Disciplinas de Educação Ambiental nos Cursos de Licenciatura: potencialidades e desafios

Rita Silvana Santana dos Santos

Resumo


As diferentes formas de inserção da Educação Ambiental nos currículos dos cursos de formação docente expressam avanços e desafios à entrada de novos campos de conhecimentos. Nestes cursos, a Educação Ambiental se apresenta predominantemente como disciplina, refletindo a organização curricular disciplinar presente na maioria dos currículos. No entanto, há um tensionamento entre pesquisadores/pesquisadoras e docentes que atuam no campo, quanto aos riscos e possibilidades da oferta de disciplinas de Educação Ambiental. Visando contribuir com o diálogo a esse respeito, o presente artigo tem por objetivo discutir acerca das potencialidades e desafios referentes à inserção da Educação Ambiental, como disciplina específica, em contextos curriculares, dos cursos de licenciatura. Os resultados da pesquisa demonstram que a disciplina específica tem sido a estratégia mais favorável para conquista do seu espaçotempo, em currículos eminentemente disciplinares. Ela garante minimamente possibilidades formativas, bem como contribui para tensionar mudanças curriculares no que tange aspectos teóricos e metodológicos, em prol de abordagens integradas e contínuas de novos campos de conhecimento. Dentre os principais desafios estão a posição periférica no currículo expressa na carga horária e na localização temporal, o risco da mesma se tornar o único espaço formativo, em especial quando esta é ofertada na modalidade optativa e a abordagem instrumental, quando concebida com o propósito de atender um dispositivo legal e mercadológico.


Texto completo:

PDF

Referências


Arroyo, M. (2011). Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes.

Brasil. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: out. 2009.

Bernstein, B. (1996). A estrutura do discurso pedagógico: classe, código e controle. Petrópolis, RJ: Vozes.

Brasil. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. DOU nº 116, Seção 1, págs. 70-71 de 18/06/2012.

Brasil. (2007). Ministério da Educação. Ministério do Meio Ambiente. Mapeamento da educação ambiental em instituições brasileiras de educação superior: elementos para políticas públicas. Brasília: MEC/MMA. Série Documentos Técnicos nº 12.

Carvalho, I. C. M.; Amaro, I.; Frankenberg, C. L. C. (2012) Ambientalização curricular e pesquisas ambientalmente orientadas na PUCRS: um levantamento preliminar. In: LEME, P. et al. Visões e experiências ibero-americanas de sustentabilidade nas universidades. São Carlos: Compacta Gráfica Editora LTDA, p. 137-144

Fagundes, N. C; Burnham, T. F. (2001). Transdisciplinaridade, multirreferencialidade e currículo. In: Revista da FACED, nº 05, p. 39-55. Disponível em Acesso em: dez. 2014

Farias, R. C. et al. (2014). Análise dos processos de ambientalização da formação acadêmica na Universidade Federal Rural de Pernambuco. Ruscheinsky, A. et al (Org.). Ambientalização nas instituições de educação superior. São Carlos-SP: EESC/USP, p. 185-205.

Goodson, I. F. (1995). Currículo: teoria e história. Petrópolis, RJ: Vozes.

Jeff, E. (2009). Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. In: Educação & Realidade, Porto Alegre - RS, v.34, n.3, set./dez.

Lopes, A. C.; Macedo, E. (2011). Teorias de currículo. São Paulo: Cortez.

Macedo, R. S. (2007). Currículo: campo, conceito e pesquisa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Macedo, R. S. (2013). Atos de currículo e autonomia pedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes.

Maturana, H.; Varela, F. (1995). A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. Campinas: Psy II/ Workshopsy.

Morin, E.(2013). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 6ª ed. São Paulo: Cortez.

Ruscheinsky, A. (2014). Périplo pela incorporação da dimensão socioambiental: incertezas, desafios e tensões em trajetórias universitárias. Ruscheinsky, A. et al (Org.). Ambientalização nas instituições de educação superior. São Carlos - SP: EESC/USP, p. 99-124.

Saviani, N. (2006). Saber escolar, currículo e didática. 5ªed. Campinas, SP: Autores Associados.

Santos, R. S. S. (2015). Olhares a respeito da educação ambiental no currículo de formação inicial de professores. 280 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília – DF

Silva. M. L. (2013). A Educação Ambiental no Ensino Superior Brasileiro: do Panorama Nacional às concepções de Alunos(as) de Pedagogia na Amazônia. In: Rev. Eletrônica Mestrado em Educação Ambiental. v. especial, março de 2013. Disponível em https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3438

Saviani, N. (2006). Saber escolar, currículo e didática. 5ªed. Campinas, SP: Autores Associados.

Tristão, M. (2012). As dimensões e os desafios da educação ambiental na contemporaneidade. Ruscheinsky, A. (org.) Educação Ambiental: Abordagens múltiplas. 2ªed.revisada e ampliada. Porto Alegre, RS: Penso, p. 289-312

Tristão, M. (1997). Educação ambiental no contexto do ensino universitário. In. Fórum de Educação Ambiental/Encontro da Rede Brasileira de Educação Ambiental. Caderno do IV Fórum de Educação Ambiental/I Encontro da Rede Brasileira de Educação Ambiental. Rio de Janeiro: Associação Projeto Roda Viva, p. 107-111.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos