Alteridades(s), escritas de si e reflexão: olhares cruzados sobre a formação de professores em Portugal e no Brasil

Conceição Leal da Costa, Ilane Ferreira Cavalcante

Resumo


A realidade constitui-se do caminho que cada um traça a partir de sua formação, de sua vivência familiar, de sua prática profissional, enfim, das especificidades de sua caminhada. Nesse sentido, refletir sobre as relações de alteridade estabelecidas pela nossa relação com o outro e com o mundo é fundamental para compreendermos e (re)construirmos a nossa própria identidade em todas as suas nuances. É sobre esse processo, aqui pensado no sentido da formação docente, que este artigo se debruça, apresentando uma reflexão que cruza olhares de duas professoras de instituições de Portugal e do Brasil. No Brasil, o artigo traça uma breve reflexão sobre a formação docente para lidar com a realidade da Educação de Jovens e Adultos (EJA), partindo da análise dos Projetos de Curso de quatro licenciaturas ofertadas pelo Campus Natal Central do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Em Portugal, as reflexões versam sobre o que as escritas de si e as reflexões podem contribuir para a emancipação dos grupos humanos de que os docentes são (somos) parte. Concluímos que a nossa investigação, inspirada pelo método biográfico, mostra afinidades heurísticas e formativas adequadas à formação docente. Enquanto professoras na Universidade e formadoras de professores, estes estudos impulsionam o isomorfismo pedagógico e a nossa implicação na promoção da sua agência e autonomia, porque impelem à apropriação e visibilidade de acontecimentos, de itinerários e de conhecimentos construídos. O mesmo será dizer, possibilidades de suscitar alteridade(s) através de escritas de si e da reflexão na Educação de Jovens e Adultos. 


Palavras-chave


Escritas de Si; Formação de Professores.; Educação de Jovens e Adultos; Alteridade.

Texto completo:

PDF

Referências


Arroyo, M. (2015). Tensões na condição e no trabalho docente - tensões na formação. Movimento revista de educação. Ano 2. No 2, Rio de Janeiro: UFF, p. 1-34.

Bhabha, H. K. (1998). O local da cultura. Belo Horizonte: EDUFMG.

Borges Duarte, I. (2010). A fecundidade ontológica da noção de cuidado. De Heidegger a Maria de Lurdes Pintassilgo. ex aequo, n. 21, p. 115-131.

Brasil, (1996). Lei 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Ministério da Educação e Cultura: Brasília. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm Acesso em 10 de outubro de 2017.

Brasil. (2007). Portaria Ministerial n.147, 2 de fevereiro de 2007, dispõe sobre a complementação da instrução dos pedidos de autorização de cursos de graduação em direito e medicina. Disponível em: portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/portaria147.pdf Acesso em: 10 de outubro de 2017.

Brasil. (2014). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Ministério da Educação e Cultura: Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em 15 de outubro de 2017.

Brasil. (2015). Plano Nacional de Educação 2014-2024. Câmara dos Deputados: Brasília. Disponível em http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf Acesso em 10 de outubro de 2017.

Couto, M. (1999). Raiz de Orvalho e Outros Poemas. Caminho, Lisboa.

Delory-Momberger, C. (2016). A Pesquisa Biográfica ou a Construção Partilhada de um Saber do Singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) Biográfica, Vl. 1, n. 1, 2016, p. 133-147.

Folque, A.; Leal da Costa, C. & Artur, A. (2016). A formação inicial e o desenvolvimento profissional de educadores/professores monodocentes: os desafios do isomorfismo pedagógico. In: Alves Corrêa, C. H.; Pessoa Calvancanti, L. I. & Freitas Bissoii, M. (Orgs.). Formação de professores em perspectiva. Manaus: EDUA, Editora da Universidade Federal do Amazonas, p. 177-235.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

IFRN. (2012). Projeto Político Pedagógico. Natal: IFRN. Disponível em http://portal.ifrn.edu.br/ifrn/institucional/projeto-politico-pedagogico-1/lateral/menu-1/volume-1-documento-base. Acesso em 12 de outubro de 2017.

IFRN. (2014). Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Letras Espanhol na modalidade presencial. Natal: IFRN. Disponível em http://portal.ifrn.edu.br/ensino/cursos/cursos-de-graduacao/licenciatura/licenciatura-em-espanhol/view . Acesso em 12 de outubro de 2017.

IFRN. (2012). Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física na modalidade presencial. Natal: IFRN. Disponível em http://portal.ifrn.edu.br/ensino/cursos/cursos-de-graduacao/licenciatura/licenciatura-plena-em-fisica/view. Acesso em 12 de outubro de 2017.

IFRN. (2012). Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática na modalidade presencial. Natal: IFRN. Disponível em http://portal.ifrn.edu.br/ensino/cursos/cursos-de-graduacao/licenciatura/licenciatura-plena-em-matematica/view. Acesso em 12 de outubro de 2017.

IFRN. (2012). Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Geografia na modalidade presencial. Natal: IFRN. Disponível em http://portal.ifrn.edu.br/ensino/cursos/cursos-de-graduacao/licenciatura/licenciatura-plena-em-geografia/view . Acesso em 12 de outubro de 2017.

Honoré, B. (1992). Vers l’oeuvre de formation. Paris:L’Harmattan.

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9 ed. São Paulo: Cortez.

Josso, M. C. (2002). Experiências de vida e formação. Lisboa: Educa.

Leal da Costa, C. (2015). Viver construindo mudanças - a vez e a voz dos professores. Contributo para os estudos da aprendizagem e desenvolvimento dos professores. Évora: Universidade de Évora (Tese de Doutoramento).

Passeggi, M.C., Souza, E.C. & Vicentini, P.P. ( 2011). Entre a Vida e a Formação: Pesquisa (Auto)Biográfica, docência e Profissionalização. Educação em Revista, 27 (1), p. 369-386.

Tardif, M.; Lessard, C. (2009). (Orgs.). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. 3 ed. Petrópolis: Vozes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos