Ensino de Matemática na formação do pedagogo: aprendizagem móvel com a utilização do QR CODE

Carloney Alves de Oliveira

Resumo


O artigo apresenta o resultado do estudo sobre o Ensino de Matemática na formação do pedagogo com a utilização do QR CODE, por meio da prática pedagógica em uma perspectiva dialógica, colaborativa e cooperativa nas aulas da disciplina Saberes e Metodologias do Ensino de Matemática 1, do Curso de Pedagogia do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). O objetivo foi investigar quais as implicações pedagógicas da aprendizagem com mobilidade, como o apoio do QR CODE, na formação do pedagogo, para o compartilhamento de ideias nos processos de ensino e de aprendizagem em Matemática. Baseado nos estudos de Almeida (2003) e Bairral (2007) sobre Ensino de Matemática e aprendizagem móvel, buscou-se a fundamentação teórica. O estudo, de cunho exploratório, foi realizada com os alunos matriculados na disciplina, numa abordagem qualitativa, coletando os dados por meio de entrevistas semiestruturadas e questionários. Constatamos que trabalhar numa perspectiva da aprendizagem móvel nas aulas de Matemática foi válido para provocar uma reflexão sobre a sua importância e a necessidade de desenvolver práticas pedagógicas capazes de dar conta das especificidades relacionadas ao ensino de Matemática, superando o paradigma educacional vigente e estando mais perto do contexto dos sujeitos.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. E. (2003). Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 327-340, jul./dez.

Almeida, M. E. (2004). Inclusão digital do professor: formação e prática pedagógica. São Paulo: Articulação.

Almeida, M. E. Valente, J. A. (2011). Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus.

Bairral, M. C. (2007). Discurso, interação e aprendizagem matemática em ambientes virtuais. Rio de Janeiro: . Edufrrj.

Bairral, M.C. (2013). Do clique ao touchscreen: novas formas de interação e de aprendizado matemático. Disponível em: http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_aprovados/gt19_trabalhos_pdfs/gt19_2867_texto.pdf. Acesso em: 20 abr. 2016.

Borba, M. C. (1999). Tecnologias informáticas na educação matemática e reorganização do pensamento. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em educação matemática: concepções & perspectivas. São Paulo: Unesp.

Borba, M. et al. (2014). Fases das tecnologias digitais em educação matemática: sala de aula e internet em movimento. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Kenski, V. M. (2003). Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas: Papirus.

Macedo, R. S. (2002). Chrysallís, currículo e complexidade: a perspectiva crítico-multirreferencial e o currículo contemporâneo. Salvador: Edufba.

Mantovani, A. M; Santos, B. S. (2011). Aplicação das tecnologias digitais virtuais no contexto psicopedagógico. Revista Psicopedagogia. São Paulo: n. 87, p. 293-305.

Marinho, S. P. et al. (2015). Tecnologias móveis, mídias e redes sociais: cultura de uso de estudantes de Licenciatura. In: Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE-LACSO), Maceió. Anais... Maceió: SBC.

Mercado, L. P. (2009). Saberes e fazeres na educação a distância: dificuldades do professor/tutor na educação a distância. In: Machado, G. J.; Sobral, M. N. (Org.). Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. Porto Alegre: Redes, 2009.

Miranda, R. G. (2006). Informática na educação: representações sociais do cotidiano. 3. ed. São Paulo: Cortez.

­

Moran, J. M. (2003). Contribuições para uma pedagogia da educação online In: Silva, M. (Org). Educação online. São Paulo: Loyola.

Okada, A. L. (2003). Desafio para EAD: como fazer emergir a colaboração e a cooperação em ambientes virtuais de aprendizagem? In: SILVA, M. (Org.). Educação online. São Paulo: Loyola.

Pallof, R. M.; Pratt, K. (2002). Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço: estratégias eficientes para salas de aula online. Porto Alegre: Artmed.

Ramal, A. C. (2003). Educação a distância: entre mitos e desafios. In: Alves, L.; Nova, C. (Org.). Educação a distância: uma nova concepção de aprendizado e interatividade. São Paulo: Futura.

Santos, E. O. (2003). Articulação de saberes na EAD online: por uma rede interdisciplinar e interativa de conhecimentos em ambientes virtuais de aprendizagem. In: Silva, M. (Org.). Educação online. São Paulo: Loyola.

Silva, M. (2003). Criar e professorar um curso online: relato de experiência. In: ______ (Org.). Educação online. São Paulo: Loyola.

Valente, J. A. (2004). Diferentes usos do computador na educação. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2015.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e método. 2. ed. Porto Alegre: Bookmann.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos