Escutadoras de memória: a experiência de aprender fazendo

Cíntia de Sousa Carvalho, Solange Jobim e Souza

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar uma pesquisa intervenção tendo como campo de atuação uma iniciativa interinstitucional de educação popular. Caracterizado como “Formação das Escutadoras de Memória”, foram realizados estudos teórico-práticos acerca dos modos de escuta das histórias de vida dos moradores das favelas. Parte do diálogo com autores que se afiliam à perspectiva sócio-histórica e crítica da cultura, tais como Walter Benjamin, Ecléa Bosi e Mikhail Bakhtin, esta pesquisa surgiu com a intenção de ampliar o acervo do Museu de Favela (MUF). Para tanto, foi necessário oferecer uma formação teórico-prática para formar um pequeno grupo de moradoras das favelas Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, situada na cidade do Rio de Janeiro, para a realização de entrevistas de memória. A proposta foi realizar uma pesquisa intervenção de caráter ético-político-afetivo, e desenvolver  com as participantes deste trabalho estratégias metodológicas que visaram sensibilizá-las para a importância das histórias de vida para o fortalecimento da identidade de uma comunidade.  A pesquisa em pauta permitiu denunciar o enfraquecimento dos laços sociais e os efeitos subjetivos do isolamento, possibilitando reafirmar o valor da experiência comunal na tarefa existencial de criar sentidos para a vida. 


Palavras-chave


Memória; História; Narrativa.; Escuta; Educação Popular.

Texto completo:

PDF

Referências


Amorim, M. (1997). O Detetive e o pesquisador. Documenta. Eicos/Cátedra Unesco de Desenvolvimento Durável/UFJF, v.6, n.8, p. 127-141.

Bakhtin, M. (Volochinov) (1988). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Editora Hucitec.

Bakhtin, M. (Volochinov) (2003). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Benjamin, W. (1994). Magia e Técnica, Arte e Política. Obras Escolhidas I. São Paulo: Brasiliense.

Bosi, E. (2003). O Tempo Vivo da Memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial.

Chagas, M. (2005). Casas e portas da memória e do patrimônio. In: Gondar, Jô; Dodebei, V. (Orgs.). O que é Memória Social? Rio de Janeiro: Contracapa Livraria; Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Gagnebin, J. M. (2006). Lembrar Escrever Esquecer. São Paulo: Editora 34.

Galeano, E. (2002). O Livro dos Abraços. Porto Alegre: L&PM.

Gusmão, D. S. (2009). Narrativa, Testemunho e Delicadeza: a Casa de Memória e Cultura do Córrego dos Januários. Tese de Doutorado - Departamento de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Jobim e Souza, S. (2011). Mikhail Bakhtin e as ciências humanas: sobre o ato de pesquisar. In: Freitas, M. T. de A. (Org.). Escola, tecnologias digitais e cinema. Juiz de Fora: Ed. UFJF, p. 35-44.

Muricy, K. (1999). Alegorias da dialética: imagem e pensamento em Walter Benjamin. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Porto, C. L. (2010). Álbuns de retratos, infâncias entrecruzadas e cultura lúdica: Memória e fotografia na Brinquedoteca Hapi. Tese de Doutorado - Departamento de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos