EAD E O ENSINO DE LIBRAS: O CASO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB)

Daniela Prometi, Gláucio Castro Júnior

Resumo


Para contribuir para a temática proposta neste artigo, os autores propõem para discussão as considerações sobre o ensino de Língua de Sinais Brasileira (Libras), de acordo com o Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. A justificativa que motiva as reflexões sobre o tema é a obrigatoriedade nos cursos de licenciatura, inclusive nos cursos a distância, da disciplina Libras. O objetivo deste artigo é apresentar um breve relato da experiência do ensino de Libras na EaD na Universidade de Brasília (UnB) e enumerar algumas considerações importantes para a consolidação do ensino de Libras nesta modalidade de educação, haja vista que a importância desta modalidade de educação está crescendo no ensino de Libras e tem se tornado uma importante ferramenta para divulgar as contribuições da Educação a Distância no ensino de Libras no Brasil.


Palavras-chave


Educação a Distância. Língua de Sinais Brasileira. Cursos de licenciatura.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, E. M; WILMA, A. G. Material didático em EaD: a importância da cooperação e colaboração na construção do conhecimento. Linhas Críticas: Revista Semestral da Faculdade de Educação-UNB, Brasília, v. 13, n. 24, p.103-114, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei nº9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 2005a. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2015.

______. Decreto-lei nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 de dez. 2005b. Seção 1, p. 30.

______. Presidência da República. Decreto n. 5.800, de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil. 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2015.

______. Presidência da República. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Disponível em: .

Acesso em: 25 jun. 2015.

______. Presidência da República. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Disponível em:

htm>. Acesso em: 25 jun. 2015.

______. Presidência da República. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2015.

CASTRO JÚNIOR, Gláucio de. Projeto varlibras. 2014. 259 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

FAULSTICH, E. et al. Glossário de termos empregados nos estudos da terminologia, da lexicografia e da lexicologia da linguística comum e da linguística da Língua de Sinais Brasileira (Libras). Brasília, DF: Centro Lexterm, LIP/IL/UnB, 2011. Em elaboração, com o grupo de pesquisa da Libras.

GESSER, A. Um olho no professor surdo e outro na caneta: ouvintes aprendendo a Língua Brasileira de Sinais. 2006. 199f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 2006.

GUEDES, Betina S. A língua de sinais na escola inclusiva: estratégias de normalização da comunidade surda. In: LOPES, Maura Corcini; HATTGE, Morgana Domênica (Org.). Inclusão escolar: conjunto de práticas que governam. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 33-49.

LACERDA, C. B. F. de; CAPORALI, S. A.; LODI, A. C. B. Questões preliminares sobre o ensino de língua de sinais a ouvintes: reflexões sobre a prática. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 53-63, 2004. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2015.

LOBATO, L. A questão da construção de palavras: derivação lexical e derivação sintática. In: SALLES, H. M. M. L. et al. (Org.). A construção de palavras e a arquitetura da faculdade da linguagem. Brasília: Link Comunicação e Design, 2010. p. 17-27.

PÊGO, C. F.; LOPES, B. Reflexões acerca do curso de letras libras e suas contribuições para Educação a distância: política social e formação de professores. A construção de novas perspectivas na educação a distância. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA, 11., 2014, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UNIREDE, 2014. p. 534-547.

SKLIAR, C. Surdez, um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.

SILVEIRA, Carolina H. O currículo de língua de sinais na educação de surdos. 2006. 135f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2006.

TEIXEIRA, B. B. Educação a distância: política social e formação de professores. In: BRUNO, A. R.; BORGES, E.; SILVA, L. S. P. (Org.). Tem professor na rede. Juiz de Fora, MG: Universidade Federal de Juiz de Fora, 2010. p. 13-28.

TEIXEIRA, K. C.; VIEIRA-MACHADO, L. M. C. Oito anos da Lei de Libras: nossos desafios atuais para a formação dos professores de surdos. CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25., 2011, LOCAL. Anais... LOCAL: ANPAE, 2011. Disponível em:

simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0273.pdf>. Acesso em: 25 jun. 2015.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB). Portal UnB/Educação a Distância/UAB. Ambiente virtual da disciplina Libras. Brasília, DF, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2015.

WILCOX, S; WILCOX, P. Aprender a ver. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2005. (Coleção Cultura e Diversidade).




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2015.v24.n44.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0