O MOVIMENTO DE CULTURA POPULAR E O LUGARDE UMA SENSIBILIDADE E INTELIGÊNCIA IDENTIFICADAS NAS PRÁTICAS POPULARES

Luiz Gonzaga Gonçalves

Resumo


Este artigo procura evidenciar que o Movimento de Cultura Popular (MCP) do Recife ganhou notoriedade, na década de 1960, como espaço de lutas por mudanças sociais.
Em grande parte, isso aconteceu porque seus intelectuais superaram o entendimento instituído sobre cultura e cultura popular, e o pessimismo que impregnava tal entendimento. Considera-se que o MCP conseguiu dar esse passo em suas propostas de alfabetização de adultos e de ação cultural ao assumir, conforme consta em seu estatuto, a pesquisa, a investigação e o diálogo criativo com os trabalhadores dos
setores populares. Para ilustrar essas afirmações foram consultados o Estatuto do MCP, o Livro de Leitura para Adultos e o livro Educação como Prática da Liberdade, de
Paulo Freire, entre outros escritos.


Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira: introdução ao estudo da cultura brasileira. 4. ed. Brasília: Editora Universi-tária de Brasília, 1963.

BARBOSA, Letícia Rameh. Movimento de Cultura Popular: impactos na sociedade pernambucana. Recife:Editora do Autor, 2009.

BOMFIM, Manoel. A América Latina: males de origem. Rio de Janeiro: Topbooks, 1993.

FAVERO, Osmar. Cultura popular e educação popular: memó-ria dos anos 80. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

_________, Referências sobre material didático para a educação popular. In Perspectivas e dilemas da educação

popular. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

FERNANDES, Florestan. O dilema educacional brasileiro. In: PEREIRA, Luiz; FORACCHI, Marialice. Educação e sociedade: leituras de sociologia e história. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1964.

FERREIRA, Márcia Santos. Os centros de pesquisas educacio-nais do INEP e os estudos em ciências sociais sobre a educação no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 13 n. 38, p. 279-292, maio/ago. 2008. Disponível em:

. Acesso em: 26 jul. 2010.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

______; BETTO, Frei. Essa escola chamada vida: depoimentos ao repórter Ricardo Kotscho. São Paulo: Ática, 1986.

FREITAS, Marcos Cezar de. A pesquisa educacional como questão intelectual na História da educação brasileira

(breves anotações para uma hipótese de trabalho) In: ______. Memória intelectual da Educação brasileira.

Bragança Paulista: EDUSF, 1999.

GODOY, Josina, M. L.; COELHO, Norma P. C. C. Livro de leitura de adultos. Recife: Prefeitura do Recife, 1962.

GONÇALVES, Luiz G. Importância das práticas não escolares para o processo de inclusão social e educacional de pessoas jovens, adultas e idosas. TV Escola. Educação ao longo da vida. Salto para o futuro, Brasília, ano XIX, n. 11, set. 2009. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2010.

MOVIMENTO DE CULTURA POPULAR DE RECIFE. Estatuto. Recife, 1961. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2010.

PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1983.

RIDENTI, Marcelo. Cultura e política brasileira: enterrar os anos 60? In: BASTOS, Elide Rugai; ______; ROLLAND,

Denis (Org.). Intelectuais: sociedade e política, Brasil-França. São Paulo: Cortez, 2003. p.197-212.

SADER, Eder; PAOLI, Ana Maria. Sobre “Classes Populares” no pensamento sociológico brasileiro. In: DURHAM,Eunice; CARDOSO, Ruth. A aventura antropológica: teoria e pesquisa. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1986.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2012.v21.n37.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0