A LUTA AMBIENTALISTA NA BAHIA: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O MOVIMENTO PELA SOBERANIA POPULAR NA MINERAÇÃO NO ALTO SERTÃO BAIANO

Ana Paula Melo Fernandes Rodrigues

Resumo


A pesquisa em questão trata-se de um estudo com abordagem qualitativa, exploratória, do tipo bibliográfico. O presente estudo parte das seguintes questões norteadoras como os movimentos sociais podem contribuir para resistência e mobilização de problemas socioambientais? Como as contradições do desenvolvimento podem ser analisadas na educação ambiental? Para tanto, O trabalho foi dividindo em quatro seções, na seção I trata-se do desenvolvimento na era capitalista e a correlação na utilização dos bens naturais, bem como na distribuição de consequências socioambientais, na Seção II abordam a educação ambiental e o processo de institucionalização como disciplina e discursão de conceitos, nesse contexto, a Seção III traz a proposta compreender o movimento ambientalista no Brasil, relata-se o modo como se põem em práticas neoliberais seus espaços estratégicos de atuação e de enfretamentos, em seguida, a atenção se dirige ao que está em disputa na atividade de mineração nomeando a seção IV - Movimento dos atingidos pela Mineração-MAM em que faz uma reflexão da atividade de mineração no País e seu desrespeito com direitos humanos, no tocante as causas sangrentas socioambientais, mostrando as Lutas do MAM com a discursão da política contraditória do modelo atual de exploração mineral. Por fim, os movimentos sociais são importantes porque representam alguma demanda social, política e econômica, muitas vezes as ações, demandas e princípios articulados pelos pleitos coletivos podem modificar e/ou interferir nas políticas públicas, realidades sociais entre outros.


Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. Ambientalização das lutas sociais o caso do movimento de justiça ambiental. Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 24, p. 103-120, 2010.

ANDRELOI; V. M. CAMPOS, T. Contribuições da Educação Ambiental para o desenvolvimento comunitário local na Ilha do Mel (Paraná). Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. Rio Grande, Edição especial XVI Encontro Paranaense de Educação Ambiental, p. 132-149, set. 2017. E-ISSN 1517-1256 disponível em: Acesso em 4 jan 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Lei 9795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política SENADO FEDERAL. Agenda 21. Brasília. 1997.

CARVALHO, I. C. M. A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da educação ambiental no Brasil. Porto Alegre: Ed. Universidade /UFRGS, 2001.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

COSTA.A. C; LOUREIRO, C. F. B. Os movimentos sociais e a questão ambiental na perspectiva de Enrique Dussel. Argumentum, Vitória (ES), v. 8, n.1, p. 140-157, jan./abr. 2016.

FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2001. 221 p

FREIRE, Paulo. Conscientização: Teoria e Prática da Libertação. Uma Introdução ao Pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FREIRE Ação cultural para a liberdade. 5 ed., Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1981.

GOHN, M. G. 500 anos de lutas dos sociais no Brasil: movimentos sociais, ONGs e o Terceiro setor. Mediações. Londrina, v.5,p.11-40.

GOHN, M. G. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola: 2006. 363p.

GÓMEZ, J. A.; FREITAS, O. M; Pereira de; CALLEJAS, Germán Vargas. Educação e Desenvolvimento Comunitário Local: perspectivas pedagógicas e sociais da sustentabilidade. Porto: Profedições, 2007.

GROSSI, M. Questão ambiental e a construção do outro metabolismo social: contribuições e desafios aos movimentos indígenas e campesinos. Argumentum, Vitória (ES), n.1 p. 32-45, jan./jun. 2013.

HERCULANO, S. O clamor por justiça ambiental e contra o racismo ambiental.

InterfacEHS (Ed. português), v. 3, p. 1-20, 2008.

Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC). Disponível em: . Acesso em: 15. Abr. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO. Informações sobre a economia mineral brasileira 2015. Brasília, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23. Jan. 2017

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. Tradução de Sandra Venezuela. Cortez, São Paulo, 2002.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. Cortez, São Paulo, 2012.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. In: Ambiente & Sociedade, v. 17, p. 23-40, 2014.

LOUREIRO, C. F. B., LAYRARGUES, P. P. Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de Aliança contra-hegemônica. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, p. 53 - 71, 2013.

MAGACHO, L. N. Pesquisa em educação ambiental e movimentos sociais: um estudo sobre teses e dissertações brasileiras. 2017 .145 f. Mestrado em EDUCAÇÃO. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho de Rio Claro, São Paulo.

MAGNO, L. Espacialidade e identidade política dos atingidos por mineração no Brasil: teorias, escalas e estratégias. Tese (doutorado) Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC, Florianópolis, 2017, p.382.

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983(os economistas).

PAZ, M. D. S. D. S. Educação Ambiental em escolas do campo: Possibilidades e Desafios. 2017. 105f. Texto para Defesa (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade – Departamento de Educação, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017.

MINAYO, M. C. D. S. (org.); GOMES, S. F. DESLANDES, R.G. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. (Coleção Temas Sociais).

PORTO-GONÇALVES, C. W. Lutas sociais, Lutas ecológicas. In: C.W. PORTO- GONÇALVES. Os (Des) caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2013. p. 18-40.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade

____________________________________________________________

Revista Encantar: Educação, Cultura e Sociedade

Pré-avaliação Qualis 2019: B2

Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias – DCHT Campus XVII
Universidade do Estado da Bahia - UNEB
revistaencatar@gmail.com.br

 

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional