A formação de professores para a inclusão educacional: uma análise de projetos pedagógicos de cursos de licenciaturas

Bruno Cleiton Macedo do Carmo, Neiza de Lourdes Frederico Fumes

Resumo


As questões inerentes à inclusão escolar parecem assumir um caráter de urgência frente às mudanças sociais dos últimos anos. Assim, o objetivo do presente estudo foi analisar a formação de professores para o acolhimento da diversidade sob a perspectiva inclusiva na Educação Básica, a partir da análise dos Projetos Pedagógicos de Curso (PPC) de formação de professores. Trata-se de um estudo qualitativo documental que realizou a análise de todos os PPCs de licenciaturas de uma universidade federal do nordeste do Brasil, totalizando trinta e oito, os quais foram submetidos à técnica de análise de conteúdo. Os resultados demonstram que ainda é incipiente uma concepção ampliada de inclusão. Dos trinta e oito documentos analisados apenas doze fazem referência ao termo inclusão, havendo também uma negação da diversidade, no âmbito escolar. Evidenciou-se, ainda, nos poucos Projetos Pedagógicos de Cursos que fizeram referência à inclusão escolar, apenas a transcrição ipsis litteris de textos normativos que regulamentam a questão da inclusão nos cursos de Formação de Professores, o que denota uma preocupação maior em atender à legislação do que uma intenção em formar professores qualificados para o atendimento a pessoas com deficiência. O cenário encontrado mostra a fragilidade da formação docente para o atendimento a esse público, na Educação Básica, pois não possibilita aos futuros docentes uma instrumentalização para um trabalho pedagógico que respeite e valorize as diferenças.


Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa-Portugal: Edições 70.

CENSO 2010, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Recuperado em 10 de dezembro de 2015, de: http://www.censo2010.ibge.gov.br/noticiascenso?view=noticia&id=3&idnoticia=2019&busca=1&t=indicadoressociais-municipais-2010-incidencia-pobreza-maior-municipios-porte-medio.

Garcia, R. M. C. (2013). Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 18(52), 101-119.

Habermas, J. (2007). A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola.

INEP. (2015). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Recuperado em 10 de dezembro de 2015, de: http://ide.mec.gov.br/2011/estados/relatorio/uf/27.

Kassar, M. M. C. (2011). Educação especial na perspectiva da educação inclusiva: desafios da implantação de uma política nacional. EducaremRevista, 41, 61-79.

Labonte, R. (2004). Social inclusion/exclusion: dancing the dialectic. Health Promot. Int., 19(01), 115-121.

Laplane, A. (2006). Uma análise das condições para a implementação de políticas de educação inclusiva no Brasil e na Inglaterra. Educação&Sociedade, 27, 689-715.

Limbach-Reich, A. (2015). Reviewing the evidence on educational inclusion of students with disabilities: differentiating ideology from evidence. International Journal of Child, Youth and Family Studies, 06(03), 358-378.

Mendes, E. G. (2006). A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 11(33), 387-405.

Martins, L. A. R. (2012). Reflexões sobre a formação de professores com vistas à educação inclusiva. In T. G. Miranda & T. A. Galvão-Filho, T. A. (Org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. (pp. 25- 38). Salvador: EDUFBA.

Moreira, L. C., Bolsanello, M. A.; Seger, R. G. (2011). Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiências em foco. Educar em Revista (41), 125-143.

Oliveira, A. S. & Leite, L. P. (2007). Construção de um sistema educacional inclusivo: um desafio político-pedagógico. Anna. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., 15(57), p. 511-524.

Pletsch M. D. (2009). A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisas. Educ. rev., (33), 143-156.

PPC - Projeto Pedagógico de Curso. Ciências Biológicas, Ufal, Campus Agreste, Unidade Sede, 2007. p.09. Recuperado em 08 de abril de 2016 de: http://www.ufal.edu.br/estudante/graduacao/projetos-pedagogicos.

PPC – Projeto Pedagógico de Curso. Ciências Biológicas, Ufal, Campus agreste, Unidade Penedo, 2013. p.85. Recuperado em 08 de abril de 2016 de: http://www.ufal.edu.br/estudante/graduacao/projetos-pedagogicos.

PPC – Projeto Pedagógico de Curso. Dança, Ufal, Campus da Capital, 2006. s/p. Recuperado em 08 de abril de 2016 de: http://www.ufal.edu.br/estudante/graduacao/projetos-pedagogicos.

PPC –Projeto Pedagógico de Curso. História, Ufal, Campus Sertão, 2009. p.07. Recuperado em 08 de abril de 2016 de: http://www.ufal.edu.br/estudante/graduacao/projetos-pedagogicos.

PPC –Projeto Pedagógico de Curso. Pedagogia, Ufal, Campus Agreste, 2014. p.31-34. Recuperado em 08 de abril de 2016 de: http://www.ufal.edu.br/estudante/graduacao/projetos-pedagogicos.

PPC –Projeto Pedagógico de Curso. Pedagogia, Ufal, Campus Sertão, 2014. p.18. Recuperado em 08 de abril de 2016 de: http://www.ufal.edu.br/estudante/graduacao/projetos-pedagogicos.

PPC – Projeto Pedagógico de Curso. Química, Ufal, Campus Maceió, modalidade presencial, 2007. s/p. Recuperado em 08 de abril de 2016 de: http://www.ufal.edu.br/estudante/graduacao/projetos-pedagogicos.

Proposta de Diretrizes para a formação inicial de professores da Educação Básica, em cursos de nível superior. (2000). Recuperado em 21 de maio de 2015, de: http://www.mec.gov.br/sesu/ftp/curdiretriz/ed_basica/ed_basdire.doc.

Resolução Conselho Nacional de Educação/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Resolução CNE/CP 01/2002. Recuperado em 21 de maio de 2015, de: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12991&Itemid=866.

Resolução n. 2 do Conselho Nacional de Educação/CP de 01 de julho de 2015. Diário Oficial da União, Brasília, 2 de julho de 2015 – Seção 1 – pp. 8-12 Recuperado em 21 de maio de 2015, de: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192.

Sá-Silva, J. R., Almeida, C. D. & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 01(01), 01-14.

Sekkel, M. C., Zanelatto, R. & Brandão, S. B. (2010). Ambientes inclusivos na educação infantil: Possibilidades e impedimentos. Psicologia em Estudo, 15(1), p. 117-126.

UFAL. Universidade Federal de Alagoas. (2015). Recuperado em 21 de maio de 2015, de: http://www.ufal.edu.br/institucional/apresentacao.

UNESCO. United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. (1994). The Salamanca Statement and Framework for Action on Special Needs Education. Salamanca. Recuperado em 23 de maio de 2015, de: http://www.unesco.org/education/pdf/SALAMA_E.PDF.

UNESCO. United Nations Educational, Scientificand Cultural Organization. Declaração sobre a diversidade cultural. (2002). Recuperado em 21 de maio de 2015, de: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf.

Veiga, I. P. A. (2003). Inovações e projeto político-pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? Cad. Cedes, 23(61), 267-281.

Veiga, C. G. (2010). Conflitos e tensões na produção da inclusão escolar de crianças pobres, negras e mestiças, Brasil, século XIX. Educação em Revista, 26(01), 263-286.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos