A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE O PROFESSOR E O ALUNO SURDO NO ENSINO BÁSICO TENDO A LIBRAS COMO MEDIADORA

Teresinha Ribeiro Brito, Ronaldo Conceição dos Santos, Ivonete de Souza Santos, Rosa Maria Lopes Freitas

Resumo


O presente artigo recorre a estudos e pesquisas sobre a temática da educação inclusiva a fim de elucidar quais os obstáculos e possibilidades de superação na relação pedagógica entre o professor e o aluno surdo, em salas de aula do ensino básico es tendo a Libras como mediadora. Os argumentos foram desenvolvidos a partir de três eixos: contexto histórico e formação docente, a mediação da Libras no processo de aprendizagem e os desafios na relação pedagógica professor/aluno surdo. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica de cunho qualitativo cuja análise sucinta da relação professor e aluno surdo no âmbito escolar evidenciou que a formação do professor em Libras é fundamental para atender às demandas educacionais do aluno e superar os obstáculos na comunicação.

Palavras-chave


Educação Inclusiva. Surdez. Formação docente. Comunicação em Libras.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, FC. et al. Educação de surdos em nível superior: desafios vivenciados nos espaços acadêmicos. In: ALMEIDA, WG., org. Educação de surdos: formação, estratégias e prática docente [online]. Ilhéus, BA: Editus, 2015, pp. 27-47. ISBN 978-85-7455-445-7.

ARANHA, M. S. F. Educação inclusiva: transformação social ou retórica? In: OMOTE, S. Inclusão: intenção e realidade. Marília, SP: Fundepe Publicações, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Lei Nº. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências.

BRASIL. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: abordagem bilíngue na escolarização de pessoas com surdez. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 2010.

BRASIL. Lei nº 13.146 de 6 de Julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Decreto no. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a lei

Nº 10.436, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o artigo

da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível

em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec5626.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política

Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.

Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria

Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de

de outubro de 2007. Brasília, DF. MEC/SEESP, 2007.

CAPOVILLA, Fernando. Filosofias educacionais em surdez: oralismo, comunicação total e bilinguismo. In: Ciência cognitiva: teoria, pesquisa e aplicação, v. 1, n. 2, 1997. p. 561-588. Disponível em:

Acessado em: 09 de agosto 2019.

DAMÁZIO, M. F. M. Atendimento Educacional Especializado - pessoas com surdez. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 2007

DORZIAT, A. Estudos surdos: diferentes olhares. Porto Alegre: Mediação, 2011.

DUBOC, M. J. O. A formação do professor e a inclusão educativa: uma reflexão centrada no aluno surdo. Sitientibus, Feira de Santana, n. 31, p. 119-130, 2004.

FAVARO, B. A.; DAVID, D. E. H. Histórias infantis como enriquecimento linguístico para crianças com surdez na educação infantil. Curitiba: SEED, 2012.

FELIPE, Tâny. A. LIBRAS em contexto: curso básico. Livro do estudante. Brasília, Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial, 2001.

FERNANDES, Eulália. Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação, 2005.

FILIETAZ, Marta Rejane Proença. Políticas públicas de educação

Inclusiva: das normas à qualidade de formação do intérprete de língua de

Sinais. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Tuiuti do Paraná,

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

FORMOZO, Daniele de Paula. Currículo e educação de surdos. Dissertação

(Mestrado em Educação), Universidade Federal de Pelotas, 2008. Disponível

em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp064986.pdf

FREIRE. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2006, p.25-30.

GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008, p. 41.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São

Paulo: Atlas, 1999. Como elaborar projetos de pesquisa, 4. ed. São Paulo:

Atlas, 2002.

GOLDFELD, Marcia. A criança surda: Linguagem e cognição numa perspectiva sócio interacionista. São Paulo: Plexus, 1997.

GOLDFELD, Marcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista/ Marcia Godfield. - 5ª Ed. – São Paulo: Plexus Editora, 2002.

KELMAN, C. A. Significação e aprendizagem do aluno surdo. In: Albertina Mitjáns-Martinez; Maria Carmen Villela Rosa Tacca. (Org.). Possibilidades de aprendizagem: ações pedagógicas para alunos com dificuldades e deficiências. 1ªed.Campinas: Alinea, 2011.

LACERDA, C. B. F. de.; SANTOS, L. F.; CAETANO, J. F. Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. In: Língua brasileira de sinais: libras uma introdução. São Paulo: UAB-UFSCar, p. 103-118, 2011.

LACERDA, C. B. F. A inserção da criança surda em classe de crianças ouvintes: focalizando a organização do trabalho pedagógico. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23, 2000, Caxambú.

LOPES, Maura Corcini. Surdez & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MARTINS, M. A. Lopes. Relação professor surdo / alunos surdos em sala de aula: análise das práticas bilíngues e suas problematizações. Piracicaba, SP: UNIMEP, 2010.

MIRANDA, Ana Patrícia e Silva de; FIGUEIREDO, Daiane Pinheiro; LOBATO, Huber Kline Guedes. A tecnologia da informação e comunicação e ensinoaprendizagem de alunos surdos: relato sobre a experiência de uma professora da sala de informática. In: diálogos sobre inclusão escolar e ensino-aprendizagem da libras e língua portuguesa como segunda língua para surdos. 2016

M.; TACCA, M. C. V. R. (Orgs.) Possibilidades de aprendizagem: ações pedagógicas para alunos com dificuldade e deficiência. Campinas: Unix, 2011.

NASCIMENTO, R. Pereira do. Preparando professores para promover a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Londrina, Paraná: Caderno Temático do Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE, 2008.

NUNES, Sylvia da Silveira; SAIA, Ana Lúcia; SILVA, Larissa Jorge; MIMESSI,

Soraya D’Angelo. Surdez e educação: escolas inclusivas e/ou bilíngues?

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v19n3/2175-3539-pee-19-03-

pdf

PERLIN, G.; STROBEL, K. História cultural dos surdos: desafio contemporâneo. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial 2006.

PERLIN, G. T.; MIRANDA, W. A performatividade em educação de surdos. In: SÁ, N. R. L. de (Org.). Surdos: qual escola? Manaus: Valer e Edua, 2011.

PIMENTEL, S. C. Formação de professores para a inclusão: saberes necessários e percursos formativos. In: MIRANDA, T. G.; FILHO, T, A. G. (Org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012.

PORTAL EDUCAÇÃO. Importância do Intérprete de Libras, mar.2013. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2019.

QUADROS, Ronice Muller de. Educação de surdos: aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2006.

QUADROS, Ronice Muller de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: MEC; SEESP; Programa Nacional de Apoio a Educação de Surdos, 2003.

SÁ, Nídia R. L. Educação de Surdos: a caminho do bilingüismo. Niterói: EduFF, 1999. p. 47.

SKLIAR, Carlos. A educação dos surdos: una reconstrução histórica, cognitiva e pedagógica. Mendonça: EDIUNC, 1997.

SCHUBERT, S.E de M. Entre a Surdez e a Língua: Outros sujeitos... Novas relações (intérpretes e surdos desvelando sentidos e significados). Curitiba. Editora Prismas, 2015

STROBEL, Karen. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2. ed. Florianópolis: UFSC, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade

____________________________________________________________

Revista Encantar: Educação, Cultura e Sociedade

Pré-avaliação Qualis 2019: B2

Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias – DCHT Campus XVII
Universidade do Estado da Bahia - UNEB
revistaencatar@gmail.com.br

 

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional