O Impacto de Aplicativo Móvel sobre a Aprendizagem de Operários

Timothy Ireland, Dietmar Pfeiffer, Daniele dos Santos F. Dias

Resumo


Este estudo visa avaliar o impacto de celulares como ferramenta pedagógica complementar sobre competências digitais, letramento, satisfação na aprendizagem e taxa de evasão de alunos adultos em cursos de alfabetização. Um aplicativo foi implantado em duas salas de aula da Escola Zé Peão em João Pessoa/PB. No grupo de controle, o ensino se efetuou de forma tradicional sem aplicativo. Os resultados evidenciam que a estrutura e a metodologia do programa impactaram de forma positiva os resultados do processo de alfabetização e aprendizagem dos operários. Porém, a evasão continua representando um desafio pedagógico que o smartphone não contribui para reverter. Como fator interveniente, se destaca o peso da experiência do professor sobre a permanência do aluno na sala de aula e na sua aprendizagem


Texto completo:

PDF

Referências


Aker, J. C.; Ksoll, C.; Lybbert, T. J. (2010). ABC, 123: The Impact of a Mobile Phone Literacy Program on Educational Outcomes. Center for Global Development: Washington, DC. Working Paper 223. Disponível em: http://www.cgdev.org/ publication/abc-123-impact-mobile-phone-literacy-program-educational-outcomes-working-paper-223 . Acesso em: out. 2014.

Attewell, J.; Savill-Smith, C.; Douch, R. (2009). The Impact of Mobile Learning. Examining what it means for teaching and learning. London: LSN. Disponível em: http://www.caryloliver.com/Library/ImpactOfMobileLearning.pdf. Acesso em: out. 2014.

CONFINTEA.(1999). Declaração de Hamburgo: agenda para o futuro. Brasília: SESI/UNESCO.

Freire, P. (1995). Educação na Cidade. São Paulo: Editora Vozes.

Gardner, H. (1999). Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva.

IBGE. (2015). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2007/2013. Brasil em Síntese. Disponível em: http://brasilemsintese.ibge.gov.br/ pt/educacao/taxa-de-analfabetismo-das-pessoas-de-15-anos-ou-mais. Acesso em: out. 2014.

Jara, I.; Claro, M.; Martinic, R. (2013). Mobile Learning in Latin America. Potential of Mobile Technologies to Support Teachers and Improve Practice. Paris: Unesco. Disponível em: http://milunesco.unaoc.org/resources/mobile-learning-for-teachers-in-latin-america-potential-of-mobile-technologies-to-support-teachers-and-improve-practice/ Acesso em: out. 2014.

Kuklinski, H. P.; Balestrini, M. (2010). Prototipos de Mobile Open Education: Una breve selección de casos. Revista Iberoamericana de Tecnologías del/da Aprendizaje/ Aprendizagem. Vol. 5, no .4, p.125-131. Disponível em: < http://rita.det.uvigo.es/ 201011/ uploads/IEEE-RITA.2010.V5.N4.pdf>. Acesso em: out. 2014.

Kukulska Hulme A.; Traxler, J. (Eds). (2005). Mobile Learning: A Handbook for Educators and Trainers. London: Routledge.

Pachler, N., Bachmair, B., Cook, J. (2010). Mobile Learning: Structures, Agency, Practices. New York: Springer.

Prensky, M. (2010). Teaching Digital Natives: partnering for real learning. Thousand Oaks: Corwin.

UNESCO. (2013). Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel. Brasília: UNESCO, 2013.

UNESCO. (2009). O desafio da alfabetização global. Brasília: UNESCO.

Valk, J.-H.; Rashid, T. A.; Elder, L. (2010). Usando telefones celulares para melhorar os resultados educacionais: Uma Análise de Provas da Ásia. Revista Internacional de Pesquisa em Educação Aberta e a Distância, Vol. 11, no.1, p. 117-140. Disponível em: < http://www.irrodl.org/index.php/irrodl/article/view/794>. Acesso em: out. 2014.

Wiley, D. A. (2003). Connecting learning objects to instructional theory: A definition, a metaphor and a taxonomy. The Instructional Use of Learning Objects. 2003. Disponível em: http://www.reusabilility.org/read/chapters/wiley.doc. Acesso em: out. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

ISSN 2317-6571

ESTA REVISTA ESTÁ INDEXADA EM:

DIADORIM, PORTAL SEER, Periódicos CAPESDOAJ, JournalTOCs, CREFAL - Recursos Especializados en EPJA, Latindex

 

QUALIS B1 em Ensino

QUALIS B2 em Educação

QUALIS B3 em Planejamento Urbano e Regional/Demografia

QUALIS B3 em Interdisciplinar

QUALIS B5 em Comunicação e Informação

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é uma publicação do Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Políticas na Educação de Jovens e Adultos - CULT-EJA.

VISITANTES:  contador de acessos