TEMPOS E REDES: A ARQUITETURA DE UMA SALA DE AULA EM EAD

Ormezinda Maria Ribeiro, Carmem Jená Machado Caetano

Resumo


Nos  últimos  anos,  tem-se  intensificado  a  implantação  de  cursos  de  graduação  na modalidade a distância nas instituições públicas, permitindo que a investigação de
elementos importantes em relação ao processo de ensino aprendizagem realizado em EAD também faça parte de discussões relevantes no âmbito acadêmico. O desafio é
o de incorporar as tecnologias de informação e comunicação, as TIC, tendo em vista esses aspectos, sem incorrer no equívoco de aliar o recurso tecnológico à concepção empirista da educação. Em tempos de educação em rede, o tempo pedagógico assume a dimensão temporal dedicada à produção de experiências significativas que levem o estudante à autonomia no processo ensino aprendizagem. A inserção das TIC é, em geral, vista como simples instrumentalização, mas sendo novas tecnologias sua relevância toma outros sentidos, compondo as assim ditas habilidades do século XXI.
Nosso aporte teórico encontra respaldos nos trabalhos desenvolvidos por Lévy (2009) e Pais (2004). Nosso objetivo é assumir a postura de pesquisadoras que acreditam que é preciso encarar o desafio que está mais do lado educacional do que tecnológico e repensar o papel que a pedagogia assume nos dias atuais, bem como trazer à tona reflexões de trabalhos desenvolvidos com resultados positivos.

Palavras-chave


Tecnologia. Educação. Tempo pedagógico.

Texto completo:

PDF

Referências


GARCIA, J. Cronos e Kairós: repensando a temporalidade do currículo. 2006. Disponível em:

educacaoonline.pro.br/cronos_e_kairos.asp?f_id_artigo=117>. Acesso em: 20 fev. 2014.

HARVEY, D. Condição pós-moderna– uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1989.

KENSKI, V. Memórias e formação de professores: interfaces com as novas tecnologias de comunicação. In: CATANI, D. Et al. Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 1997.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2009.

MORAN, José Manuel, MORAN, Juan Manoel. Educação inovadora presencial e a distância. 2003. Disponível

em: . Acesso em: 20 fev. 2014.

MORAES, Denis de. (Org.). Globalização, mídia e cultura contemporânea. Campo Grande, MS: Letra Livre, 1997.

PAIS, Luiz Carlos. Noção de virtualidade e o encanto desvairado da tecnologia na educação escolar. Revista

Eletrônica da UNESC, Florianópolis, ano 2, n. 3, maio 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2014.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. São Paulo: Cosaic Naify, 1982.

RIBEIRO, Ormezinda Maria. et al. Da janela virtual à janela real. Sala de aula sem paredes: a construção da prática pedagógica de professores do ensino superior no TELEDUC. 2005. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2014.

SANTOS, Laymert Garcia dos. Politizar as novas tecnologias: o impacto sócio técnico da informação digital e

genérica. Rio de Janeiro: Editora 34, 2003.

VILLARD, Raquel; OLIVEIRA, Eloíza. Tecnologia na educação: uma perspectiva sócio-interacionista. Rio de

Janeiro: Dúnya, 2005.

VIRILIO, P. O espaço crítico. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2014.v23.n42.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0