LIBRAS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO EDUCACIONAL DO ALUNO SURDO

Eliane dos Santos Miranda, Lorena de Oliveira Moreira Cerqueira, Márcia Aparecida Rodrigues e Silva

Resumo


O presente artigo cientifico centra-se na Língua de Sinais como primeira língua no processo pedagógico do aluno surdo. Considerando que ela é língua natural dos surdos, e deve ser a primeira língua utilizada por eles no contexto da comunicação, no convívio escolar e social com pessoas ouvintes. Traz como objetivo analisar e compreender o processo de ensino e aprendizagem do surdo dentro da Educação Bilíngue, porém se faz necessário um repensar nas práticas docentes de ensino e aprendizagem para o surdo, as quais são defasadas por faltas de formações continuadas para o exercício docente em uma perspectiva bilíngue. Para a realização deste trabalho foi utilizado o método de pesquisa bibliográfica, revelando que a Língua de Sinais é uma ferramenta indispensável para o desenvolvimento linguístico e pedagógico do aluno surdo.


Palavras-chave


Aluno surdo. Educação Biligue. Libras. Processo Pedagógico

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL . MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, MEC, 1996.

BRASIL. Decreto no. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a lei nº 10.436, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o artigo 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec5626.pdf.

BRASIL. MEC. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, nº 79, p.23, 25 abr. 2002. Seção 1.

_________. Secretaria de Educação Especial. A Educação dos Surdos.vol. II. Brasília, MEC/SEESP, 1997.

CARVALHO, Paulo Vaz. Breve história dos surdos no mundo e em Portugal. Lisboa: Surd’Universo. 2007.

CAZUMBÁ, Irzyane. Aspectos legais e suas implicações na educação dos surdos. Acesso em 10 jul 2019. Disponível em:/http. http://www.posunead.uneb.br/pluginfile.php/15403/mod_resource/content/0/Modulo%20II%20-aspectos%20legais%20na%20educa%C3%A7%C3%A3o%20dos%20surdos.pdf

FERREIRA-BRITO, L. Integração social & surdez. Rio de Janeiro, Babel, 1993. Fundamentos em fonoaudiologia, vol. 1: Linguagem. Rio de Janeiro, Guanabara, 998.

FINAU, R. “Possíveis encontros entre cultura, surdez, ensino e linguística”. In:

QUADROS, R.M. (org.). Estudos surdos I. Petrópolis: Arara Azul, 2006.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

QUADROS, R.M. de. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.______ “Situando as diferenças implicadas na educação de Surdos: inclusão/exclusão”. In: Revista Ponto de Vista. nº 4. Florianópolis: UFSC, 2002/2003.

LOPES, Maura Corcini, “A natureza Educável do surdo: a normalização surda no espaço da escola de surdos” In THOMA, Adriana da Silva e LOPES, Maura Corcini (orgs), A Invenção da Surdez: Cultura, alteridade, Identidade e Diferença no campo da educação, Santa Cruz do Sul, EDUNISC, 2004.

LYONS, John. Linguagem e linguística: uma introdução. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

MAZZOTTA, Marcos J.S. Educação Especial no Brasil: História e políticas públicas. São Paulo: Cortez Editor, 2001

MOURA, Maria Cecília. O Surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SOARES, Maria Aparecida leite. A Educação do Surdo no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, EDUSF, 1999.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

STROBEl, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2 ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 2009.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1934/1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade

____________________________________________________________

Revista Encantar: Educação, Cultura e Sociedade

Pré-avaliação Qualis 2019: B2

Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias – DCHT Campus XVII
Universidade do Estado da Bahia - UNEB
revistaencatar@gmail.com.br

 

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional