Filosofia, filósofo, professor de filosofia

Izilda Johanson

Resumo


A designação ensino de filosofia para o que surge com a atividade do professor de filosofia, ou o que resulta dela, compreende a necessidade de respostas a determinadas questões próprias à atividade filosófica. Ao declarar o que quer que seja sobre o ensino de filosofia, mesmo que de modo não consciente, se responde a perguntas pressupostas nessa afirmação, tais como: Por que filosofia? Em que consiste a filosofia?É possível ensiná-la efetivamente? Qual filosofia ensinar? Qual é a especificidade do filósofo? Qual é a especificidade do ensino de filosofia? E justamente porque são pressupostas, tais questões são também aquilo que sela a ligação profunda entre filosofia, filósofo, professor e aluno de filosofia e, por isso também, pode-se dizer,são anteriores, antecedem a própria atividade docente. De modo que a busca pelo lugar que o professor e a professora de filosofia ocupam numa sala de aula, em meio aos alunos e alunas, numa instituição de ensino, é também a busca pelo seu lugar em meio à própria filosofia. É também a busca pela constituição do que poderíamos chamar aqui de problema filosófico da filosofia.

Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a Filosofia? Rio de Janeiro: 34 Letras, 1992.

FOUCAULT, M. O uso dos prazeres. História da sexualidade II. Rio de Janeiro: Graal. 1984.

LEBRUN, G. Por que filósofo? Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 15, p. 148-153, jan./mar. 1976.

LYOTARD, J-F. Le cours philosophique. In: DERRIDA, J. et al. Ecole et Philosophie – la grève des philosophes.Paris: Osires, 1986. p. 34-40.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n39.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0