Reinvenções africanas no mundo atlântico: práticas mágico-curativas no interior da Bahia (1930-1950)

Josivaldo Pires de Oliveira, Michelle Caroline Moreira Mansur

Resumo


Por práticas mágico-curativas entende-se aqui o conjunto de saberes de cura exercida por indivíduos das populações negras, na Bahia, desde período colonial. Cunhadas pejorativamente como “feitiçaria”, “curandeirismo” e “mandinga” pelos discursos da imprensa e dos agentes da polícia e da justiça, especialmente na República, esses mestres da cura foram alvo de repressão não apenas na capital baiana, mas também no extenso interior da Bahia. Ao se apropriarem de saberes ancestrais negro-africanos para amenizar as enfermidades de outros, foram autuados pelas autoridades locais por crimes contra a saúde pública, tendo as suas práticas criminalizadas pela legislação penal republicana. Neste artigo nos dedicamos em analisar como se deu essa experiência no interior da Bahia. A partir de notícias de jornais, processos criminais e legislação penal, procuramos apresentar alguns destes casos problematizando- os na dimensão das reelaborações culturais negro-africanas no universo atlântico e das relações de poder estabelecidas com as autoridades policiais e judiciárias na Bahia republicana.


Palavras-chave


Mundo Atlântico; Curadores negros; Bahia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


E-ISSN 2446-7375

ISSN Impresso 2318-1990

Classificação Quals CAPES: 

História - B4

Antropologia/Arqueologia - B4

Interdisplinar - B4

Linguística e Literatura - B3

Indexadores:

 

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0