Prática Educativa em Movimento Social: narrativas de jovens

Guilherme Ribeiro Miranda dos Santos, Nilma Margarida Castro Crusoé, Núbia Regina Moreira

Resumo


O presente artigo é resultado de pesquisa que analisa práticas educativas em um movimento social, com base nas narrativas de jovens participantes. A questão investigativa é a seguinte: qual é a prática educativa desenvolvida no Movimento Levante Popular da Juventude? Levando-se em consideração a compreensão de que, nos movimentos sociais, as práticas educativas emanam das mais diversas formas, em que a intersubjetividade, as motivações e as experiências interligam-se no processo de construção do sujeito coletivo, optamos por realizar uma pesquisa qualitativa na perspectiva da fenomenologia sociológica de Alfred Schutz. Foram entrevistados três militantes, um de cada setor da organização do Movimento: Diversidade sexual e gênero; Negros e Negras; Mulheres. Os resultados apontaram uma prática educativa que promove aproximação com a realidade, com as questões sociais; forma-se politicamente e estabelecem-se contatos, aproximações, aprendizagens a partir da participação no Movimento; aprende-se experiências de se organizar não somente no Movimento, mas também seu pensamento e sentido sobre que tipo de sociedade se deseja dentro do Movimento e qual o tipo de sociedade deseja-se para si e para o mundo. Conclui-se que a participação no Movimento Social Levante Popular da Juventude possibilita que os integrantes estejam imersos em práticas educativas não formais apreendidas nas atividades organizadas pelo Movimento, como atos de reivindicação, reuniões, formações políticas, acompanhamento por parte de militantes mais velhos, vivências, entre outras coisas, a partir de relações intersubjetivas que se estabelecem entre os participante.


Palavras-chave


Juventude; Levante Popular da Juventude; Movimentos Sociais; Práticas Educativas.

Texto completo:

PDF

Referências


Abramo, H. W. (2007). Considerações sobre a tematização social da juventude no brasil. In: FAVERO, O. et. alli (orgs.). Juventude e Contemporaneidade. Brasília: UNESCO, MEC, ANPEd, p. 73-90. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=648-vol16juvcont-elet-pdf&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192. Acessado em: 15.03.2017.

Alonso, A. (2009). As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, 76, p. 49-86. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ln/n76/n76a03.pdf. Acessado em: 15.03.2017.

Amado, J. et all. (2013). Manual de Investigação Qualitativa em Educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Araujo, A. G. (2013). Luz, câmera, escracho! O protagonismo e a ousadia da juventude na luta pelo direito à memória, verdade e justiça. Monografia de conclusão de curso (Direito) – Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista.

Blumer, H. (1980). A natureza do interacionismo simbólico. In: Mortensen, Charles (Org.). Teoria da Comunicação: textos básicos. São Paulo: Mosaico, p. 119-138.

Brasil. (1996). Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

Castro, E. G. (2012a). Juventude do Campo. In.: Caldart, R. S.; Pereira, I. B.; Alentejano, P.; Frigotto, G. Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, p. 439.

Castro, F. F. (2012b). A sociologia fenomenológica de Alfred Schutz. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, Vol. 48, N. 1, p. 52-60. Disponível em: http://www.usfx.bo/nueva/vicerrectorado/citas/SOCIALES_8/Sociologia/64.pdf. Acessado em 13.03.2017.

Consulta Popular (2012). Quem somos? Recuperado em 25 fevereiro, 2017, de http://www.consultapopular.org.br/quem-somos. Acesso em 25 fev 2017.

Dayrell, J. (2003). O jovem como sujeito social. Favero, O. et. alli (orgs.). Juventude e Contemporaneidade. Brasília: UNESCO, MEC, ANPEd, p. 155-178. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=648-vol16juvcont-elet-pdf&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192. Acessado em: 15.03.2017.

Freire, P. (1980). Conscientização: Teoria e prática da libertação: Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3º ed. São Paulo: Moraes.

Gohn, M. G. (2014). Novas teorias dos movimentos sociais. 5ª Ed. São Paulo: edições Loyola.

Gohn, M. G. (2015). Movimento sociais e educação. São Paulo: Cortez.

Gohn, M. G. (2010). Movimentos sociais e redes de mobilizações no Brasil contemporâneo. 2ª Ed. Petrópolis: Vozes.

Goss, K. P.; Prudêncio, K. (2004). O conceito de movimentos sociais revisitado. In: Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. Vol. 2, nº 1 (2), janeiro-julho 2004, p. 75-91. Disponível em: file:///C:/Users/Elizeu/Downloads/13624-41985-1-PB.pdf. Acessado em: 15.03.2017.

Groppo, L. A. (2011). Condição juvenil e modelos contemporâneos de análise sociológica das juventudes. In: Sousa, J. T. P. de; Groppo, L. A. (Orgs). Dilemas e contestações das juventudes no Brasil e no mundo. Florianópolis: UFSC, p. 11-30.

Groppo, L. A. (2004). Dialética das Juventudes Modernas e Contemporâneas. Revista de Educação do COGEIME, ano 13, n. 25, p.9-22. Disponível em: www.cogeime.org.br/revista/cap0125.pdf Acessado em: 04. 05. 2017.

Iasi, M. L. (1999). Processo de Consciência. São Paulo: CPV.

Levante Popular da Juventude. (2012a). Quem somos. Recuperado em 22 fevereiro, 2017, de http://sp.levante.org.br/p/opa.html.

Levante Popular da Juventude. (2016). Cartilha I Escola Nacional de Formação Política do Levante Popular da Juventude “Emerson Pacheco”. Recuperado em 25 fevereiro, 2017, de https://issuu.com/levantejuventude/docs/escola_nacional_de_forma____o_web_.

Levante Popular da Juventude. (2015a) Nota de solidariedade à família do companheiro Francisco Emerson (Pacheco). Recuperado em 25 fevereiro, 2017, de http://levante.org.br/blog/?p=408.

Levante Popular da Juventude. (2012b). Desafios da formulação estratégica do Levante Popular da Juventude. ______. Cartilha I Escola Nacional de Formação Política do Levante Popular da Juventude “Emerson Pacheco”. Disponível em: . Acesso em: 25 abr.2017

Levante Popular da Juventude. (2012c). Cartilha Projeto Popular para Educação. Recuperado em 25 fevereiro, 2017, de https://pt.slideshare.net/levantedajuventude/cartilha-14923825.

Levante Popular da Juventude. (2012d). Política de acompanhamento de militantes.

______. Cartilha I Escola Nacional de Formação Política do Levante Popular da Juventude “Emerson Pacheco”. Disponível em: . Acesso em: 25 abr.2017

Nunes, J. H. (2013). Interacionismo simbólico e movimentos sociais: enquadrando a intervenção. Revista Sociedade e Estado – V. 28, N. 2, p. 257-277. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v28n2/v28n2a05.pdf. Acessado em: 20.10.2014.

Peralva, Angelina (1997). O Jovem como Modelo Cultural. Revista Brasileira de Educação, Sao Paulo, ANPED, n.5-6, p 13 -27. Disponível em: www.anped.org.br/sites/default/files/rbe/files/rbe_05_e_06.pdf Acessado em: 04. 05. 2017.

Salem, Tânia, (1986). Filhos do milagre. Ciência Hoje, SBPC,v. 5, no25, p. 30-36, jul.-ago.

Schutz, A. (1979) Sobre fenomenologia e relações sociais. Edição e organização Helmut T. R. Wagner; tradução de Ângela Melin. Rio de Janeiro: Zahar Editores.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos