Formação inicial e continuada de professores de inglês em uma perspectiva includente: entrelaçando histórias, vidas e experiências

Karla Ribeiro de Assis Cezarino, Karen Lois Currie, Edna Castro de Oliveira

Resumo


O ensino de inglês na escola pública é marcado por incertezas em relação à sua possibilidade de ensino ou aprendizagem (Lima, 2011), principalmente no que tange à Educação de Jovens e Adultos (EJA). Por meio do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), bolsistas do subprojeto de Letras-Inglês tiveram a oportunidade de atuar em uma escola da Prefeitura Municipal de Vitória-ES que oferta a EJA no diurno. A partir da vivência da regência interdisciplinar compartilhada, este estudo teve como objetivo identificar o significado atribuído pelos “pibidianos” aos processos de formação vivenciados na citada escola de EJA, identificando os principais desafios e contribuições para o se tornar professor, tendo como base uma perspectiva crítica do fazer docente (Freire, 2007). Este estudo se caracteriza como pesquisa narrativa de caráter qualitativo (Bruner, 2002), em que as vozes dos sujeitos se manifestam refletindo experiências de vida, no caminho percorrido para um fazer docente constituído e refletido no processo expresso nos relatórios finais produzidos pelos pibidianos e diários de campo no período de 2014 a 2017. Os resultados indicam que o PIBID Letras/Inglês foi essencial na formação docente, não só para os(as) alunos(as) de graduação, mas também para os professores da escola participante e os professores universitários que compuseram o Projeto. Pode-se também observar uma ruptura de preconceitos e mitos em relação à língua inglesa na escola, promovendo uma abertura para se pensar e se fazer o ensino da língua inglesa mais voltado ao pensar crítico, em diálogo com os diversos saberes, tanto disciplinar quanto da prática social.


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, R. L. T. (2014). Entre o instrutor de línguas e o educador linguístico: perfis de licenciandos na formação inicial do professor de inglês. Ecos de Linguagem, v. 3, pp. 101-123. Recuperado em 12 de junho, 2018, de http://www.dialogarts.uerj.br/admin/arquivos_ecos/ecos3_101a123.pdf.

Brasil. (2000). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Parte I – Bases Legais. Brasília, DF. Recuperado em 12 de junho, 2018, de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf.

Brasil. Resolução CNE/CEB nº 1, de 5 de julho de 2000. (2000). Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, DF.

Brasil. Resolução nº 3, de 15 de junho de 2010. (2010). Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância. Brasília, DF.

Bruner J. (1997). Atos de significação. Trad. Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas,

Coimbra, J. A. A. (2002). Considerações sobre a interdisciplinaridade. In: Philippi, A. Jr., Tucci, C. E. M., Hogan, D. J. & Navegantes R. (Eds.). Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Signos Editora.

Di Pierro, M. C., & Haddad, S. (2015). Transformações nas políticas de educação de jovens e adultos no brasil no início do terceiro milênio: uma análise das agendas nacional e internacional. Cadernos Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, maio-ago., pp. 197-217.

Fogaça, F., Hibarino, D., Kluge, D., & Jordão, C. (2017). Entrevista com Clarissa Jordão. Revista X, 12(1). doi:http://dx.doi.org/10.5380/rvx.v12i1.54227.

Freire, P. (2007). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 1996. 36ª ed. São Paulo: Editora Paz e Terra.

Freire P. & Faundez, A. (2017). Por uma pedagogia da pergunta. 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hoff, D. N., Dewes, H., Rathmann, R., Bruch, K. L. & Padula, A. D. (2007). Os desafios da pesquisa e ensino interdisciplinares. R B P G, Brasília, DF, v. 4, n. 7, pp. 42-65, julho.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 12 de junho, 2018, de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/05dc6273be644304b520efd585434917.pdf.

Jamoussi, T. A. (2012). Formação inicial e continuada de professores de Língua Inglesa: primeiras reflexões sobre o PIBID. XVI ENDIPE (Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino). Campinas. Recuperado em 8 de junho, 2017, de http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/templates/arquivos_template/upload_arquivos/acervo/docs/3567p.pdf.

Leffa V. J. & Irala, V. B. (2014). O ensino de outra(s) língua(s) na contemporaneidade: questões conceituais metodológicas: In: Leffa V. J. & Irala, V. B. (Org.). Uma espiadinha na sala de aula – ensinando línguas adicionais no Brasil. Pelotas: Educat.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996a). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF. Recuperado em 6 de junho de 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm.

Libâneo, J. C. (2016). Políticas educacionais no Brasil: Desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, 46(159), pp. 38-62. Recuperado em 12 de junho, 2018, de https://dx.doi.org/10.1590/198053143572.

Lima, D. C. (2011). ¬¬ Inglês em escolas públicas não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial.

Machado, M. M. (2016). A educação de jovens e adultos: após 20 vinte anos da Lei nº 9394, de 1996. Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, vol. 10, n. 19, pp. 429-451, jul./dez. Recuperado em 12 de junho, 2018, de http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/viewFile/687/706.

Minayo, M. C. S. (2013). Violência e Educação: impactos e tendências. Revista Pedagógica, Chapecó, v.15, n.31, pp. 249-264, jul./dez.

Okada A. L. P. & Santos, E. O. (2003, outubro). Articulação de saberes na EAD: por uma rede interdisciplinar e interativa de conhecimentos. X Congresso Internacional de Educação a Distância, ABED, Porto Alegre, RS, Brasil.

Oliveira, E. C. (2004). Sujeitos-professores da EJA: Visões de si mesmos em diferentes contextos e práticas. In: TV Escola, Salto para o Futuro. Educação de Jovens e Adultos: continuar e aprender por toda a vida. Boletim, 20 a 29 set. 2004. Recuperado em 12 de junho, 2018, de http://www.forumeja.org.br/files/Programa%205_0.pdf.

Prado, V. V., Lange, C. P., Schlatter, M. & Garcez, P. M. (2014). O ensino de línguas adicionais na educação de jovens e adultos: quando a aula de inglês pode fazer a diferença. In: Leffa V. J. & Irala, V. B. (Org.). Uma espiadinha na sala de aula – ensinando línguas adicionais no Brasil. Pelotas: Educat.

Tanaka, A. L. F. & Passos, L. F. (2015). Como os professores aprendem quando participam de um grupo colaborativo. Formação de Professores, Complexidades e Trabalho Docente. EDUCERE, XII Congresso Nacional de Educação Recuperado em 8 de julho, 2017, de http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/19575_10221.pdf.

Vinal, J. V. Jr. (2017). O ensino da Língua Estrangeira como ferramenta para a emancipação das pessoas da Educação de Jovens e Adultos: potencialidades e reflexões. Horizontes de Linguística Aplicada, ano 16, n. 1, pp. 177-209. Recuperado em 12 de junho, 2018, de http://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/article/viewFile/21220/19605.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos