, out. 2004. Disponível em:

a10v2588.pdf >. Acesso em: 05 out. 2008.

______. Trabalho docente: subjetividade, sobreimplicação e prazer. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre,v. 20, n. 1, p. 74-80, 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2008.

MARRACH, S. A. Neoliberalismo e educação. In: SILVA JÚNIOR, C. A. et al. (Org.). Infância, educação e neolibe-ralismo. São Paulo: Cortez, 1996. p. 42-56.

NAGEL, Lizia. O estado brasileiro e as políticas educacionais a partir dos anos 80. In: NOGUEIRA, F. M. G. Estado e políticas sociais no Brasil. Cascavel, PR: EDUNIOESTE, 2001. p. 45-57.

ROCHA, M. L.; ROCHA, D. Produção de conhecimento, práticas mercantilistas e novos modos de subjetivação.

Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 13-36, 2004. Número especial. Disponível em:

scielo.br/pdf/psoc/v16n1/v16n1a03.pdf>. Acesso em: 05 out. 2008.

SAFATLE, Vladimir. Lacan. São Paulo: PubliFolha, 2007.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro:

Record, 2000.

SOUZA, Aurélio. Os discursos na psicanálise. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2012.v21.n38.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0