De Menocchio a José Luiz: escavando sentidos para a formação de leitores

Jane Paiva, William Rodrigues Barbosa

Resumo


O artigo apresenta parte de uma pesquisa que, valendo-se das narrativas orais eescritas ordináriasde um idoso, um protagonista anônimo – José Luiz da Silva, colaborador —, foi em busca de conhecer o processo de formação (humana) e como leitor de um sujeito que, mesmo privado do direito à educação escolar, alfabetizou-se em outros espaços e, por meio dessefundamento, aventurou-se à construção de conhecimentos de forma (quase) autodidata. O estudo contou com o auxílio teórico-metodológico da história oral, em diálogo com propostas de pesquisas (auto)biográficas de formação. As obras de Ginzburg (2006), Darnton (2011) e Certeau (2013)subsidiaram a interpretação das narrativas sobre leituras do colaborador. Especialmente neste artigo, enfoca-se a aproximação do processo de (auto)formação de José Luiz com o vivenciado por Menocchio, o moleiro friulano encontrado e estudado por Ginzburg em autos da Inquisição.  Compreender os processos de tessitura do conhecimento sobre a cultura escrita realizados pelo narrador permitiu materializar aspectos pouco evidentes para os que se fazem convencidos de que a escola é o lugar privilegiado de ensinar e de aprender, o que José Luiz nega e repõe em outro lugar, ao narrar suas histórias. O homem-leitor que emerge da investigação resulta de suas leituras, da religiosidade que o acompanhou por um largo tempo, e de suas vivências — mas não se reduz a um reflexo dessas influências, pela forma como as apreende e recria. As respostas às provocações feitas à memória demonstraram singularidades, engendradas pela percepção do sujeito em relação ao mundo. Suas experiências mostraram o quanto a formação de um indivíduo é complexa e se complexifica ao longo da vida, mediada pelas leituras, no contexto de sociedades tecnológicas, globalizadas e grafocêntricas.

 


Palavras-chave


Narrativa (Auto)biográfica; Processos de (Auto)formação; Protagonista Anônimo; Práticas Sociais

Texto completo:

PDF

Referências


Bakhtin, M. (1992). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Bosi, E. (1994). Memória e sociedade: lembranças de velhos (3a ed.). São Paulo: Cia. das Letras.

Certeau, M. (2013). A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer (20a ed.). (E. F. Alves, Trad.). Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Brasil. (1967). Constituição do Brasil de 1967. Brasília. Recuperado em 20 junho 2014,

dehttp://www.inap.mx/portal/images/pdf/lat/brasil/constitucion%20de%20brasil% 201967. pdf

Cunha, M. T. S. (2007). Do baú ao arquivo: escritas de si, escritas do outro. UNESP – FCLAs – CEDAP, 3 (1) (pp. 45-62). Recuperado em 22 abril 2015, de http://pem.assis.unesp.br/index.php/pem/article/view/8/455.

Darnton, R. (2011) História da leitura. In: BURKER, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas (M. Lopes Trad.). (pp. 203-241). São Paulo: Editora Unesp.

Delory-Momberger, C. (2012). Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. (Trad. Anne-Marie M. Oliveira Trad.). Revista Brasileira de Educação, 17 (51) (pp. 523-536).

Febvre, L. (2009). O problema da incredulidade no século XVI: a religião de Rabelais. (M. L. Machado Trad.). São Paulo: Companhia das Letras.

Ginzburg, C. (1989). Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. (F. Carotti Trad.). São Paulo: Cia. das Letras.

Ginzburg, C. (2006). O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela inquisição. (M. B. Amoroso Trad.). (Rev. Téc. H. Franco Jr.). São Paulo: Cia. das Letras.

Lang, A. B. S. G. (1996). História oral: muitas dúvidas, poucas certezas e uma proposta. In: Meihy, José Carlos Sebe Bom (org.). (Re)Introduzindo a História Oral no Brasil. (pp. 33-47). São Paulo: Xamã.

Lei n. 4.024/61. (1961). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília. Recuperado em 20 de junho 2014, de http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=102346.

Pineau, G. (2006).As histórias de vida em formação: gênese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. (M. T. Van Acker e H. C. Chamilian Trad.). Educação e Pesquisa. (32) pp. 329-343. São Paulo, maio/agosto.

Rónai, P. Três motivos em Grande sertão: Veredas. (2001). In: Rosa, J. G. Grande Sertão: Veredas. (19a ed.). (pp. 15-20). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Unesco. (2010). Marco de Ação de Belém. VI Conferência Internacional sobre Educação de Adultos. Brasília, Brasil: Unesco: MEC.

Vainfas, R. (2002). Os protagonistas anônimos da história: micro-história. Rio de Janeiro: Campus.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos