História de Vida-Formação de uma professora idosa aposentada

Adson dos Santos Bastos, Elizeu Clementino de Souza

Resumo


O texto toma como centralidade experiências e trajetórias de vida-formação de uma professora idosa aposentada, participante da Universidade Aberta à Terceira Idade. Busca-se, assim, analisar como o Programa se constitui como um lócus em que as experiências ganham novos sentidos, a partir da compreensão que o sujeito constrói sobre si ao narrar suas histórias formativas. Adotamos princípios epistemológicos e teórico-metodológicos da pesquisa qualitativa e da pesquisa (auto)biográfica, utilizando como dispositivo de pesquisa a entrevista narrativa. A análise apresentada parte do processo de biografização, com ênfase em aspectos vinculados às trajetórias de vida-formação da professora idosa, na condição de professora aposentada. O texto revela, também, modos próprios como a professora aposentada narra suas histórias de formação e inserção profissional, bem como suas aprendizagens no âmbito da Universidade Aberta à Terceira Idade, ao revelar experiências e sentidos sobre a formação, a profissão e a atuação profissional.


Palavras-chave


Narrativas (Auto)biográficas; Professora Aposentada; UATI

Texto completo:

PDF

Referências


Bergo, M.S.A. et. al. (2001). Idosos: proposta e possível público alvo para uma Universidade da Terceira Idade. Cianorte-Paraná, Anais I Seminário Internacional de Educação, Ed. Universidade Estadual do Paraná.

Bosi, E. (1995). Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. São Paulo: Companhia das Artes.

Bragança, I.F.S. (2008). Histórias de vida e formação de professores/as: um olhar dirigido à literatura educacional. In: Souza, E.C. de. & Mignot, A.C.V. (Orgs.) [et. al.]. Histórias de vida e formação de professores. pp. 65-88, Rio de Janeiro: Quartet: FAPERJ.

Bueno, B.O. (2002). O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores: a questão da subjetividade. Educação e Pesquisa. vol. 28, nº 1, pp. 11-30, São Paulo.

Camarano, A. A. (2010). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro (RJ): IPEA.

Camarano, A. A.; Kanso, S.; Mello, J. E. (2004). Como vive o idoso brasileiro? In Camarano, A. A. Os novos idosos brasileiros: muito além dos 60? pp. 25-73 Rio de Janeiro: IPEA.

Carneiro, R. C. O. (2009). Histórias de mestras, memória e identidade: o significado de ser professora do Instituto de Educação Gastão Guimarães. 220 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade), Universidade do Estado da 2, Salvador.

Castro, M. (2005). Percorrendo os caminhos da profissão docente: estudo a partir da trajetória de professoras formadas nas primeiras décadas do século XX. PUC/Minas. Relatório de Pesquisa.

Cachioni, M. (2003). Quem educa o idoso: um estudo sobre professores de universidades da terceira idade. Campinas: Alínea.

Catani, D. B.; Bueno, B. O.; Sousa, C. P. (2000). O amor dos começos: por uma história das relações com a escola. Cadernos de Pesquisa. Nº 111, pp. 151-171.

Dominicé, P. (1988). A biografia educativa: instrumento de investigação para a educação de adultos. In: Nóvoa, A. e Finger, M. O método (auto)biográfico e a formação. pp. 101-106, Lisboa: MS/DRHS/CFAP.

Debert, G. G. (1999). A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp.

Dias, L.T. (2009). Organização da informação no contexto da Museologia e do Museu na contemporaneidade: subsídios terminológicos para a elaboração de uma linguagem documentária. ECA/USP.

Finato, M. S. S. (2003). A universidade aberta à terceira idade e as redes de apoio afetivo e social do idoso. Tese (Doutorado em Educação). 161 f. Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Filosofia e Ciências. Marilia, SP.

Freitas, A. M. G. B. de. (2009). Desvendando aspectos da profissão docente na produção historiográfica educacional do norte e nordeste: algumas possibilidades dos estudos biográficos. In: Pinheiro, A.C.F.P e Ananias, M. (Orgs.). Educação, direitos humanos e inclusão social: histórias, memórias e políticas educacionais. pp. 41-54, Vol. 2. João Pessoa: Editora Universitária UFPB.

Garcia, C. M. (1992). A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: Nóvoa, A. Os professores e a sua formação. pp. 51-75, Lisboa: Dom Quixote.

Grotberg, E. (2005). O Projeto de Resiliência Internacional: promovendo a resiliência em crianças. Wisconsin: Universidad de Wisconsin.

Guba, E. G.; Lincoln, y. W. (1994). Competing paradigms in qualitative research. In: Denzin, n. K.; Lincoln,y. S. (ed.). Handbook of qualitative research. pp. 105-117, Thousand Oaks: Sage.

Josso, M.-C. (2004). Experiências de Vida e Formação. São Paulo: Cortez.

Lorda, C.R; Sanches, C.D. (1995). Recreação na Terceira Idade. Rio de Janeiro: Sprint.

Küchemann, B.A. (2012). Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc. Estado, 27(1),165-180.

Mendonça, A.A., Santos, A.F., Brandão, F.R., Pereira, K.B., & Brito, R.F. (2012). História de vida, de cinco mulheres, na terceira idade, cuidadoras de idosos, na cidade de Belo Horizonte (MG). Rev. Enfermagem, 15(01), 16-27.

Mignot, A. C. V. (2008). Um objeto quase invisível. In: MIGNOT, A.C.V. Cadernos a vista: escola, memória e cultura escrita. pp. 7-13, Rio de Janeiro: UERJ.

Oliveira, R.C.S; Oliveira, F.S. (2011). UATI/UEPG: A construção de novos saberes para o empoderamento do idoso. XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais. Diversidade e (Des) Igualdades. Anais. Salvador, UFBA.

Nóvoa, A.; Finger, M. (1988). (Org.) O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CEAP.

Nóvoa, A. (Coord.). (1992a). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote.

Nóvoa, A. (1992b). Os professores e as histórias da sua vida. In. Nóvoa, A. (Org.) Vida de professores. pp. 11-30, 2ª Ed. Porto: Porto Ed.

Nóvoa, A. e Popkewitz, T S. (1992). Reforma educativa e formação de professores. Lisboa: EDUCA.

Passeggi, M. C.; Vicentini, P. P.; Souza, E.C. (2013). Pesquisa (auto)biográfica: Narrativas de si e formação. 1ª edição, Curitiba, PR: CRV.

Peixoto, C. D. (1977). Volta às aulas ou de como ser estudante aos 60 anos. ln: Veras, R. (Org ). Terceira Idade, desafios para o terceiro milênio. pp. 41-74, Rio de Janeiro: Relume-Dumará/UnATI.

Pereira, A. S. (2014). Tempo de plantar, tempo de colher: mulheres idosas, saberes de si e aprendizagens de letramento em Saquinho. 280 f. Tese Doutorado (Educação e Contemporaneidade) Universidade do Estado da Bahia. Salvador.

Pollack, M. (1992). Memória e Identidade Social. Estudos Históricos: memória, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, pp. 200-215.

Pineau, G. (2006). As histórias de vida como artes formadoras da existência. In.: Souza, E.C. de & Abrahão, M.H.M.B. (Org). Tempos, Narrativas e Ficções: a invenção de si. pp. 329-343, Porto Alegre: EDPUCRS; Salvador: EDUNEB.

Rousso, H. (2002). A memória não é mais o que era. In: Ferreira, M. M.; Amado, J. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. pp. 93-102, 5ª edição, Rio de Janeiro: FGV.

Schön, D. A. (2008). Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed.

Silva, N.P., Cachioni, M. & Lopes, A. (2012). Velhice, Imagem e Aparência: a experiência de idosos da UnATI-EACH-USP. Revista Temática Kairós Gerontologia, 15 (Número Especial 14, “Universidade Aberta à Terceira Idade e Velhice”), 235-257. URL: http://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/15251/11377.

Silva, N. M. (1998). Idosos asilados e representações sociais da velhice. 220 f. Monografia (Gerontologia Social), Centro de Estudos de Pós-graduação Olga Mettig, Salvador.

Pérez-Gómez, A. (1992). O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. pp. 93-114. Lisboa: Dom Quixote.

Souza, E. C. (2016a). Configurações e redes da pesquisa (auto)biográfica no Brasil: diálogos implicados sobre ações colaborativas e educação rural In: Abrahão, M. H. M. B. (Org.). A Nova Aventura (Auto)Biográfica. Porto Alegre: EdiPUCRS, v.1, p. 221-248.

Souza, E. C. (2016b). Biografar-se e empoderar-se: entrevista autobiográfico-narrativa e percursos de formação da professora Dilza Atta In: ABRAHÃO, M. H. M. B. (Org.). Destacados educadores brasileiros: suas histórias, nossa história. Porto Alegre: EdiPUCRS, p. 65-95.

Souza, E. C. (2015). Diálogos em rede: (auto)biografias e documentação narrativa In: Souza, E. C. (Auto)biografias e documentação narrativa: redes de pesquisa e formação. pp. 25-33, Salvador: EDUFBA.

Souza, E.C. (2014). Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Revista Educação UFSM, Santa Maria, v. 39, n. 1, pp. 85-104.

Souza; E.C. (2011).. Territórios das escritas do eu: pensar a profissão - narrar a vida. Educação PUCRS, v.34, pp. 213-220.

Souza, E.C. (2009). Pensar a profissão – escrever a vida: memória, (auto)biografia e práticas de formação. Relatório de Pesquisa para Professor Titular. Salvador, UNEB.

Souza, E. C. (2008). Modos de narração e discursos da memória: biografização, experiências e formação (Auto) biografia: formação, territórios e saberes. In: Passeggi, M. C.; Souza, E. C. (Orgs.). (Auto) biografia: formação, territórios e saberes. pp. 85-101, Prefácio Gaston Pineau. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: PAULUS.

Souza, E. C. (2006). O conhecimento de si: estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A; Salvador: EDUNEB.

Souza, E. C. (2005). Epistemologia da Formação: políticas e sentidos de ser professor no Século XXI. Revista de Educação CEAP. Salvador, CEAP, v. 18, p. 19-24.

Souza, E.C. e Almeida, J.B. de. (2012). Narrar histórias e contar a vida: memórias cotidianas e histórias de vida de educadores baianos. Abrahão, M.H.M.B. (Org). Pesquisa (auto)biográfica em rede. pp. 31-49. Natal: EDUFRN; Salvador: EDUNEB; Porto Alegre: EdiPUCRS. (Coleção Temas Transversais, V. 8)

Taam, R. (2008). A educação do idoso: Uma questão contemporânea. In: Altoé, A. (Org.). Temas de educação contemporânea. pp. 45-56, Cascavel/Paraná: Edunioeste.

Tardif, M.; Lessard, C. e Lahaye, L. (1991). Os professores face ao saber docente: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria e Educação, Porto Alegre, nº 4, pp. 215-232.

Valença, T.D.C., & Reis, L.A. dos. (2015). Memória e história de vida: dando voz às pessoas idosas. Revista Kairós Gerontologia, 18(2), pp. 265-281. ISSNe 2176-901X. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP.

Valença, T.D.C., & Silva, L.W.S. (2011). Fisioterapia no Cuidado ao Sistema Familiar: Uma Abordagem à Pessoa Idosa Fragilizada. Revista Temática Kairós Gerontologia, 14 (Número Especial 9, “Família Ciclo Vital e Velhice), 89-104. URL: http://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/6489/4705.

Vellas, P. (2009). As oportunidades na Terceira. Tradução e notas Claudio Stieltejs e Regina Taam; apresentação Paulo Roberto de Araujo Cruz e Darei Piana. Maringá: Eduem.

Veras, R.P; Caldas, C.P. (2004). Promovendo a saúde e a cidadania do idoso: o movimento das Universidades da Terceira Idade. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 9(2), p. 423-432.

Vidal, D.G. & Faria Filho, L.M. de. (2005). As lentes da história: estudos de história e historiografia da educação no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados.

Wanderley, M. de N. (2000). A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas: o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos Sociedade e Agricultura. pp. 87-145, n. 15.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos